'Filomena' percorre trajeto da lama e grava documentário sobre efeitos da tragédia em Mariana

Personagem criada pela atriz Gorete Milagres foi o fio condutor que a mineira escolheu para mostrar a realidade ainda desoladora de quem foi vítima do rompimento da barragem

por Ana Clara Brant 06/02/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
DOMENICO PUGLIESE/DIVULGAÇÃO
(foto: DOMENICO PUGLIESE/DIVULGAÇÃO)

No dia em que a barragem da Samarco se rompeu, em 5 de novembro de 2015, a atriz mineira Gorete Milagres estava em sua casa, em São Paulo, e recebeu uma mensagem da sobrinha, que estuda em Mariana, palco da tragédia. “Fiquei assustada e horrorizada. Quando a TV começou a mostrar as imagens, é que fui me dar conta da tristeza e da dramaticidade daquilo”, recorda.

No começo de janeiro, ao lado do premiado fotógrafo italiano Domenico Pugliese, em passagem pelo Brasil para uma campanha publicitária, ela decidiu percorrer o trajeto da lama. Inicialmente, a ideia era apenas registrar imagens da maior catástrofe ambiental brasileira. Para proporcionar algum alento às comunidades atingidas pelo desastre, Gorete decidiu levar na bagagem o figurino de sua personagem mais famosa, a doméstica Filomena. Assim que Pugliese a viu caracterizada, “passou a tirar fotos e a filmar sem parar”, conta a atriz. “Quando a gente percebeu, tínhamos um material muito rico”, diz.

Depois de uma semana percorrendo cidades de Minas Gerais, como Mariana, Governador Valadares, Resplendor e o distrito de Bento Rodrigues, além de Regência, no Espírito Santo, onde as águas do Rio Doce se encontram com o mar, os dois decidiram transformar aquelas imagens em um documentário. “Fiquei tão triste e revoltada com o que vi. Não imaginava que, de perto, a realidade seria muito mais cruel. Então, falei para mim mesma: preciso fazer alguma coisa. Não posso ficar calada diante disso. A gente editou e criou esse documentário de 19 minutos mostrando como o rio e as pessoas estão, após dois meses do ocorrido”, conta.

Filomena, ou Filó, é conhecida do público brasileiro há mais de 20 anos. A personagem foi o fio condutor que a atriz mineira escolheu para mostrar a realidade ainda desoladora de quem foi vítima do rompimento da barragem. “A Filomena é muito querida pelo povo. É impressionante. Ela conseguiu arrancar risadas, mesmo num momento muito complicado. Foi muito bacana”, observa Gorete. No documentário, Filó enfrenta fila ao lado dos moradores de Valadares para conseguir água, conversa com gente que perdeu sua plantação em Regência e bate um papo com os índios krenak em Resplendor, angustiados diante das águas sujas que eram fonte de comida e bebida.

FAXINA “Não tem faxina e água sanitária que deem conta de tanta lama. Ô, coitado desse povo!”, lamenta a personagem em um dos trechos do curta. No entanto, há momentos de seriedade e muita tristeza. “Toda vez que conversava com alguém que está passando por isso, os olhos dessa pessoa lacrimejavam. Também cheguei a me emocionar bastante”, relata.

A reação ao filme, disponibilizado na internet, fez Gorete se animar a legendá-lo em inglês. A Da Terra Brasil Foundation, organização sem fins lucrativos, dedicada a arrecadar fundos para assistência e desenvolvimento de projetos sociais no Brasil, quer exibir Rio Doce – 60 dias depois em um evento em Nova York. Como ainda há muito material guardado, a intenção de Gorete e Pugliese é postar no canal da atriz no YouTube (onde o filme foi publicado) pílulas com depoimentos de moradores que ainda estão sofrendo com a lama. “Minha meta a partir de agora é conscientizar as pessoas por meio da Filomena e mostrar que o errado pode ser consertado. A Filó é muito popular e fala para um público que precisa ser esclarecido. Tenho que fazer algo com ela que seja de utilidade pública”, afirma.

O próximo projeto é um vídeo, também ao lado de Domenico Pugliese, sobre a questão do agrotóxico no Brasil e de alimentos geneticamente modificados. “Já estou fazendo o roteiro, pesquisando bastante. É um assunto muito sério, que nos afeta em vários aspectos.”


DOAÇÕES

No documentário Rio Doce – 60 dias depois, Filomena chama a atenção para que cada um faça a sua parte e está promovendo uma campanha na internet por doação de água mineral para as populações locais. Os interessados em ajudar podem acessar o site: vakinha.com.br/vaquinha/soso-valadares-etapa-ii

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA