Mostra destaca 'comédias malucas', com entrada franca

Serão exibidos 20 títulos de diretores como Frank Capra, Howard Hawks, Preston Sturges e Billy Wilder, do período das screwball comedies

por Mariana Peixoto 05/06/2015 09:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FOTOS FCS/DIVULGAÇÃO
'Aconteceu naquela noite', de Frank Capra, é atração de amanhã no ciclo (foto: FOTOS FCS/DIVULGAÇÃO)
'Aconteceu naquela noite', de Frank Capra, 'Levada da breca', de Howard Hawks, e 'Contrastes humanos', de Preston Sturges, títulos clássicos das screwball comedies (as chamadas comédias malucas), integram a programação de mostra dedicada ao gênero produzido entre as décadas de 1930 e 1940. Desta sexta até o próximo dia 24, o Cine Humberto Mauro exibe, com entrada franca, 20 longas do período.


Curador da mostra Screwball Comedy, Bruno Hilário explica algumas das características que demarcam a produção. “As situações são malucas, fora do cotidiano”, diz ele, exemplificando com a do casal formado por Katharine Hepburn e Cary Grant em 'Levada da breca': os dois têm que cuidar de uma onça-pintada.

O curador comenta que boa parte da produção foi realizada durante a era de ouro do cinema norte-americano, um momento em que “Hollywood está consolidada, então os filmes têm muito público, já que existem salas em todo o país, e os ingressos têm preços acessíveis”. As screwball comedies também têm sua força nos diálogos. “Eles passam a ter mais ritmo, o que acaba trazendo mais potência ao cinema”, observa.

Mesmo assim, o gênero não abandona a comédia física, que marcou a produção chapliniana no cinema mudo. “A figura do roteirista torna-se muito importante.” Dois nomes que marcam a produção, primeiro no roteiro e depois assumindo a direção, são Billy Wilder e Preston Sturges.

Deste, serão exibidos 'Herói de mentira', 'As três noites de Eva' e 'Contrastes humanos'. “Ele revolucionou a feitura dos diálogos, mudando até a forma como as pessoas falavam. Ele tinha muito prestígio, tanto que promoveu uma inversão do papel social”, diz Hilário. Em 'Contrastes humanos', por exemplo, um diretor quer fazer um filme sobre problemas sociais. Quando percebe que não entende nada do assunto, ele decide ir para as ruas e viver como os pobres.

As screwball comedies também deram muita expressão às comédias românticas. Mas o desejo sexual era sempre apresentado de forma metafórica. “Como os diretores não podiam mostrar abertamente situações de sexo e carícias românticas, eles se voltaram para situações e comportamentos absurdos em substituição. É por esse motivo que (o crítico de cinema) Andrew Sarris afirmou que as screwball comedies eram ‘comédias do sexo, sem sexo’”, afirma Hilário.

PROGRAMAÇÃO
Confira as sessões deste fim de semana

Sexta

  • 'A ceia dos acusados', de W.S. Van Dyke (1934), 17h
  • 'Levada da breca', de Howard Hawks (1938), 19h
  • 'As três noites de Eva', de Preston Sturges (1941), 21h

Sábado

  • 'Um casal do barulho', de Alfred Hitchcock (1941), 16h
  • 'Aconteceu naquela noite', de Frank Capra (1934), 18h15
  • 'A alegre divorciada', de Mark Sandrich (1934), 20h15

Domingo

  • 'Boêmio encantador', de George Cukor (1938), 16h
  • 'Meia-noite', de Mitchell Leisen (1939), 18h
  • 'Uma noite na ópera', de Sam Wood e Edmund Goulding (1935), 20h15


MOSTRA SCREWBALL COMEDY: AS COMÉDIAS MALUCAS
De sexta a 24/6, no Cine Humberto Mauro, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400. Entrada franca (os ingressos devem ser retirados meia hora antes de cada sessão).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA