Cinco fatos indispensáveis sobre Jessica Jones antes da estreia da série no Netflix

Os 13 episódios da série original do Netflix estão marcados para entrar online às 12h, deste dia 20

por Diário de Pernambuco 12/11/2015 09:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

É de Jessica Campbell Jones o poder de ser a mais horizontal personagem do universo Marvel. A investigadora profissional - que será vista pela primeira vez em versão de carne e osso no Netflix - está em praticamente todos os arcos da editora fundada por Martin Goodman. Apesar de certo ostracismo, Jessica é uma mulher de passado. A nova-iorquina tem história com supercolegas, como Quarteto Fantástico, X-Men, Vingadores, Homem-Aranha, Homem-Formiga, Capitã Marvel, Luke Cage e Demolidor. Com os dois últimos, ainda divide a vizinhança nada aprazível de Hell’s Kitchen. Enquanto a roupa suja de Jessica Jones não começa a ser lavada nos 13 episódios da série original do Netflix, com a pele e o osso de Krysten Ritter (Breaking bad) e a produção executiva de Melissa Rosenberg (Crepúsculo, Dexter), o Viver elenca cinco fatos indispensáveis sobre a heroína - vale reforçar, todos saídos dos quadrinhos.


Bad Jessica

Jessica Jones foi a primeira personagem do selo Max, criado em 2001 para reunir HQs de conteúdo explícito e sem censura da Marvel. Batizada de Alias, a revista criada por Brian Michael Bendis e Michael Gaydos, com desenhos de David W. Mack, e estrelada por Jessica, não apenas tinha palavrões, sexo e violência, como era de se esperar da nova chancela. Aliasfoi além ao passear por tabus, como sexo anal, violência sexual, dominação mental, e foi pioneira ao apresentar uma personagem feminina sem estereótipo. Em muitas páginas, a violência é menos de socos e pontapés e mais psicológica: a Jessica que, por exemplo, se masturbou inspirada em jovens versões do Homem-Aranha e do mutante Homem de Gelo é a mesma que teve que teve a mente controlada pelo vilão Zebediah Killgrave, o Homem Púrpura.

 

Ninguém é normal

O sexo é um recurso usado por Jessica para sentir, qualquer coisa que seja. Para ficar anestesiada, a investigadora usa o álcool. Deprimida e isolada, Jessica aparece nas primeiras páginas de Alias como uma mulher independente, de pavio curto, que sofre com o trauma de passar oito meses sem controlar a própria mente. A nova-iorquina precisa lidar ainda com a decepção que sente em relação a outros heróis, já que nenhum deles a socorreu - ou sequer sentiu sua falta - durante o período de domínio de Killgrave. Jessica só saiu do transe porque Killgrave a enviou para matar o Demolidor. Na empreitada, ela acaba na mansão dos Vingadores, onde ataca a Feiticeira Escarlate e é detida por Visão e pelo Homem de Ferro. A mutante Jean Grey ajudará Jessica a se reabilitar mentalmente após a abdução.

 

Foi um acidente

Ao contrário do amante e amigo Luke Cage, que acabou com pele invunerável e superforça após experimento militar, Jessica desenvolveu superpoderes depois de um acidente. Qualquer semelhança com o Demolidor? Ou com o Homem Aranha? O pai de Jessica ganhou do chefe, ninguém menos que Tony Stark (Homem de Ferro), ingressos para a Disney. Na viagem, o carro da família colide com um caminhão carregado de material radiotivo. Jessica foi a única sobrevivente e, após coma, acordou com a capacidade de voar, além de resistência física e força sobre-humanas (nas HQs, ela levanta um carro de polícia sem grande esforço).

 

Low profile

Foi a briga entre Homem-Aranha e Sandman que inspirou Jessica a enveredar pela carreira de super-heroína. Então, assumiu a identidade de Jewel ou Safira (em português), integrante da liga de Jovens Vingadores liderada por Capitão América e Homem de Ferro. Era uma carreira relativamente traquila até entrar no caminho de Killgrave. Na ocasião, o Homem Púrpura dominava um restaurante ao Jessica chegar. Então, fez ela matar todos os policiais no local. E tomou conta de sua mente.

 

Uma estrela da TV

Jessica Jones chegará á TV em grande estilo. "O mundo saberá o nome dela", profetiza o Netflix. No segundo trailer, lançado nesta terça-feira, a detetive particular (Krysten Ritter) aparece em diálogo revelador com Luke Cage (Mike Colter). "É muita bebida para uma mulher tão pequena", diz ele. A conversa é entrecortada por uma cena de luta, com uma amostra da grande força de Jessica. O vídeo de menos de três minutos revela ainda o climão entre os dois. Killgrave (David Tennant) é apresentado como o controlador de mentes que é. Os 13 episódios estão marcados para entrar online às 12h do dia 20, mas, como já é padrão, o Netflix deve antecipar a estreia em algumas horas. Olho no relógio.

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA