'Para sempre Alice' usa Alzheimer para refletir sobre a perda

Longa é protagonizado por Julianne Moore, que levou o Oscar de Melhor Atriz pelo papel

por Carolina Braga 12/03/2015 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Diamond Filmes/Divulgação
Julianne Moore e Kristen Stewart em cena de 'Para sempre Alice' (foto: Diamond Filmes/Divulgação)
Com uma caneta marca-texto em punho, à medida que lê uma linha, Alice Howland, a protagonista de 'Para sempre Alice', faz um traço amarelo para não correr o risco de se repetir. O ato corriqueiro para uma professora acostumada a falar em público é carregado de significados. A insegurança do olhar dela, dividido entre a plateia e a atenção redobrada ao papel, reforça a tensão do momento. Howland fala sobre perder a si mesma em um contexto que até então não imaginava viver.


"A arte de perder não é nenhum mistério. Tantas coisas contêm em si o acidente de perdê-las, que perdê-las não é um desastre. Não sou uma poetisa. Sou uma pessoa vivendo no estágio inicial de Alzheimer. E, assim sendo, estou aprendendo a arte de perder todos os dias", diz a personagem, sem vitimização.

Essa é uma das tantas cenas delicadas que compõem o filme dirigido pela dupla Richard Glatzer e Wash Westmoreland e que deu à atriz Juliane Moore seu primeiro Oscar. 'Para sempre Alice' abre mão do drama exagerado para falar sobre o que pode haver de incontrolável no curso da vida. No caso, a devastação causada pela doença em uma família obrigada a enfrentar o Alzheimer. O longa é adaptação do livro homônimo da neurocientista Lisa Genova.



O filme convida o espectador a acompanhar a derrocada da mulher ambiciosa, professora reconhecida internacionalmente e que, a partir de lapsos de memória, é diagnosticada precocemente com algo que jamais poderia supor. Desde a primeira palestra, quando escapa apenas uma palavra, até os momentos de esquecimento completo, o longa constrói seu arco dramático na relação íntima dessa mulher com ela mesma.

'Para sempre Alice' não seria a mesma coisa se não tivesse a seu dispor uma Julianne Moore. Há filmes que são feitos para atrizes solarem. Há atrizes, no entanto, que vão além. É o caso de Moore nesse filme. A sensibilidade para o sutil engrandece tanto a obra quanto a intérprete. 'Para sempre Alice' é repleto de sutilezas, mesmo tratando de um tema duro e triste.

A Alice Howland de Julianne Moore não é caricata nem melancólica. É no limiar entre a fragilidade que a doença impõe e a força que a mulher, mãe e professora reúne para seguir adiante que a atriz construiu o papel digno de prêmios.

Mas falar somente de Moore nesse filme é cometer injustiça com o restante do elenco, principalmente com Alec Baldwin e Kristen Stewart. É difícil abordar o Alzheimer sem encarar o impacto que a doença impõe à família. No papel do marido e da filha caçula, Baldwin e Stewart são os que mais bem refletem os conflitos internos dos quais quem está metido nessa situação dificilmente escapa.

'Para sempre Alice' é um filme de poucas palavras. As situações – principalmente no âmbito familiar – são apresentadas e cada espectador elabora de acordo com sua bagagem e entendimento de mundo. O discurso sobre a perda é o raro momento em que a protagonista de fato compartilha em palavras com o público seu exercício de entendimento.

É quando Alice tem certeza de que o comportamento estranho, a fala confusa mudam não apenas a percepção que os outros têm dela, mas sobretudo a percepção que tem de si mesma também transforma. Torna-se, assim, um explícito ato de resignação. De alguém que recusa ser dura com si própria e luta como pode para fazer parte das coisas. "Para continuar conectada com quem eu fui um dia".

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA