Filme mineiro é selecionado para Quinzena dos Realizadores em Cannes

Depois de estrear no evento francês com 'Pouco mais de um mês', André Novais Oliveira fará estreia mundial do curta 'Quintal', protagonizado pelos próprios pais

por Carolina Braga 21/04/2015 11:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Filmes de Plástico/Divulgação
Pais do cineasta, Maria José e Norberto estrelam produção rodada no Bairro Amazonas, em Contagem (foto: Filmes de Plástico/Divulgação)
'Quintal', o novo curta do cineasta mineiro André Novais Oliveira, foi selecionado para a Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes. É a segunda vez que um trabalho da produtora Filmes de Plástico estreia na mostra paralela, este ano marcada para o período de 14 a 24 de maio. A primeira foi com o curta 'Pouco mais de um mês', também de André e que desde então jogou luz sobre o trabalho do coletivo com sede em Contagem.


Élida Silpe/Divulgação
André Novais Oliveira reconhece que 'Quintal' adiciona elementos de experimentação à sua já característica crônica do cotidiano (foto: Élida Silpe/Divulgação)
Como é característica do trabalho do cineasta, 'Quintal' é protagonizado pelos pais dele, Maria José e Norberto e também foi rodado na casa da família, no bairro Amazonas. O curta dá continuidade a pesquisa estética de André e assim, repete alguns procedimentos usados no longa 'Ela volta na quinta', do mesmo diretor.


“Foi uma surpresa muito grande. Mandei o filme mais para manter o contato com o festival, não achei que fosse selecionado. Tem uma proposta diferente. O André faz algumas experimentações nele”, comenta o produtor Thiago Macêdo Correia. O próprio André Novais Oliveira reconhece que 'Quintal' é um filme estranho.

 

“É difícil de falar dele. Mistura o cotidiano como venho trabalhando com o realismo fantástico. É experimentação nesse sentido”, acrescenta o diretor.


Como será a segunda vez de André Novais Oliveira na Croisette, ele sabe o quanto é difícil prever o que pode acontecer por lá. O fato é, exibir um filme em Cannes é sinônimo de muitas portas abertas. “Os outros festivais têm interesse em pelo menos assistir. Estou muito feliz de envolver meus pais nisso, deles poderem ir. Acho que a viagem, em si, será especial”, espera.

 

A 47ª edição da Quinzena dos Realizadores terá 19 longas e 11 curtas em competição. A abertura será com o novo filme de Philippe Garrel, 'In the shadow of women' ('L'ombre des femmes'), figura icônica nesta mostra paralela. A Quinzena surgiu em 1968 como oposição à seleção oficial do Festival de Cannes. Garrel participou na primeira edição (1969) com o filme 'Le lit de la vierge'.


Nenhum brasileiro foi selecionado entre os longas. O cineasta português Miguel Gomes apresentará o projeto mais ousado. Ele adaptou 'As mil e uma noites' em três volumes. 'O inquieto', com 2h05, 'O desolado', com 2h11, 'O encantado', com 2h05. Entre os representantes latinos estão Marcia Tambutti, neta de Salvador Allende que apresenta o documentário 'Allende, mi abuelo Allende' ('Allende, meu avô Allende') e o colombiano Ciro Guerra com a premiére mundial de 'El abrazo de la serpiente'.

Filmes de Plástico/Divulgação
''Estou muito feliz de envolver meus pais nisso, deles poderem ir'', diz diretor sobre viagem à França (foto: Filmes de Plástico/Divulgação)
 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA