Cine Pedal convida público a gerar energia a partir de bicicletas durante Virada Cultural

Repórter do EM participa da maratona para a projeção de 'O menino e o mundo', animação de Alê Abreu que propõe reflexão sobre o meio-ambiente

por Pedro Galvão 11/07/2016 08:36

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
Paulo Filgueiras/EM/D.A Press (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Cinema e bicicleta. Esse encontro já provou ser capaz de emocionar muita gente pelo mundo, como na clássica cena da pedalada flutuante do filme E.T - O extraterrestre. No Cine Pedal Brasil, instalado no Parque Municipal como uma das atrações da 4ª Virada Cultural de BH, o público teve a oportunidade de não apenas contemplar a sétima arte, mas também de participar do espetáculo doando sua própria energia para a transmissão do filme através da bicicleta.


Não tem mistério. A estrutura é montada a partir de pequenos motores nas rodas traseiras das bicicletas e a energia é produzida ao pedalar e conduzida para um gerador maior, que alimenta o projetor e o sistema de iluminação. São 10 bikes fixas e ainda há motores livres para quem quiser instalar a própria magrela trazida de casa. Com a roda levemente suspensa, ninguém sai do lugar e é possível acompanhar o filme ao longo da pedalada. Também há um “pedal manual” para cadeirantes ou portadores de necessidades especiais que impeçam a movimentação das pernas. Uma proposta bem democrática, refletida na diversidade do público formado por mulheres, homens, crianças e pessoas mais velhas.


Para participar basta ter disposição. Do contrário, tudo se apaga e o filme é interrompido. É possível monitorar a quantidade de energia gerada através de um medidor. Se ele fica próximo do vermelho, é preciso por força nas canelas e aumentar o ritmo da pedalada. Organizadores levam água e incentivos morais aos que estão pedalando. Quem cansa é substituído por quem ainda aguarda a oportunidade na fila de espera.


Foi o que ocorreu com este repórter, que passou a vez em pouco mais de cinco minutos sobre a bike. Com muito mais preparo, a estudante Marina Oliveira, de 24 anos durou bem mais tempo alimentando o gerador. “Conheci o projeto por causa da Virada e achei fantástica a ideia, estou gostando muito, o lugar é lindo e é muito bom produzir uma energia limpa e me sentir parte do filme”, disse a jovem que havia ido Horto ao Parque Municipal de bicicleta.


Elegante, de sapatos, cinto e blusa para dentro da calça, o comerciário aposentado Tarcísio Rodrigues, de 57 anos, também transformou sua pedalada em filme. “Pedalar é uma delícia, é saudável, adorei participar”, contou o jovial senhor que tinha como única reclamação o fato de O menino e o mundo, filme nacional que era exibido graças às pedaladas do público, não ter lavado o Oscar de melhor animação neste ano. Apesar de indicado, a produção brasileira foi superada por Divertidamente. “O que eles têm contra a gente?”, indagou Tarcísio, que, depois de pedalar, procurou uma das várias cadeiras espalhadas pelo gramado à beira do lago do parque para acompanhar o restante da sessão ao lado da plateia que desfrutava do exercício dos “cine ciclistas”.


Quem assiste a O menino o mundo, dirigido por Alê Abreu, fatalmente cria algum tipo de questionamento sobre a vida nas grandes cidades e a superficialidade das relações marcadas pelo consumo de bens cada vez mais descartáveis De maneira sutil e delicada, a animação mostra bem o contraste entre a vida no campo, onde o homem é conectado com a natureza ao redor, e a vida caótica nas metrópoles, em que a poluição acaba contaminando até as nossas almas. A experiência de ver exatamente esse filme enquanto se produz, com o esforço do próprio corpo, a energia a ser consumida pela exibição, é quase uma fantástica metalinguagem. O público pôde assistir, participar e ainda repor as energias nas foodbikes: bicicletas adaptadas para vender comida. Era possível encontrar espetinhos, pizzaria, cachorro-quente e doces à venda sobre duas rodas.


“Nossa proposta é a reflexão sobre o meio ambiente, mostrar que o planeta é feito de recursos finitos e que energia é coisa séria”, explica Adriana Dutra, diretora da Inffinito, empresa de audiovisual responsável pela realização do Cine Pedal. Belo Horizonte foi a quinta capital a receber o projeto, que já passou por Rio, Florianópolis, Porto Alegre e São Paulo. Além de O menino e o mundo, o documentário Bikes VS carros também foi exibido no Cine Pedal da Virada, que contou ainda com apresentação de DJ e um debate sobre sustentabilidade entre um filme e outro no Parque Municipal.

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA