'Homem irracional', 51º filme de Woody Allen, estreia em BH

No longa, professor de filosofia encontra alívio para sua angústia existencial na prática de um ato violento

por Carolina Braga 27/08/2015 08:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
IMAGEM FILMES/DIVULGAÇÃO
Joaquin Phoenix e Emma Stone em cena do novo longa de Woody Allen. Ele é professor de filosofia; ela é a melhor aluna da faculdade (foto: IMAGEM FILMES/DIVULGAÇÃO)
É um Woody Allen familiar que o espectador encontra em 'Homem irracional', o 51º filme de sua carreira, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. O cineasta nova-iorquino continua dedicando um olhar ácido para o homem contemporâneo. Mas, até quando é repetitivo e recicla temas recorrentes da própria filmografia, ele ainda é acima da média.


Desta vez, Allen não lida com nenhuma socialite consumista e fracassada, como fez em 'Blue Jasmine' (2013). A crítica é, de certo modo, até oposta. A ferida está justamente em quem é desapegado do material, mas passa a vida acumulando conhecimento: quem pensa demais e faz de menos. De que vale tanta racionalidade?

 

 

 

Joaquin Phoenix protagoniza a história de Abe, um professor de filosofia em crise existencial. Citando de Kant a Hannah Arendt, passando por Simone de Beauvoir e Heidegger, Abe busca na ciência respostas para questões transcendentes. Abatido pela crise pessoal, Abe se muda para uma cidade pequena, onde vai trabalhar como professor colaborador da universidade local.

A professora Rita (Parker Poseye) e a melhor aluna Jill (Emma Stone, em mais uma boa colaboração com o diretor) são as únicas com quem consegue ter uma relação minimamente próxima. Mesmo assim, nada parece ter graça, até o dia em que escuta uma conversa alheia e resolve mudar de vida.

Numa corriqueira mesa de lanchonete, o homem que dedicou a vida à razão decide aderir à irracionalidade. Abe está decidido a matar alguém para vingar uma desconhecida. A escolha de abandonar a esfera do pensamento e passar para a ação – por mais absurda que ela seja – faz com que o professor conclua que “a vida tem o sentido que você escolhe para ela”. A dele, naquele momento, era fazer justiça com as próprias mãos.

O flerte com o gênero policial faz Woody Allen acelerar o ritmo, mas sem abrir mão do jazz – onipresente – na trilha sonora. O som, assim como as bucólicas cenas de cidade do interior, contribuem para ressaltar o contraste entre a calma aparente do mundo exterior e a turbulência interna de Abe.

Joaquim Phoenix não poderia ser escolha melhor. Abe tem um quê de Theodore, o protagonista de 'Ela' (Spike Jonze, 2013), um olhar melancólico que ganha brilho com a transformação do personagem. Já Emma Stone é a bola da vez para o papel feminino de Woody Allen – o da mulher bonita, inteligente e figura-chave para virar o jogo. A atriz, que já conquistou atenção com 'Histórias cruzadas' (2011), 'O espetacular Homem-Aranha' (2012) e 'Birdman' (2014), demonstra que tem estofo para mais do que lhe tem sido oferecido.

'Homem irracional' tem bom argumento, mas se perde no próprio desenvolvimento. A nova produção é mais uma da safra mediana do diretor de obras-primas como 'Meia-noite em Paris' (2011) e 'Ponto final: Match Point' (2006), para citar produções mais recentes. Quem cumpre a marca de fazer um filme por ano não tem como ser sensacional sempre. De Woody Allen, há que sempre esperar que o melhor está por vir.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA