Documentário debate o impacto do Código Florestal na oferta de água no Brasil

Produzido por Fernando Meirelles, 'A lei da água - novo Código Florestal' de André D'Elia mostra o embate dos ruralistas e ambientalistas

por Eduardo Tristão Girão 23/03/2015 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

André D'Elia/divulgação
André D'Elia/divulgação (foto: André D'Elia/divulgação)
 Os amigos do cineasta paulistano André D’Elia dizem que ele é tão sortudo que dá raiva. Ano passado, quando a bomba da crise hídrica estourou na imprensa, ele já estava com o documentário A lei da água – novo Código Florestal pronto. O filme traz entrevistas com ambientalistas, cientistas, ruralistas e agricultores que acompanharam a tramitação do polêmico conjunto de leis no Congresso, mas não há como negar: o assunto está completamente relacionado à falta de água. Segunda-feira que vem, o documentário terá exibição seguida de debate no Cine Belas Artes, em Belo Horizonte, graças ao financiamento coletivo pela internet.


O novo Código Florestal Brasileiro causou polêmica ao alterar pontos importantes estabelecidos pela legislação anterior. Reduziram-se as faixas mínimas protegidas das Áreas de Preservação Permanente (APPs) e das áreas de Reserva Legal (RL). Parlamentares da bancada ruralista são favoráveis às mudanças, claro, e conseguiram despertar ainda mais ódio de ambientalistas e da comunidade científica (que pouco teve voz no processo) ao propor a anistia de multas e a recomposição de áreas desmatadas com espécies exóticas como o eucalipto.


Com 75 minutos e produção executiva assinada por D’Elia e pelo cineasta Fernando Meirelles, A lei da água... mostra como tudo isso está ligado à grave crise hídrica que o país enfrenta. O código tem impacto direto sobre a floresta e, consequentemente, a fertilidade do solo, a produção de alimentos, a qualidade do ar e a oferta de água. Foram 16 meses de produção e nada menos que 37 entrevistas com nomes dos dois lados do debate, incluindo tanto tristes casos de degradação quanto ideias sustentáveis vindas de gente que conseguiu encontrar o caminho do meio, equilibrando produtividade e preservação.


Foram ouvidos, por exemplo, o senador e ex-governador Blairo Maggi (PR-MT), os deputados federais Ivan Valente (Psol-SP) e Ricardo Trípoli (PSDB-SP), a subprocuradora-geral da República Sandra Cureau, o ambientalista Mário Mantovani e pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O documentário é fruto da parceria com entidades relacionadas à proteção do meio ambiente, entre elas, o Instituto Socioambiental, cujo presidente, Raul Silva Telles do Valle, participou como consultor de conteúdo.


Apesar de apresentar o confronto de ideias ao espectador, ele pende claramente para o lado dos ambientalistas. “Tentamos fazer um filme equilibrado, que dialogue com todos os lados. Evidentemente, não existe verdade absoluta, mas uma oferta de informação absurda, com pessoas desconfiadas em relação a tudo que ocorre. Os parlamentares ruralistas falaram o que realmente queriam. Buscamos um ponto de vista de acordo com o que acredito – o corte final é meu e, evidentemente, tem a minha verdade. Que vença a melhor ideia”, resume André D’Elia, que dirigiu também o documentário Belo Monte: anúncio de uma guerra.


Desde a pré-estreia, em agosto do ano passado, o filme foi exibido cerca de 40 vezes, todas elas em formato de cinedebate. André conversou com espectadores que, para seu espanto, mostraram-se contrários à restauração das reservas legais. “Com toda a certeza, essa restauração contribui decisivamente para aumentar a oferta de água. O documentário não é panfletário, mas informativo. Sem linguagem, não há como a gente se defender. O ‘cinema pedrada na cabeça’ tem este objetivo: armar as pessoas para que elas possam lutar pelo que consideram justo. Afinal, água é importante pra todo mundo”, conclui.

 

 

COLETIVO

Orçado em R$ 320 mil, A lei da água... foi realizado com recursos de entidades parceiras. A campanha de financiamento coletivo (https://agua.catarse.me), que será encerrada na próxima segunda-feira, tem o objetivo de realizar cinedebates em BH, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Curitiba e Porto Alegre. Quando for atingido o valor mínimo necessário para a exibição em uma sala (R$ 1,4 mil), outra sessão para a mesma cidade será aberta para compra. A verba será revertida para divulgação e exibição em universidades, escolas, sindicatos rurais e comunidades carentes.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA