Michael Moore se junta a Jada Pinkett-Smith e Spike Lee em boicote ao Oscar

Cineastas protestam contra a falta de profissionais negros na premiação

por Diário de Pernambuco 19/01/2016 14:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Wikimedia Commons / Reprodução
(foto: Wikimedia Commons / Reprodução)
O cineasta Michael Moore, conhecido por documentários polêmicos como 'Tiros em Columbine' (2002) e e 'Fahrenheit 11 de setembro' (2004), anunciou que também vai boicotar a cerimônia de entrega do Oscar 2016. Ele se junta ao cineasta Spike Lee e a atriz Jada Pinkett Smith, que protestam contra a falta de profissionais negros nas indicações da premiação.

"Pensei sobre isso o dia inteiro. Não pretendo ir à cerimônia. Não pretendo assistir a cerimônia e não pretendo ir em nenhuma festa relacionada à cerimônia", disse Moore em entrevista ao portal norte-americano The Wrap. Em sua conta no Twitter, ele postou "Eu apoio Jada Pinkett-Smith e Spike Lee vou me juntar a eles. Eu acredito que a Academia irá consertar isso. Obrigado presidente Cheryl Boone Isaacs". Vale lembrar que ele é membro da Academia e faz parte do time responsável pela escolha de Melhor Documentário.



Nesta semana, Spike Lee (Faça a Coisa Certa) publicou desabafo nas redes sociais. A postagem somou mais de cinco mil curtidas. "Como é possível, pelo segundo ano consecutivo, todos os 20 candidatos na categoria de ator serem brancos? E não vamos nem entrar em outros campos. Quarenta atores brancos em dois anos e nenhuma personalidade. Não podemos atuar?!", questionou.

No dia em que os indicados foram divulgados, a hashtag #Oscaraindamuitobranco se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter. Entre os nomes anunciados pela Academia, Bryan Cranston, Eddie Redmayne, Jennifer Lawrence, Kate Winslet e Leonardo DiCaprio.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA