Spielberg, Tom Hanks e o extraordinário destino de um advogado anônimo em novo filme

Diretor volta ao período da Guerra Fria em novo filme com estreia prevista para esta quinta-feira no Brasil

por AFP 21/10/2015 13:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rob Kim/Getty Images/AFP
Na imagem, produtor Adam Stockhausen (e), protagonista Tom Hanks (c) e diretor Steven Spielberg (d) durante evento de lançamento de 'Ponte dos espiões' (foto: Rob Kim/Getty Images/AFP )
Nova York, Estados Unidos -
O cineasta Steven Spielberg relata em seu filme mais recente a verdadeira história de um advogado americano, interpretado por Tom Hanks, que consegue negociar o resgate de dois prisioneiros do bloco do leste europeu no fim dos anos 1950.

Fã dos destinos excepcionais, o diretor de A Lista de Schindler (1993), Prenda-me Se For Capaz (2002) e Munique (2005), entre outros, leva aos cinemas desta vez uma história do período da Guerra Fria: Ponte dos Espiões.

Em um momento de tensão entre Estados Unidos e Rússia sobre o enfoque da guerra na Síria, o filme estreia na sexta-feira nos Estados Unidos e no dia 22 de outubro no Brasil.
 
 
 
Em 1957, o advogado James Donovan (Hanks) foi escolhido por seu escritório como o 'bode expiatório', para defender o indefensável no Ocidente naquela época: um espião soviético detido em território americano, Rudolf Abel.

Para o governo e os sócios de Donovan no escritório de advocacia era apenas uma questão de demonstrar que o inimigo tinha o direito a uma defesa digna do nome, nada mais.

Mas ao contrário desta percepção e do que pensava a opinião pública, o advogado chega à Suprema Corte, mas sem sucesso. Rudolf Abel consegue evitar a pena de morte, mas recebe uma condenação de 30 anos de prisão.

Cinco anos depois, o serviço secreto americano solicita novamente a presença de Donovan, mas desta vez para negociar de maneira informal com os soviéticos a troca de Rudolf Abel por um piloto americano, Francis Gary Powers, que teve o avião espião U-2 abatido.

Um contra todos

O filme, com uma concepção tradicional, tem uma atmosfera intimista e sem as cenas de ação que o cinema costuma apresentar atualmente.

O roteiro, que teve a colaboração dos irmãos Joel e Ethan Coen, se concentra nas relações humanas e na comunicação entre diferentes culturas.

Grande parte do filme gira ao redor de Tom Hanks, que interpreta um personagem fiel a suas convicções para conseguir transitar em um universo no qual geralmente se encontra sozinho contra o mundo: os soviéticos, os alemães orientais, a CIA, os colegas, a opinião pública e, em alguns momentos, a esposa e os filhos.

Seu único cúmplice verdadeiro acaba sendo Rudolf Abel, cujo comprometimento, integridade e humor - interpretados com grande sutileza pelo britânico Mark Rylance - terminam por cativar o advogado.

"Há algo neste personagem que Tom realmente respeitou, o fato de que seria durão", explicou Spielberg em uma videoconferência a partir da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas.

Para o diretor, Tom Hanks é, "neste filme, menos o cara comum que ele interpretou em outros filmes".

Reservado e no início tranquilo, James Donovan se revela aos poucos como alguém seguro de si, dono de suas emoções, mas ao mesmo tempo humano e divertido.

O filme está longe reinventar o gênero, mas consegue prender a atenção do espectador, com direito a um epílogo repleto de suspense.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA