Após sete anos de luta, filme sobre Tiradentes é gravado em Diamantina

Longa do diretor pernambucano Marcelo Gomes abre mão do mito para falar sobre um Tiradentes 'gente como a gente'

por Carolina Braga 21/09/2015 09:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Gomes/Arquivo pessoal
A região de Diamantina foi escolhida como locação para novo filme sobre o alferes Tiradentes (foto: Marcelo Gomes/Arquivo pessoal)
O cineasta Marcelo Gomes nunca teve uma barba tão grande. O visual é próprio de quem, nos últimos 15 dias, se embrenhou pelas matas na região de Diamantina para contar a história de outro barbudo famoso: Tiradentes. Ou melhor, Joaquim José da Silva Xavier. “Já posso ganhar o green card mineiro”, brinca o diretor pernambucano. O pedido procede.

O primeiro longa da carreira de Marcelo ('Cinema, aspirinas e urubus', de 2005) começa ao som de Serra da Boa Esperança, canção de Lamartine Babo dedicada à cidade de Boa Esperança, no Sul do estado. O filme foi montado em Belo Horizonte por Karen Harley. 'O homem das multidões' (2013), seu trabalho mais recente – parceria com o mineiro Cao Guimarães –, foi rodado e montado na capital. Agora chegou a vez de 'Joaquim', o quinto longa da carreira de Gomes e terceiro com ligações mineiras.

Que não se espere de Marcelo Gomes didatismos sobre o mártir da Inconfidência Mineira. “O filme não é um livro de história, mas ficção que imaginei a partir de uma inspiração histórica”, esclarece. 'Joaquim', que só deve chegar aos cinemas em 2017, é protagonizado pelo ator Júlio Machado. O elenco conta também com integrantes do Grupo Galpão – Antônio Edson, Chico Pelúcio, Eduardo Moreira e Paulo André –, além de portugueses e moradores de Diamantina.

O projeto nasceu há sete anos, quando Marcelo foi procurado por um produtor espanhol à frente de uma série audiovisual para comemorar a independência de países latino-americanos. De cara, o brasileiro avisou: só toparia se tivesse liberdade total, pois não lhe interessava reforçar o mito. O desafio era descobrir o homem – o Joaquim, simplesmente. “Seria a construção da consciência política desse personagem, mas imaginando onde pulsava o coração dele”, conta. A Espanha enfrentou dificuldades financeiras e o planejamento inicial foi para o brejo, mas o diretor decidiu levar o projeto adiante.

Ao voltar para Belo Horizonte depois de passar duas semanas no set, Marcelo Gomes exibia um sorriso feliz por concretizar o que imaginou durante tanto tempo. “Diamantina foi uma maravilha. Fiquei encantado com a cidade, a geografia e a arquitetura. Aquela tranquilidade foi muito boa para o processo de imersão da equipe”, conta.

Mas se Tiradentes é o protagonista, por que filmar em Diamantina e não em Ouro Preto? “Cheguei a considerar Ouro Preto. Visitei a cidade, que tem uma arquitetura incrível, mas o entorno de Diamantina oferece a diversidade de paisagens de que o filme precisa”, explica. A história se passa no seculo 18, 10 anos antes da Inconfidência Mineira. O alferes Joaquim é enviado para uma expedição pelo sertão. Na época, a colonização modificava o interior do país: surgiam os primeiros núcleos urbanos, a extração do ouro determinava o funcionamento da sociedade. “A região de Minas virou uma babel de culturas e línguas. A partir dali foram se constituindo as primeiras vilas e as relações sociais”, aponta Marcelo.

'Joaquim' é uma coprodução brasileira e portuguesa. Do orçamento de R$ 2 milhões, R$ 1,6 milhão já foram captados. O valor é considerado baixo para um filme de época com tamanho elenco. “Teremos umas 100 pessoas com fala”, contabiliza. Os testes para atores levaram oito meses.
 
Novo formato para a história
 
Beto Novaes/EM/D.A Press
Feliz da vida, Marcelo Gomes enfrentou mata fechada, cobra, raio e escorpião para filmar 'Joaquim' no interior de Minas (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Marcelo Gomes escolheu o formato de tela 2:3:5 para contar a história de Tiradentes. Voltado para o cinema de personagens, ele explica que a maior parte do longa é dedicada à expedição do protagonista. A aposta nesse formato, bastante retangular, permite considerar a natureza como personagem. Por causa disso, a equipe passou vários perrengues. “Tivemos que enfrentar o sertão proibido: tempestades de raios, matas fechadas com cobras, escorpiões e muitos carrapatos”, conta o diretor.

A outra escolha estética foi a câmera na mão. Gomes assume: procurou rodar quase um documentário de época para falar daquele universo colonial, mas sem glamourizá-lo. “Quis me aproximar do Joaquim. Ele ama, odeia, faz coisas certas e erradas. É uma personalidade contraditória e complexa”, diz. A fotografia ficou a cargo de Pierre de Kerchove ('Terra deu, terra come' e 'Hoje eu quero voltar sozinho').

“A decisão sobre a equipe, a respeito do que filmar e da paleta de cores vai muito em cima do que o personagem me diz e do que quero apresentar dele”, reforça o cineasta. Para isso é imprescindível ter equipe afinada. Marcelo trabalha com artesania de ensaios muito parecida com a do teatro. A preparação do elenco levou um mês. “Ensaio muito para depois desconstruir e chegar a um naturalismo quase documental”, resume. Um dos desafios foi sintonizar atores e não atores. “A gente queria imprimir uma cara de época. Cada um trazendo o seu sotaque. Convidamos portugueses filhos de africanos que sabem falar dialetos da África. O índio também fala dialeto indígena. A babel de línguas é um elemento importante”, destaca.

'Joaquim' começa a ser montado no início de outubro pelo português Paulo Rebelo, mas Gomes não parece ter pressa. “Estou muito feliz com o trabalho. Foi uma dedicação muito grande. O interessante era a gente se apropriar da história para imaginar, construir uma biografia não autorizada e um pensamento da época. Queria que olhássemos para a história, para a nossa formação social e entendêssemos um pouco mais sobre nós mesmos. Quis desconstruir o mito e construir um Joaquim qualquer, com suas contradições e questões não resolvidas, vivendo num tempo que tinha sua própria ética”, conclui.
 
Mártires nas telas
 
ARQUIVO EM
(foto: ARQUIVO EM)
Em 1918, Tiradentes “estreou” no cinema em curta-metragem assinado por Alberto Botelho, contemporâneo de Humberto Mauro. Em 1948, Carmen Santos dirigiu e protagonizou 'Inconfidência Mineira'. Rodolfo Mayer fazia o papel de Joaquim e ela o de Bárbara Heliodora. O longa 'Os inconfidentes' (1972), de Joaquim Pedro de Andrade, é considerado a versão mais famosa da Conjuração Mineira. Coube a José Wilker o papel do alferes (foto, com Fernando Torres). Também nos anos 1970, Geraldo Vietri dirigiu Tiradentes, o mártir da Independência. Em 1999, Oswaldo Caldeira voltou ao tema com Tiradentes e convocou o ator Humberto Martins para o papel principal.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA