Sônia Braga será uma viúva com poder de viajar no tempo em filme do pernambucano Kleber Mendonça Filho

"Aquarius" começa a ser rodado em agosto, no Recife

por Diário de Pernambuco 07/07/2015 13:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
Atriz interpretará Clara, uma senhora de meia-idade (foto: Divulgação)
A atriz Sônia Braga, um dos ícones da dramaturgia brasileira e internacional, sobretudo pela atuação em Gabriela, vai protagonizar o próximo filme do cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho, batizado de Aquarius. Ela dará vida a uma escritora viúva, de meia-idade, crítica de música aposentada e mãe de três filhos, com o poder de "viajar no tempo". A participação dela na produção do cineasta do estado com mais projeção no exterior (O som ao redor, de autoria dele, foi o indicado brasileiro à disputa do Oscar e listado entre os dez melhores filmes de 2012 pelo New York Times) ocorreu durante meses.

Em conversa com o Viver, o cineasta afirmou que a atriz havia elogiado O som e ficou envolvida com o roteiro do novo longa, ainda em produção. O elenco também pode contar com Maeve Jinkings, nome recorrente em produções pernambucanas, presente no elenco do filme anterior de Kleber.

"Estou muito feliz de poder trabalhar com Sonia Braga em Aquarius. Sonia é não apenas uma grande atriz, mas um ícone da cultura brasileira através do teatro, da TV e do cinema. Seu carisma é também reconhecido internacionalmente. Poder tê-la interpretando Clara, mulher rochedo que está em praticamente todas as cenas, é uma honra, pura e simplesmente, e a sintonia de Sonia com Clara é linda. Sonia é uma estrela, no sentido clássico da imagem de cinema", afirma o cineasta.

 

 Foto: Facebook/Reprodução
Atriz elogiou o filme "O som ao redor". (foto: Foto: Facebook/Reprodução)
 

 

A trama de Aquarius envolve a batalha entre a protagonista e uma empreiteira empenhada em despejá-la de um edifício - há uma associação com desapropriações contemporâneas no Recife e a especulação imobiliária sobre o patrimônio histórico em prédios da cidade, como ocorreu com a tentativa de demolição do Caiçara, em Boa Viagem, na Zona SuL. As filmagens devem começar em agosto.

Veja o que diz Sônia Braga sobre a participação:


"Quando li Aquarius, tive que parar para respirar. Sim, respirar e entender que era real. Que era um roteiro do Kleber Mendonça e que ele estava me oferecendo para participar. Pareceu de cara um sonho: uma personagem íntegra, da minha idade, com meus sonhos, com os meus sonhados filhos e família. Quis logo viver esta mulher. As palavras do roteiro pareciam que ja tinham andado na minha boca. Quando assisti a O som ao redor, entendi logo que tinha que parar, respirar, voar, para entrar no universo incrível e magnificamente estranho do Kleber. Me vi, me senti nele. Depois disso veio o convite, em seguida o nosso encontro: o bate-papo sobre Clara, sobre Aquarius, uma viagem nossa nas ruas de Nova York, no metrô da Quinta Avenida, no terraço (de um amigo) com vista para o Empire State Building. Estávamos ali, lendo juntos o roteiro, sonhando o filme, pegando os tickets para esta jornada que se inicia. Sei que a viagem em Aquarius será um mergulho num profundo mar azul, infinito e misterioso, mas simples. Um mergulho nos meus mais profundos sonhos e desejos. Mas, principal e finalmente, a volta e um mergulho na minha língua mãe, que me acolheu sempre tão carinhosamente. Kleber me escolheu e eu fico muito agradecida que um grande cineasta como ele me veja assim, dentro deste universo estranhamente desnivelado , mas com linhas paralelas, que só os artistas colocam no infinito."

Bernardo Dantas/DP/D.A. Press
"Sonia é uma estrela, no sentido clássico da imagem de cinema". (foto: Bernardo Dantas/DP/D.A. Press)
Kleber Mendonça Filho se tornou conhecido após o sucesso de O som ao redor, que figurou na lista dos dez melhores filmes do ano do jornal The New York Times, em 2012. O filme conquistou prêmios nos festivais do Rio (Melhor Filme e Roteiro), Gramado (Melhor Som, Filme da Crítica, Filme do Público e Diretor), Roterdã (Prêmio da crítica FIPRESCI), Polônia (FIPRESCI), Copenhague (Melhor Filme CPH Pix), e Sérvia (Melhor Filme), além de melhor filme latino-americano pelo júri da terceira edição do Prêmio Cinema Tropical, entregue na sede do diário The New York Times, Melhor Filme na 36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (Prêmio Itamaraty) e no 8° Panorama Coisa de Cinema de Salvador, na Bahia.

(com informações de Pedro Siqueira)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA