Setor de dublagem busca se afirmar em Belo Horizonte

Estúdios como BW e Haja têm atendido a uma demanda constante na capital mineira. Entre seus últimos trabalhos estão o seriado Mad men e o longa Anna Karenina

por Eduardo Tristão Girão 26/07/2015 11:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
CAROLINA BRAGA/EM/D.A.PRESS
Wendel Bezerra, da Universidade de Dublagem, é responsável pela voz de Bob Esponja (foto: CAROLINA BRAGA/EM/D.A.PRESS )

As rivalidades entre Rio de Janeiro e São Paulo obviamente encontram ecos no mercado. Os cariocas afirmam que conseguem aliviar mais o sotaque, o que os paulistanos contestam. Ambos, porém, defendem os dois polos como os únicos centros de produção na área. Não são. Há atividade em Campinas, Curitiba e Minas Gerais.


Em Belo Horizonte, estúdios como BW e Haja têm atendido a uma demanda constante. “Temos feito trabalhos para o HBO. A maioria do pessoal do teatro de Belo Horizonte está trabalhando com dublagem”, conta o ator Luciano Luppi. Entre seus últimos trabalhos estão o seriado Mad men e o longa Anna Karenina. “Normalmente, a gente não faz para cinema, mas para TV. Chegamos ao estúdio sem saber quem é o cliente”, completa.

A fama mineira não é muito boa no Rio e em São Paulo. A acusação é de que aqui a formação ainda não alcançou a excelência e a tabela de preços não é respeitada. Nesse ponto, os estúdios cariocas e paulistas são criteriosos e cumprem a remuneração de acordo com a tabela dos sindicatos da categoria. Há rigor no cumprimento desses direitos, já que ainda se trata de um mercado formado, essencialmente, por profissionais autônomos. O valor mínimo pago para cada dublador é de R$ 100 a hora ou então 20 anéis (ou Loop, no Rio de Janeiro), unidade de medida que representa 20 segundos. Ou seja, entrou no estúdio e falou uma frase recebeu esse valor mínimo.

Luciano Luppi confessa não se ater à questão do pagamento. Por aqui, diz receber cerca de R$ 80 por hora. “O mercado é muito grande e cada vez aparecem mais estúdios. Acaba que essa distribuição vai para o preço mais competitivo”, acrescenta.

Tabela O Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado de Minas Gerais (Sated-MG) não revela o valor da tabela estabelecida no estado, mas diz que está entre o que é praticado no Rio e em São Paulo. “Não podemos ficar defasados, mas não sei se o que a gente propõe está sendo seguido”, afirma a atriz Magdalena Rodrigues, presidente da instituição há 23 anos.

Ela relata já ter feito reuniões com profissionais locais para discutir o assunto e tentar garantir melhores condições de trabalho, mas sem sucesso. “Ainda não encontramos uma forma de adequar valores de acordo com as tabelas praticadas em outros estados e com instalações decentes e conforto para trabalhar. É preciso desenvolver esse mercado aqui, mas de forma profissional. Queremos proteger os artistas, não impedir que trabalhem”, continua.

A homologação de contratos de trabalho de dubladores no sindicato, obrigatória por lei, não tem sido feita, segundo Magdalena. “A maioria desses trabalhos é feita à revelia da legislação. O contrato garante que o profissional receba não só o cachê pela prestação do serviço, mas também valores referentes aos direitos conexos, gerados pela comercialização da obra. É um mercado negro e há quem faça tudo para furar as tabelas consolidadas no Rio e em São Paulo. Todo mundo adora a crise como desculpa para não pagar corretamente”, acrescenta.

“Seguimos a tabela”, garante Antônio Mota, um dos proprietários da Haja Comunicação, uma das poucas empresas do ramo em BH. Sem trabalhar com filmes ou programas de TV, o foco é em programas evangélicos, que têm se revelado um filão. “Não estamos em busca do mercado amplo. O segmento evangélico já tem muita coisa e a demanda é muito boa. A pastora Joyce Meyer é um de nossos clientes e, como é âncora, tem nos ajudado a entrar nesse mercado”, afirma ele.

A empresa tem pouco mais de dois anos de atuação e cerca de 200 atores em seu casting. As dublagens são feitas em quatro idiomas, sempre com falantes nativos. “Há empresas mais antigas que a nossa já trabalhando com cinema, então, fica mais difícil entrar. Além disso, clientes do Rio e de São Paulo não procuram profissionais daqui por protecionismo ou por achar que aqui não se faz um trabalho bom. BH tem gente para trabalhos de qualidade”, defende. (Com Carolina Braga)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA