Bruce Lee volta ao cartaz em BH e comprova solidez de sua influência

Maior nome das artes marciais no cinema é cultuado até hoje pelos fãs, mais de 40 anos depois de sua morte

por Walter Sebastião 21/11/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Um mito das artes marciais e do cinema, Bruce Lee está de volta. Quatro de seus cinco filmes chegam às telas com o Festival Bruce Lee – 75 anos: O dragão chinês (1971) e A fúria do dragão (1972), ambos com roteiro e direção de Wei Lo; O voo do dragão (1972), escrito, produzido e dirigido pelo próprio Bruce Lee; e Jogo da morte (1978), com direção de Robert Clouse e de Lee, ainda que não creditada. A mostra vai percorrer diversas cidades brasileiras, permanecendo em Belo Horizonte entre 26 deste mês e 2 de dezembro, no Belas Artes.


Para o cineasta mineiro Helvécio Ratton, a celebração tem bons motivos e é bem-vinda. “Bruce Lee é uma estrela, uma destas lendas do cinema que persistem e vão persistir para sempre”, garante. Na opinião de Ratton, Bruce Lee era um bailarino, cuja movimentação encanta ainda hoje. Consideração carinhosa vinda de um diretor que, como ele mesmo observa, sempre viu o lutador com curiosidade, ainda nos anos 1970, pela presença marcante com que chegou aos cinemas.

 Golden Harvest Company/Divulgação
Lutador de estilo próprio, Lee tornou-se astro com apenas quatro papeis importantes no cinema (foto: Golden Harvest Company/Divulgação )
"Bruce Lee é um personagem consistente, com profundas ligações com a cultura dele”, justifica Ratton. “Trouxe realismo incrível para a fantasia que é o cinema”, acrescenta, recordando que os filmes dele são de uma época em que as artes marciais não se valiam de efeitos especiais. Bruce Lee tornou-se um ícone do gênero. “Que me lembre, é o único nome quando se fala em filmes de artes marciais. E tem uma presença muito bonita no mundo ocidental”, continua, lembrando que, depois de ser ídolo popular, ele conquistou também os intelectuais.

Ser como a água

Bruce Lee nasceu em San Francisco (EUA), em 27 de novembro de 1940. Quarto dos cinco filhos de pais chineses, que saíram de Hong Kong com uma companhia de ópera, foi batizado Lee Jun-fan, que significa “retomar de novo”. Desde bebê, já participava de filmes. A família logo voltou a Hong Kong, e a iniciação nas artes marciais se deu primeiro com o pai, que ensinou aos filhos a prática do tai chi e do kung fu. Depois, foi aluno do mestre Wing Chun, que começou a treiná-lo – outros professores se recusavam a ensinar artes marciais a quem não fosse totalmente chinês, e o avô materno de Lee era alemão.

 

Confira trailer de Jogo da morte, filme que Lee deixou inacabado:

 

 

Em uma adolescência tumultuada, Bruce Lee chegou a enfrentar membros de gangues e a ser ameaçado por ter espancado o filho do líder de uma delas, correndo o risco de ser preso. A família resolve então enviar o jovem de 18 anos para os Estados Unidos, para morar com a irmã.

 

Na bagagem, ele levava dois títulos de campeão de boxe, em 1957 e 1958. De San Francisco, vai para Seattle. No início dos anos 1960, está na universidade de Washington, onde estuda filosofia, teatro e psicologia.

O estilo Jeet Kune Do, que ele inventou, surgiu em 1965, depois de luta com Wong Jack Man, um represente dos que eram contra a ideia ensinar artes marciais a não orientais. Após derrotar Wong, Bruce Lee aprofundaria as críticas às tradições das artes marciais, para ele muito rígidas e formais para serem usadas em situação de defesa pessoal nas ruas.

 

Desenvolve então sistema com ênfase na “praticidade, flexibilidade, rapidez e eficiência”, mistura de várias práticas – ele conhecia mais de uma dezena delas. “Estilo sem estilo”, nas palavras de Lee, influenciado pelo taoismo, krishnamurti e budismo, ainda que ele tenha se declarado sem religião e ateu.

Falando de sua base filosófica, Bruce Lee se definiu com a expressão “ser como água”, pela possibilidade do líquido de tomar várias formas, sem se limitar a uma delas. A partir de 1967, passou a trabalhar também como professor, participando de campeonatos e fazendo demonstrações de suas habilidades.

 

No cinema

A agilidade de Bruce Lee chamou a atenção de produtores de televisão e cinema, que o contrataram para elenco de apoio de diversas produções. Insatisfeito com tal posição, ele retornou a Hong Kong e conseguiu contrato para estrelar dois filmes. O primeiro deles, O dragão chinês, foi um enorme sucesso de bilheteria em toda a Ásia e o lançou ao estrelato.

Veio então A fúria do dragão, seguido por O voo do dragão. No final de 1972, Bruce Lee começou a desenvolver O jogo da morte, projeto interrompido pelo convite para estrelar Operação dragão, que o lançaria na Europa e Estados Unidos. Em 20 de julho de 1973, meses após a conclusão do filme e seis dias antes da sua estreia, Bruce Lee morreu. A autópsia indicou edema cerebral, mas há quem fale em vingança da máfia que ele enfrentou na adolescência, em Hong Kong, e até de quem continuava contra o ensino de artes marciais aos não orientais. Tinha 32 anos.

 

Um atleta inovador

 Golden Harvest Company/Divulgação
Com as mãos limpas, campeão enfrenta samurai armado com espada em 'A fúria do dragão' (foto: Golden Harvest Company/Divulgação )
Bruce Lee é importante também para as artes marciais. Quem afirma é Alexandre Terra, fundador, com Adriano Dutra, da Associação Brasileira de Jeet Kune Do (ABJKD), cuja sede fica em Alfenas, no Sul de Minas, onde cultiva os ensinamentos do mestre, inclusive trazendo ao Brasil alunos norte-americanos. “Ele fez uma revolução nas artes marciais ao começar a trabalhar considerando o ser humano, e não só a técnica”, explica Alexandre Terra.

“As artes marciais antigas foram criadas para um certo tipo de corpo e, por longo tempo, continuaram a ser ensinadas sem considerar diferenças na estrutura física e biomecânica dos atletas”, explica Alexandre Terra. “Bruce Lee adaptou a técnica aos indivíduos, e não as pessoas à técnica. Mostrou que cada um tem seu estilo pessoal, um modo de combater que é dele, que pode ser eficaz e igual em potência a qualquer outro. É uma compreensão bem mais profunda do que ficar ensinando a decorar técnicas.”

“As criações, métodos e ideias de Bruce Lee mostram que o ser humano está além dos estilos, dos sistemas estabelecidos”, continua. “E assim ensinou a não ficar preso a limites fixos, tomados como verdade absoluta.” Para Alexandre Terra, Bruce Lee era ainda mais prodigioso do que mostram os filmes: “Ele conseguia fazer oito golpes por segundo, e desconheço quem o faça. Teve, inclusive, de diminuir a velocidade para que fosse possível filmar a ação”, conta.

A dica de Alexandre Terra para conhecer Bruce Lee é o filme Operação dragão, o único que não está na mostra. Nesta produção, explica Alexandre Terra, o lutador mostra detalhes do caminho que investigou. Depois, o livro O tao do Jeet Kume Do, póstumo, organizado pela mulher do lutador, onde estão as bases filosóficas do processo. E uma longa entrevista disponível no YouTube, chamada “Como água”.

 

Festival Bruce Lee – 75 anos
De 26 de novembro a 2 de dezembro, no Cine Belas Artes (Rua Gonçalves Dias, 1.581, Funcionários).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA