Indicada, Charlotte Rampling nega racismo no Oscar: ''Pode ser que atores negros não merecessem''

Na corrida pela estatueta de Melhor Atriz, britânica de 69 anos acredita que boicote à festa ''é racismo contra os brancos''

22/01/2016 20:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Como se já não fosse polêmica suficiente a ausência de pessoas negras entre os indicados ao Oscar, a atriz Charlotte Rampling, que concorre na categoria Melhor atriz, se opôs à campanha de boicote contra a premiação com uma afirmação problemática. Em entrevista canal drancês Europe 1, a britânica de 69 anos disse que a atitude de artistas negros, que manifestaram intenção de não comparecer à festa da Academia, "é racismo contra os brancos". Entre as celebridades que garantem não ir à premiação deste ano estão nomes importantes como Spike Lee, Will Smith, Jada Pinkett-Smith e Michael Moore.

AFP PHOTO/Mark Ralston
Indicada por '45 anos', Rampling diz que a Academia de Hollywood é ''o grande clube do cinema'' (foto: AFP PHOTO/Mark Ralston)
Para Rampling, a questão não está ligada ao racismo velado na indústria de Hollywood, mas à ausência de talento dos que não foram indicados. "É difícil saber se é o caso, mas pode ser que os atores negros não merecessem estar na reta final”, afirmou a  atriz veterana.

Rampling tampouco se mostrou a favor da criação de cotas para melhorar a representação das minorias entre os finalistas ao Oscar, como propôs Spike Lee, o primeiro a se rebelar contra o Oscar. “Por que classificar as pessoas? Vivemos em países onde somos mais ou menos aceitos... Mas sempre haverá problemas e [gente que diga] ‘ele é menos bonito’, ‘ele é negro demais’, ‘o outro é branco demais’... Por isso é preciso criar milhares de pequenas minorias em todo canto?”, questionou Charlotte.

 

Quando lhe pediram para precisar sua opinião, ela deu por finalizado o assunto com um “no comment” (sem comentários).

Na última semana, atores como George Clooney, Mark Ruffalo e Lupita Nyong’o se mostraram críticos em relação à Academia, enquanto a hashtag #OscarsSoWhite se multiplicava na internet. Rampling é a primeira que rompe o consenso. A atriz de 69 anos, que ganhou o prêmio de Melhor atriz no último festival de Berlim, disse que estar “na lista dos indicados [ao Oscar]” já é uma recompensa, pois significa "a entrada no grande clube do cinema que é a Academia."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA