'O caçador e a rainha do gelo' tem boas atuações de Charlize Theron e Emily Blunt

Filme marca a estreia de Cedric Nicolas-Troyan como diretor de longas. Ele trabalhou em 'Branca de Neve e o caçador'

por Agência Estado 05/05/2016 12:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Universal Pictures/Divulgação
(foto: Universal Pictures/Divulgação)
Los Angeles – 'O caçador e a rainha do gelo', em cartaz no Brasil, é um misto de sequência, spin-off e história de origem de Branca de Neve e o caçador (2012), que arrecadou quase US$ 400 milhões nas bilheterias de todo o mundo, mas também ficou famoso pelo escândalo envolvendo sua atriz principal, Kristen Stewart, e seu diretor, Rupert Sanders. Os dois estão fora do novo filme, que mostra como Eric (Chris Hemsworth) se tornou um caçador. O francês Cedric Nicolas-Troyan, supervisor de efeitos especiais de Branca de Neve e o caçador, faz sua estreia na direção de longas-metragens.

Apesar de o foco aparentemente estar no personagem masculino (o título original se traduz como A guerra de inverno do caçador), a verdade é que ele está rodeado de mulheres – e que mulheres. Charlize Theron volta como a poderosa rainha Ravenna, que, graças à magia do cinema, ressuscita depois de passar desta para melhor no episódio anterior. “Fiquei meio chocada quando me ligaram, porque, afinal, eu morri. Mas me senti lisonjeada de me quererem de volta”, disse Theron em entrevista, em Los Angeles. A atriz teve chance de explorar outras facetas da personagem, com a revelação de que tem uma irmã, Freya (Emily Blunt). “Jamais pensei que Ravenna fosse capaz de amar algo ou alguém”, contou Theron. “O relacionamento entre irmãs é um dos mais complexos que existem, foi bacana de fazer, especialmente com uma potência como Emily.”

Freya torna-se amarga, após sofrer um trauma. Descobre que tem poderes à la Elsa, a princesa de Frozen – Uma aventura congelante, animação de sucesso da Disney. Acredita que o amor é a fonte de todos os males e, por isso, tira crianças de seus pais para transformá-las em guerreiros. “Nunca interpretei uma vilã num mundo de fantasia como este, achei que seria delicioso. E foi”, afirmou Blunt. As duas sofreram um pouco com os figurinos lindos, mas pesados e incômodos, criados mais uma vez por Colleen Atwood.

DESCONTRAÇÃO Entre os soldados mirins de Freya, além de Eric, está Sara (Jessica Chastain). Os dois, claro, apaixonam-se, o que é terminantemente proibido pela rainha do gelo. “Para mim, foi ótimo, estava cansada de fazer tantas personagens pesadas”, contou Chastain, que filmou diversas cenas de luta e ação. “Este elenco foi demais, nunca ri tanto num set.”

A maior vítima das brincadeiras parece ter sido o próprio Hemsworth, que, fato raro, era o único homem no elenco principal. Na entrevista, Charlize Theron e Emily Blunt provocaram o ator o tempo todo, dizendo que ele era a verdadeira princesa, por exemplo. “Chris sofreu abuso constante”, admitiu Blunt. Apesar disso, o australiano afirmou que não sentiu nenhum incômodo. “Havia uma energia diferente no set desta vez, porque todos nós trouxemos nossos filhos”, contou.

Acostumado a ser visto na pele do super-herói Thor nas produções da Marvel, aqui mostra seu lado mais cômico. Eric é arrogante e tem como companheiros de jornada quatro anões divertidos. “O primeiro filme era mais sombrio. Quando começamos a falar sobre o projeto, achei interessante porque aqui há a oportunidade de ser mais leve, adicionar mais senso de humor.” No fim das contas, com essa mudança de tom, talvez O caçador e a rainha do gelo não seja nem sequência, nem spin-off, mas um “reboot”, ou reinicialização, da série. (Mariane Morisawa/Estadão Conteúdo)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA