Resenhas negativas nem sempre são capazes de influenciar bilheterias

Críticos podem ser alvo da ira do público ao divergir sobre uma obra querida

por Pedro Galvão 03/04/2016 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Warner/Divulgação
Batman vs Superman: A origem da justica, de Zack Snyder, foi arrasado pela crítica, mas fãs compareceram em massa às salas de exibição (foto: Warner/Divulgação)

Com uma semana em cartaz, Batman e Superman se mostraram capazes de defender não apenas o planeta de terríveis inimigos, mas também seus produtores e investidores das duras críticas da mídia. Apesar da avaliação bem negativa por parte da crônica especializada, o filme estreou com tudo nas bilheterias, arrecadando US$ 424 milhões no primeiro fim de semana de exibição em todo o mundo. É a maior abertura da história entre as adaptações de quadrinhos e a sexta no geral. Se Batman vs Superman: A origem da justiça será mais um caso de “fracasso de crítica e sucesso de bilheteria”, ainda temos que esperar as próximas semanas de exibição, mas fica mais uma oportunidade para o debate sobre essa estranha relação no cinema contemporâneo.

De acordo com o site norte-americano Metacritic, que calcula a nota média que os filmes recebem da crítica, Batman vs Superman é um filme 4,4. Bem menos que os 6,5 que Deadpool, da concorrente Marvel, que também estreou este ano. No entanto, nas bilheterias, a recém-lançada adaptação da DC Comics teve um resultado melhor, considerando apenas primeira semana em cartaz. Caso a história dos dois heróis continue atraindo multidões e cumpra a arrecadação esperada de quem investiu US$ 250 milhões na produção (orçamento oficialmente divulgado), teremos mais um caso de desacordo entre crítica e público, como foram, por exemplo, Transformers: A era da extinção de 2014, e o nacional Os dez mandamentos, que estreou este ano.

Até que ponto a opinião especializada influencia o público a assistir ou não um filme? No caso das megaproduções, praticamente nada. É o que afirma o coordenador do curso de cinema e audiovisual da UNA, Rafael Cicarini. “Os grandes blockbusters são assistidos de qualquer maneira por causa do grande volume de marketing, propagada e espaço na mídia que têm. A própria crítica negativa é um espaço midiático capitalizado a favor deles, já que a polêmica criada por quem fala mal do filme instiga ainda mais o público”, garante o cineasta. Rubens Ewald Filho, um dos críticos mais populares do país, também acompanha a teoria: “Críticos não têm importância para blockbusters e filmes pré-vendidos, até porque muita gente compra ingresso antes mesmo do filme sair e de qualquer crítica ser publicada”, argumenta.

E não é só para Hollywood que a proporção inversa anda valendo. Entre os campeões nacionais de bilheteria também encontramos alguns títulos detonados pela crítica, como a adaptação da telenovela bíblica Os dez mandamentos, líder de público no Brasil no ano, à frente de todos os blockbusters estrangeiros. Com mais de 10,5 milhões de espectadores, o longa já é a terceira maior bilheteria da história entre os brasileiros, atrás apenas de Dona flor e seus dois maridos (1976), que deve ser superado ainda nesta semana, e Tropa de elite 2 (2010).

Assim como as superproduções hollywoodianas, filmes nacionais criados em parceira com grandes emissoras de TV, como Globo e Record, costumam ter um bom espaço de divulgação na mídia e um orçamento destinado ao marketing, garantindo a curiosidade do público, a despeito do que a crítica fale. “Tem crítico que já vai preparado para não gostar desses filmes comerciais e o público acaba antagonizando com ele, em alguns casos, o crítico vai ser odiado e perder seguidores ao falar mal de um filme querido pelo público”, explica Rafael Cicarini.
Munir Chatak/Rede Record/Divulgção
Com grande divulgação na TV, Os dez mandamentos foi assistido por mais de 10 milhões no país, apesar de ter sido condenado por especialistas (foto: Munir Chatak/Rede Record/Divulgção)

Crítica No entanto, a lógica não vale para produções menores. Para Cicarini, o público que se interessa por filmes de arte e pelo cinema independente costuma se informar através da crítica sobre o que está em cartaz. Na opinião dele, uma crítica negativa pode ter efeitos terríveis para uma produção de menor orçamento. “Quando a crítica é muito negativa, cria-se a sensação de um filme irrelevante, já que ele quase não tem espaço na mídia e não tem propaganda em volta. Da mesma forma, quando um filme desse tipo é elogiado, como ocorreu com o O som ao redor, que apareceu na lista dos 10 melhores do ano do The New York Times, o resultado é bem superior ao esperado”, explica.

O som ao redor, que chegou às salas em 2013, foi apontado pelo crítico norte-americano A.O. Scott, do jornal The New York Times, como um dos 10 melhores filmes do mundo em 2012. Durante a exibição no Brasil, o longa dirigido por Kleber Mendonça Filho levou pouco mais de 94 mil espectadores às salas. Número expressivo para uma produção independente, mas ainda bem inferior a outras produções nacionais lançadas naquele ano com grande aporte financeiro, como Minha mãe é uma peça e Até que a sorte nos separe 2, que levaram 4,6 e 3,9 milhões de espectadores às salas de cinema, respectivamente.

Mas nem tudo é culpa da crítica na opinião de Rubens Ewald Filho. Para ele, outros detalhes são mais determinantes no sucesso ou fracasso de um filme. “Tudo depende de como o filme é vendido. Esse último filme da Bruna (Lombardi) e do Riccelli, Amor em Sampa, foi um fracasso monumental e é claro que seria! Quem, fora de São Paulo, vai se interessar por um filme come esse título? Até aqui em São Paulo o povo tem raiva desse apelido, que nunca foi usado pelos paulistanos”, disse o crítico sobre o filme lançado neste ano, que saiu de cartaz assistido por apenas 7 mil pessoas em todo país.
Alexandre Lima/Divulgação
Tropa de elite 2 agradou o público e jornalistas. Filme é um dos escolhidos para a estreia de série na TV (foto: Alexandre Lima/Divulgação)

Clássicos e crítica na TV


Crítica e cinema nacional também serão o assunto de Rubens Ewald Filho na série 50 grandes filmes brasileiros, que estreia na terça-feira, no canal por assinatura Max. Produzida pelo HBO latina e pela Popcon, a primeira temporada terá 10 episódios. Cada capítulo, com duração de uma hora, falará de cinco filmes nacionais, agrupados por um tema central, com entrevistas com profissionais envolvidos nas produções e comentários de críticos e especialistas.

A estreia reunirá filmes policiais, como Tropa de elite 2 : O inimigo agora é outro e Amei um bicheiro. A sequência da série contemplará ainda grandes comédias, filmes sobre a ditadura, sobre o cangaço, road movies, adaptações da literatura nacional, clássicos de amor e um episódio especial final, reunindo os cinco melhores filmes brasileiros de todos os tempos na opinião dos críticos que participaram da série.

50 grandes filmes do cinema brasileiro

Estreia da série, no Canal Max, terça-feira, às 23h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA