Cineasta Marcelo Gomes denuncia 'crise democrática brasileira'

Diretor de 'Joaquim', que concorre ao Urso de Ouro no Festival de Berlim, fez ainda paralelo da atual conjuntura política do país com a colonização portuguesa

por Mariana Peixoto 17/02/2017 07:00
Tobias Schwarz/AFP
(foto: Tobias Schwarz/AFP)
“Estamos vivendo uma grave crise democrática no Brasil. Em quase um ano sob esse governo ilegítimo, direitos da educação, saúde, trabalhistas foram duramente atingidos. Junto com todos os outros setores, o audiovisual brasileiro, especialmente o autoral, corre sério risco de acabar. A diretoria da Agência Nacional de Cinema (Ancine) está agora em processo de substituição de dois de seus quatro diretores, que serão anunciados pelo ministério do atual governo.”


Uma versão reduzida de uma longa carta dirigida à comunidade cinematográfica internacional encerrou, ontem, a coletiva de imprensa do filme Joaquim. O longa, filmado em Diamantina, é a única das 12 produções brasileiras selecionadas para o Festival de Berlim que concorre ao Urso de Ouro.

O diretor Marcelo Gomes se dirigiu ao grupo de jornalistas presentes “não como o diretor de Joaquim, mas como parte dos cineastas brasileiros que estão na Berlinale” para ler, em inglês, o manifesto que fala do risco que a produção autoral está correndo. Assinaram a carta os diretores e produtores de 11 dos 12 filmes que participam da Berlinale.

O tom do manifesto foi ao encontro também à conversa de Gomes e sua equipe com os jornalistas presentes. Joaquim conta a história de Joaquim José da Silva Xavier. Mas o filme de Gomes está longe de ser uma cinebiografia tradicional. A narrativa, coprodução Brasil e Portugal, é uma ficção sobre o processo de conscientização política de Tiradentes. Em cena está o homem, não o mártir.

“À medida que eu lia livros sobre o período colonial no Brasil, que falavam da vida cotidiana daquelas pessoas, mais entendia o Brasil de hoje. As cicatrizes da sociedade daquela época são reproduzidas hoje no Brasil, só que em outra dimensão”, explicou o diretor, que voltou a Berlim três anos depois de apresentar o longa O homem das multidões (codirigido com Cao Guimarães).

O elenco conta com atores de diferentes nacionalidades. O papel-título é do brasileiro Júlio Machado. “Vivemos durante um mês em um cenário semelhante ao daquelas pessoas no século 18. Me concentrei mais nisto do que na trajetória psicológica do personagem. Para mim, os personagens ali, que vivem do garimpo, estão na eterna esperança de encontrar algo (ouro, no caso) que os faça abandonar uma realidade muito triste”, comentou o ator.

Machado divide a cena com intérpretes como Isabél Zuaa, nascida em Lisboa de pais africanos (a mãe de Angola e o pai da Guiné-Bissau, ambas ex-colônias portugueses). Na história, ela é uma escrava por quem Joaquim se apaixona – tanto por isto, tenta comprar sua liberdade. “Encontro o racismo no meu dia a dia. Isso é algo que liga a personagem com a minha vida”, comentou a atriz.

Não faltaram analogias do que é visto na tela do que se vive nos dias de hoje. “Cada colonização é um processo muito cruel. Mas os ingleses e os espanhóis foram para suas colônias com as famílias. Os portugueses não. Foram para explorar a terra”, acrescentou Gomes.

Um jornalista português, comentando sobre a linha adotada no longa, comentou que o filme deve causar polêmica em seu país, pois “coloca a culpa da corrupção nos portugueses”. Um das produtoras do filme, a portuguesa Pandora da Cunha Telles, concordou com ele. “Espero que ele provoque polêmica, pois temos que questionar toda a colonização portuguesa. É nosso papel fazer isto tanto em relação ao Brasil quanto com a África.”

A exibição de Joaquim para a imprensa ocorreu na manhã de quarta-feira. À noite, o longa foi exibido no Berlinale Palast, principal sala de exibição do festival. O resultado da 67ª edição do evento será anunciado amanhã.

VÍDEOS RECOMENDADOS