Animações para o cinema têm enredos cada vez mais complexos

Filmes como 'Divertida Mente' reafirmam a identidade com personagens cada vez mais espertas

por Ricardo Daehn 16/06/2015 11:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
'Divertida Mente': esmero no quesito originalidade na trama de uma garota que sente o borbulhar das emoções (foto: Divulgação)
No retorno da produção da Pixar em animações, passado ano de jejum, 'Divertida mente', que estreia na próxima quinta (18/6), trará mais do que um filme de crianças para os cinemas. Em um projeto que prima pela qualidade, o diretor Pete Docter (Monstros S.A. e Up: Altas aventuras) se esbalda no quesito originalidade e promove uma baderna mental parecida com o efeito causado no ótimo Horton e o mundo dos quem! (2008).

Primeiro na dobradinha da Pixar (que, em novembro, trará 'O bom dinossauro', com adolescentes de duas espécies interagindo), 'Divertida mente' cria, pelo roteiro, uma narrativa repleta de conceitos, muito visuais, claro. Riley, na trama, é uma garota de 11 anos que, diante de inesperada mudança para São Francisco, sente na pele o borbulhar das emoções (raiva, tristeza, alegria e afins), tendo o espectador como privilegiado, já que assiste, de camarote, pretensões e emoções dos personagens que personificam cada sentimento.

'Divertida mente' estará acompanhado pela exibição do curta-metragem 'Larva', confirmando a superação da ideia de animação como nicho menor, voltado exclusivamente para público infantil. Numa concepção havaiana, o filme — todo musicado — mostra o poder de fogo dos vulcões na pegada do amor. Também com muito fogo, chega às telas, na quinta, o longa 'Dragon Ball Z — O renascimento de Freeza', que revira origens e celebra o potencial de um vilão, pronto para ser ressuscitado. Com participação crescente no longa Meu malvado favorito, personagens minúsculos ganharão autonomia (ladeados por perversos vilões), em 'Minions', previstos para estrear na próxima semana.

Vem aí

O pequeno príncipe
Não é exatamente a transposição pura e simples do texto de Antoine de Saint-Exupéry, esse novo filme de Mark Osborne, conhecido por Kung Fu Panda, que teve produção francesa e estreará em 8 de outubro. Ao custo de US$ 81 milhões, e com as vozes de Jeff Bridges, James Franco e Marion Cotillard arregimentadas para dublagem, Osborne insere na trama uma garota que testemunha um acidente ocasionado pela hélice do exótico vizinho aviador. O velho repassará à menina, no filme feito com técnica quadro a quadro e exibido no Festival de Cannes, a trama do príncipe apegado a um asteroide e à rosa vermelha.

O conto da princesa Kaguya
Com estreia em 16 de julho, O conto da princesa Kaguya teve o raro feito de emplacar o produtor das fitas do renomado Hayao Miyazaki (O castelo no céu e Nausicaä), Isao Takahata, como concorrente ao Oscar. Perdeu para Operação Big Heroe, mas, o quase octogenário diretor agigantou — pela vitrine da indústria de Hollywood — o público para a adaptação que fez do conto O corte do bambu. Na trama, vinda ao mundo como microbebê, a protagonista pode ser punida, ao se esquivar da obrigação de ceder às investidas de cinco pretendentes, entre os quais o próprio Imperador.

Canção do Oceano
No passado, o mesmo diretor de Uma viagem ao mundo das fábulas, Tomm Moore, havia perdido o Oscar, com louvor, para Up: Altas aventuras, e agora, em 2015, voltou ao páreo, ao lado de Como treinar o seu dragão 2. Novamente derrotado, ele tem a nova fita na fila de espera por um distribuidor brasileiro. Indicado ao prêmio César, Canção do Oceano mostra a luta da menina Saoirse, capaz de transmutar-se em foca, preocupada com o destino de criaturas mágicas, como ela, às vias de serem extintas.

Pixels
Com as credenciais de ser roteirista de Os Goonies e diretor de Harry Potter e a câmara secreta (2002), para os mais jovens, o cineasta Chris Columbus tem à mão, para a investida em Pixels, os astros Peter Dinklage (Game of thrones) e Adam Sandler. Na trama, com personagens de carne e osso, o presidente americano escala jogadores de clássicos videogames, a fim de derrubar ídolos do passado, saídos da telinha da tevê, como Pac Man, Donkey Kong e Space Invaders, todos chegados em versão alienígena para a Terra. O componente da animação para o lançamento de Pixels, inesperadamente, veio dos estúdios de Mauricio de Sousa: ao completar 50 anos, a icônica Mônica entrou — em versão pixelada — para um hotsite especial. O filme Pixels chegará às telas de cinema no dia 23 de julho.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA