Filmes gravados em duas semanas são apresentados no Cine 104

Bruno Safadi, diretor de 'Operação Sônia Silk', resgata modo de produção do cinema marginal dos anos 1970 e defende realizações autorais e de baixo orçamento

por Walter Sebastião 16/07/2015 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ludwig Maia Arthouse/Divulgação
'O uivo da gaita' mostra a relação de duas mulheres vividas pelas atrizes Leandra Leal e Mariana Ximenes (foto: Ludwig Maia Arthouse/Divulgação )
Chega às telas, no Cine Centoequatro, projeto arrojado: a trilogia 'Operação Sônia Silk'. São três longas, filmados em duas semanas, com a mesma equipe e elenco. São eles: 'O uivo da gaita', de Bruno Safadi, história de Antônia (Mariana Ximenes), uma mulher casada que se apaixona por Luana (Leandra Leal); 'O rio nos pertence', de Ricardo Pretti, sobre jovem que vive no exterior, recebe um cartão-postal misterioso, com imagem do Rio de Janeiro, fica mexida com a mensagem e volta à cidade; e 'O fim de uma era', dirigido por Bruno Safadi e Ricardo Pretti, é uma ficção construída com making-off dos primeiros filmes, inspirada em atrizes do cinema antigo hollywoodiano.


“Queria testar limites. Ficava me preguntando: é possível fazer três longas em duas semanas? Vou sobreviver ao final do trabalho? Sobrevivi”, brinca Bruno Safadi. Mas a turma terminou exausta. A sorte, recorda, foi que uma semana após a conclusão das filmagens era carnaval e a equipe saiu do set praticamente direto para a folia. Leandra Leal, produtora do projeto, por exemplo, tinha não só compromisso com o bloco dela como por ser madrinha do Cordão do Bola Preta. O diretor não só sobreviveu como gostou da experiência. Está finalizando nova empreitada – Tela brilhadora, com quatro longas, filmados em três semanas, por diretores diferentes (um deles é Júlio Bressane) que vão ser lançados no 68º Festival de Locarno, onde o veterano diretor preside o júri da mostra Cineasta do presente.

A trilogia, como explica Bruno Safadi, são trabalhos independentes um do outro, narrativos, mas com tramas contadas com estética experimental. “É muito bonito ver a entrega total de Leandra Leal aos personagens”, avisa o diretor. “Impressionou-me muito a capacidade dela de se transformar completamente de um dia para o outro, de entrar, sair e voltar a personagens, diferentes, com energia e talento admirável. Leandra é a grande atriz da geração dela”, afirma Safadi, encantado com a performance e dedicação da atriz. “'Operação Sônia Silk' não é projeto meu, é nosso, meu e de Leandra”, afirma.

HOMENAGEM 'Operação Sônia Silk', explica Bruno Safadi, nasceu de sua vontade de experimentar o processo produtivo da Belair Filmes, produtora de Júlio Bressane e Rogério Sganzerla, que, nos anos 1970, fez sete longas em três meses. O título homenageia o nome da personagemde Helena Ignez em Copacabana mon amour, uma das produções de Sganzerla. O que no passado foi experiência radical, pessoal, da dupla, observa o diretor, é hoje um modelo (“uma prática mais do que um modelo”) de produção que existe em todo o mundo. “Hoje, o Brasil deve ser um dos países que mais fazem filmes autorais de baixo orçamento”, observa. Exemplo do quanto tal perspectiva é bem-sucedida, para o diretor, pode ser Ela volta na quinta, do mineiro André Novaes, que afirma ser “um sucesso internacional”.

“Quando você não tem nada, tem tudo. Se está filmando com pouco dinheiro, com R$ 100 mil, pode fazer qualquer coisa desde, claro, que tenha imaginação. Você tem possibilidades enormes de buscar novas formas de fazer cinema em todo os aspectos”, garante Bruno Safadi. Ele recorda que, para tanto, a experiência (já fez cinco filmes) foi fundamental. Assim como ter profissionais competentes na equipe em todas as posições. O diretor foi assistente de Júlio Bressane e tem no cineasta uma referência para o que faz.. “É criador de filmes originais, que criam relação radical entre o popular e o erudito, que propõe um pensamento sobre o Brasil e a cultura brasileira que incorpora a alta cultura do mundo de modo novo”, analisa o diretor.

Programação

17h30 – 'O Uivo da gaita', dirigido por Bruno Safadi
19h – 'O Rio nos pertence', dirigido por Ricardo Pretti
20h30 – 'O Fim de uma era', dirigido por Bruno Safadi e Ricardo Pretti (exceto quarta-feira).

Lançamento da trilogia 'Operação Sônia Silk'

Desta quinta a quarta-feira, exceto segunda-feira. Cine 104, Praça Rui Barbosa, 104, Centro, (31) 3222-6457. Classificação indicativa: 14 anos. Hoje, após a sessão das 20h30, bate-papo com o diretor Bruno Safadi.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA