Cláudio Assis fatura cinco prêmios no Festival de Brasília

'Big jato' leva o troféu de melhor filme, apesar das vaias para o diretor pernambucano. O mineiro André Novais Oliveira também é premiado

por Correio Braziliense 23/09/2015 00:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press
Cláudio Assis ganhou vaias e prêmios no Festival de Brasília (foto: Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press)

O longa-metragem 'Big jato' ganhou quatro das cinco principais categorias do Troféu Candango, grande premiação do 48ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, na terça-feira, dia 22. Além de ter sido escolhida como melhor filme, a obra do cineasta pernambucano Claudio Assis conquistou os prêmios de melhor ator, para Matheus Nachtergaele, de melhor atriz, para Marcélia Cartaxo, e de melhor roteiro, para Hilton Lacerda e Ana Carolina Francisco. “É o primeiro Candango que ganho na vida. Estou emocionado”, disse Nachtergaele. O longa levou também a estatueta de trilha sonora, dada a DJ Dolores.

 

A noite registrou momentos intensos. Assis foi novamente vaiado – semana passada, ele já havia passado por esse constrangimento em Brasília. A plateia não perdoou seu comportamento machista, há algumas semanas, durante debate, no Recife, com a cineasta Anna Muylaert, diretora de 'Que horas ela volta?' A presidente da Câmara Legislativa, Celina Leão, também enfrentou a fúria da plateia brasiliense.

 

O prêmio de melhor direção ficou para Aly Muritiba, por seu trabalho em 'Para minha amada morta'. O gosto do público não combinou com o do júri. 'A Família Dionti', de Alan Minas, foi o longa-metragem selecionado por quem esteve nas cadeiras do Cine Brasília. Entre os curtas, 'Afonso é uma brazza', de James Gama e Naji Sidki, levou a estatueta para casa. O Prêmio Saruê, concedido pela equipe de cultura do jornal Correio Braziliense, foi para o discurso de Rodrigo Carneiro, diretor do curta-metragem 'Copyleft'.


O Candango de melhor curta ou média metragem foi para 'Quintal', de André Novais Oliveira, integrante da produtora Filmes de Plástico, que funciona em Contagem, na Grande BH. O filme levou também os prêmios de atriz, para Maria José Novais Oliveira, e roteiro, dado a André Novais Oliveira.

 

O curta 'Rapsódia para o homem negro', de Gabriel Martins, ganhou os prêmios de trilha sonora e aquisição Canal Brasil de melhor filme. Gabriel também faz parte da produtora mineira Filmes de Plástico. 

PRÊMIOS - 48º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
 
FILME DE LONGA METRAGEM Júri Oficial

Melhor Filme de longa metragem - R$ 100.000,00
Big Jato, de Cláudio Assis
 
Melhor Direção - R$ 20.000,00
Aly Muritiba, por Para Minha Amada Morta
 
Melhor Ator - R$ 10.000,00
Matheus Nachtergaele, por Big Jato
 
Melhor Atriz - R$ 10.000,00
Marcelia Cartaxo, por Big Jato
 
Melhor Ator Coadjuvante - R$ 5.000,00
Lourinelson Vladmir, por Para Minha Amada Morta
 
Melhor Atriz Coadjuvante - R$ 5.000,00
Giuly Biancato, por Para Minha Amada Morta
 
Melhor Roteiro - R$ 10.000,00
Hilton Lacerda e Ana Carolina Francisco, por Big Jato
 
Melhor Fotografia - R$ 10.000,00
Pablo Baião, por Para Minha Amada Morta
 
Melhor Direção de Arte - R$ 10.000,00
Monica Palazzo, por Para Minha Amada Morta
 
Melhor Trilha Sonora - R$ 10.000,00
DJ Dolores, por Big Jato
 
Melhor Som - R$ 10.000,00
Claudio Gonçalves e Flávio Bessa, por Fome
 
Melhor Montagem - R$ 10.000,00
João Menna Barreto, por Para Minha Amada Morta
 
Prêmio Especial do Juri
Jean-Claude Bernardet, por Fome
 
FILME DE CURTA OU MÉDIA METRAGEM - Júri Oficial
 
Melhor Filme de curta ou média metragem - R$ 30.000,00
Quintal, de André Novais
 
Melhor Direção - R$ 10.000,00
Nathália Tereza, por A Outra Margem
 
Melhor Ator - R$ 5.000,00
João Campos, por Cidade Nova
 
Melhor Atriz - R$ 5.000,00
Maria José Novais, por Quintal
 
Melhor Roteiro - R$ 5.000,00
André Novais, por Quintal
 
Melhor Fotografia - R$ 5.000,00
Leonardo Feliciano, por À Parte do Inferno
 
Melhor Direção de Arte - R$ 5.000,00
Fabiola Bonofiglio, por Tarântula
 
Melhor Trilha Sonora - R$ 5.000,00
Sérgio Pererê, Carlos Francisco, Gabriel Martins e Pedro Santiago, por Rapsódia para o Homem Negro
 
Melhor Som - R$ 5.000,00
Léo Bortolin, por Command Action
 
Melhor Montagem - R$ 5.000,00
Pablo Ferreira, por Afonso é uma Brazza

Prêmio Especial do Júri (Pela feliz conjugação entre o trabalho de direção e atuação coletiva):
História de uma Pena, de Leonardo Mouramateus
 
PRÊMIOS DO JÚRI POPULAR
 
Melhor Filme de longa metragem - R$ 40.000,00
A Família Dionti, de Alan Minas
 
Melhor Filme de curta ou média metragem - R$ 10.000,00
Afonso e uma Brazza, de Naji Sidki e James Gama

Prêmio Canal Brasil

Filme: Rapsódia para o Homem Negro, de Gabriel Martins

Prêmio exibição TV Brasil

Filme: Santoro: o Homem e sua Música, de John Howard Szerman

Prêmio Marco Antônio Guimarães

Filme: Santoro: o Homem e sua Música, de John Howard Szerman

Prêmio ABRACCINE - O Prêmio da Crítica

A Outra Margem, de Nathália Tereza
 
Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
 
Prêmio SARUÊ - Correio Braziliense

Copyleft ("pelo conteúdo embasado e tocante, RODRIGO CARNEIRO, seu discurso merece o Saruê").

JURADOS
 
JÚRI MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE LONGA METRAGEM
Amir Labaki
Ana Cecília Costa
Cláudio Marques
Iberê Carvalho
Joel Zito Araújo
Luelane Corrêa
Werner Schünemann
 
JÚRI MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE CURTA-METRAGEM
 
Ilana Feldman
Marcelo Pedroso
Marcus Mello
Marília Rocha
Santiago Dellape

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA