Oscar de melhor filme dá novo impulso a 'Spotlight' nos cinemas do Brasil

Longa volta ao cartaz em Belo Horizonte depois de fazer R$ 4,3 milhões em bilheteria nacional

por Mariana Peixoto 06/03/2016 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nada como um Oscar para mudar a trajetória de um filme. Quando inesperado, então, tanto melhor. Grande vencedor da 88ª edição do prêmio, Spotlight: Segredos revelados, de Tom McCarthy, voltou ao cartaz em Belo Horizonte. No Brasil, o filme está sendo exibido em 138 salas.


Por aqui, cinco salas (com apenas um horário em cada) apresentam, desde quinta-feira, a história da investigação que jornalistas do The Boston Globe empreenderam para denunciar a pedofilia na Igreja Católica. O elenco, um dos pontos fortes da narrativa, inclui Mark Ruffalo, Michael Keaton, Liev Schreiber e Rachel McAdams.


E mais: o selo Vestígio, da editora Autêntica, lança, na segunda quinzena deste mês, o livro que reúne a série de reportagens publicadas em janeiro de 2002 pelo jornal norte-americano. Até domingo, ele estava em pré-venda com a capa “indicado a seis Oscars”. A edição foi mudada para chegar às lojas com a marca “vencedor de dois Oscars (filme e roteiro original)”.

Open Road/Divulgação
Representação ficcional de equipe do The Boston globe, que revelou escândalo na Igreja Católica (foto: Open Road/Divulgação)
Lançado no fim de novembro nos EUA e no início de janeiro no Brasil, Spotlight custou US$ 20 milhões. Até agora, a bilheteria mundial soma US$ 63,5 milhões – 62,1% desse valor corresponde ao mercado norte-americano (dados do Box Office Mojo). No Brasil, a bilheteria foi de R$ 4,3 milhões (245 mil ingressos vendidos, dados da Sony Pictures).


O Oscar mais importante da noite tinha como favoritos O regresso e A grande aposta. Esse último, inclusive, havia recebido o troféu do Sindicato dos Produtores, para muitos o maior termômetro do prêmio principal.

 

Um dia antes do Oscar, Spotlight havia levado o Spirit Awards, premiação do cinema independente americano dedicada a filmes que custaram até US$ 20 milhões.


A reportagem que serviu de base para a narrativa levou, em 2003, o Pulitzer de Serviço Público, mais importante entre as 21 categorias da premiação dedicada a jornalismo e artes.

 

Na época, o livro foi editado nos EUA com outro título, Betrayal: The crisis in the Catholic Church (Traição: A crise na Igreja Católica). Com a adaptação cinematográfica, o volume – assinado pela equipe de jornalismo investigativo do The Boston Globe – ganhou o mesmo título do filme.


Criada em 1970, Spotlight é a mais antiga divisão de repórteres investigativos em atividade dos EUA. As denúncias do time de repórteres garantiram não só uma série de prêmios Pulitzer, como também prestígio e importância nacional para um jornal local.


Dos jornalistas vistos na tela, um ainda integra a equipe: Michael Rezendes, que foi à cerimônia do Oscar (seu papel coube a Mark Ruffalo). O repórter investigativo escreveu que uma das lições recebidas pela equipe que denunciou a Igreja Católica foi “a importância do jornalismo investigativo ao responsabilizar instituições e indivíduos poderosos por suas ações, mesmo aqueles que professam ser modelos de probidade e moralidade”.

 

SPOTLIGHT: SEGREDOS REVELADOS
l Da equipe do jornal The Boston Globe
l Editora Autêntica/Vestígio
l 288 páginas
l R$ 39,90



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA