Zumbificando em The Walking Dead: três bons motivos para assistir à maratona

Seriado é exibido pela Fox em maratona até o domingo, dia da estreia da sexta temporada

por Diário de Pernambuco 09/10/2015 19:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AMC/Divulgação
Série retoma as temporadas no domingo (foto: AMC/Divulgação)
A sexta temporada de The Walking Dead, a série mais vista da história dos Estados Unidos, só começa no domingo. Mas os telespectadores não querem perder um segundo até reencontrar o bando de seres humanos à procura da sobrevivência em meio a zumbis e questões morais cada vez mais conflitantes. A Fox, detentora da transmissão da série no Brasil, exibe uma maratona com todos os capítulos das cinco primeiras temporadas. São exatamente 67 episódios sobre o esfacelamento do grupo liderado por Rick Grimes até a chegada em Alexandria, refúgio de humano prestes a ser invadido por mortos-vivos.

A exibição da série chega precedida pelo sucesso de Fear The Walking Dead, seriado derivado do original em uma tentativa dos produtores de explicar as origens da infestação zumbi - ambientada em Los Angeles. Com seis episódios, o chamado spin-off se tornou a série com a primeira temporada mais vista da história da televisão paga dos Estados Unidos.

Listamos três motivos para fãs ou não de The Walking Dead sentarem em frente à televisão (ou mesmo sacar mão do smartphone) e acompanhar a maratona antes de embarcar na sexta temporada:

1 - A decadência moral

A necessidade de sobrevivência do bando de Rick Grimes, xerife acordado de um coma quando a pandemia zumbi eclode, arrasta os personagens para situações corriqueiras nas quais as atitudes nem sempre obedecem às regras básicas de cidadania. A falência moral é paulatina e, para escapar das mordidas dos mortos-vivos ou mesmo liderar os humanos sobreviventes, vale chantagear, enganar, roubar e até matar. Compare as questões existenciais da primeira temporada com o pragmatismo da quinta. É de espantar.

2 - O visual

A passagem do tempo também é explorada na mudança de visual dos personagens. A questão da higiente fica em segundo plano diante da necessidade de sobreviver. Tudo gira em torno da praticidade. O crescimento de Carl, filho de Rick, também surpreende: de garoto inocente das primeiras temporadas, criado na saia da mãe, surge um adolescente com a frieza de eliminar inimigos e ajudar o grupo a enfrentar os monstros - embora a confusão mental se torne recorrente frente a dilemas éticos e morais.

3- A tensão constante

A dinâmica de The Walking Dead torna frágil qualquer personagem. Estrelas da primeira temporada, aparentemente vocacionados para durar mais tempo, desaparecem diante de circunstãncias improváveis. A morte de Shane, colega ambíguo de Rick e amante de Lori, companheira do xerife, coloca em evidência o pragmatismo: para sobreviver, vale eliminar quem ameaça a harmonia do bando. Os ataques inesperados dos zumbis, surgidos de onde menos se espera, são outro ponto de atração. Vale recordar o destino trágico de Merle e Andrea, dois sobreviventes de situações difíceis dos primeiros capítulos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA