Com base em vivências nos anos 80, diretora Marina Person lança 'Califórnia'

Cineasta criada com exemplos do pai, um representante do cinema novo, Person pretende comunicação com o público

por Correio Braziliense 03/12/2015 11:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Zeca Florentino
Ex-VJ e agora, na inaugural entrada ao mundo das ficções, à frente do longa 'Califórnia' (foto: Zeca Florentino)
Inevitavelmente associada ao pai, o cineasta Luís Sérgio Person, Marina, ex-VJ e agora, na inaugural entrada ao mundo das ficções, à frente do longa Califórnia, teve aprendizado familiar. “Tenho a maior admiração e me dá muito orgulho ser filha dele. Gosto de levar a obra dele adiante”, conta, adiantando que em fevereiro, o pai (morto há quatro décadas) faria 80 anos e suscitará “ocupação de centro cultural” paulistano.


Ser mais “acessível” foi meta corrente com o longa Califórnia, que chega às salas do eixo Rio-São Paulo, de Porto Alegre e de Brasília. Em pauta, os primeiros amores adolescentes, e parte do DNA do pai. “Ele não trazia lado hermético, mesmo na corrente do cinema novo. A comunicação com o público era forte. São filmes que não ficaram datados, até em termos estéticos”, avalia.

 

As mulheres no filme são decididas. Isso combina com um tema bem atual, não?

 O ano das mulheres, no mundo. No cinema, muito foi deflagrado, depois do discurso de Patricia Arquette no Oscar. Ficamos mais atentos à equiparação de salários e de oportunidade de papéis para as mulheres. Não há por que apontar dedos na cara do mundo machista: os números falam por si, e as mulheres não chegam, em muitas esferas, nem a um terço do total de integrantes de grupos ligados ao mercado. Vejo com alegria diretoras como Anna Muylaerte, Tata Amaral e Lina Chamie.

 

Você se percebe no enredo do longa?

O filme fala muito da minha geração. Fala da queda da mordaça da ditadura, da época de euforia, com o voto para presidente; fala do nascimento de um rock diferenciado em Brasília e São Paulo. Tratamos da veia rebelde de músicas da Legião Urbana, dos Titãs, do Ira, do Capital Inicial e até de Os Paralamas do Sucesso. Falo no filme da primeira geração que teve descobertas amorosas, fatal e violentamente, coincidentes com a Aids.

 

Confira o trailer:

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA