Favorito, Sylvester Stallone cogitou boicotar a cerimônia de entrega das estatuetas

Ele concorre a melhor ator coadjuvante pelo papel de Rocky Balboa em "Creed", que é escrito, dirigido e protagonizado por artistas negros, não indicados

por Estado de Minas 10/02/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MARK DAVIS/GETTY
Sylvester Stallone segura o Globo de Ouro que ganhou pelo papel de Rocky Balboa em "Creed" (foto: MARK DAVIS/GETTY)
Indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante por "Creed - Nascido para lutar", Sylvester Stallone teve dúvidas se deveria ou não boicotar a cerimônia de premiação, marcada para o próximo dia 28 de fevereiro. Ele venceu o Globo de Ouro pelo papel de Rocky Balboa no filme de Ryan Coogler e é considerado favorito na disputa pelo Oscar. Embora vista como merecida, a indicação de Stallone acrescentou combustível à polêmica racial que domina essa edição do Oscar. Coogler, que escreveu e dirigiu "Creed", é um artista negro, assim como o protagonista do longa, Michal B. Jordan (Adonis Creed). A ideia do boicote ao Oscar surgiu em protesto à ausência de artistas negros entre os indicados. Stallone só decidiu ir à cerimônia depois de consultar Coogler, segundo contou em entrevista ao jornal "The New York Times". "Eu realmente queria ter a opinião dele (Coogler) sobre que comportamento ele achava que eu deveria ter. Ele disse: você deveria ir. Divirta-se e represente o filme", afirmou. O diretor disse ao diário norte-americano que estava feliz por Stallone. "Qualquer coisa boa que aconteça com ele me faz rir de orelha a orelha", afirmou, evitando comentar a convocação do boicote. A indicação de Stallone a melhor ator coadjuvante foi a única obtida por "Creed". No longa, Adonis Creed, filho do falecido lutador Apollo Creed, procura Rocky Balboa, aposentado dos ringues e dono de um restaurante de comida italiana na Filadélfia, com a proposta de que ele se torne seu treinador de boxe.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA