Casa Branca diz que ataque à Sony é 'questão de segurança nacional'

Porta-voz da Casa Branca disse que Obama considera sério o ataque no qual hackers tiveram acesso a documentos internos da Sony e a filmes inéditos

por e AFP - Agence France-Presse 19/12/2014 11:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
(foto: Divulgação)
Os ataques virtuais que atingiram recentemente a Sony Pictures, levando a empresa a cancelar o lançamento de uma paródia sobre o regime norte-coreano são uma "questão de segurança nacional", alertou a Casa Branca nesta quinta-feira. O porta-voz da Casa Branca Josh Earnest recusou-se a confirmar o envolvimento da Coreia do Norte no ataque virtual contra a gigante do cinema sobre o lançamento previsto de 'A Entrevista', filme que retrata um complô fictício para assassinar o ditador norte-coreano Kim Jong-Un.

"O presidente considera esta uma séria questão de segurança nacional", acrescentou Earnest, afirmando que o ataque no qual hackers tiveram acesso a documentos internos da Sony e a filmes inéditos foi obra de um "ator sofisticado". A Sony cancelou o lançamento do filme depois que redes de cinema nos Estados Unidos anunciaram que não exibiriam 'A Entrevista'.
"Tendo como base a decisão da maior parte de nossos exibidores de não lançar o filme 'A Entrevista', decidimos não levar adiante a estreia nos cinemas", disse a Sony em comunicado.

Desta forma, tiveram efeito as ameaças do autodenominado grupo GOP (Guardians of Peace, Guardiães da Paz), que na terça-feira mencionou os ataques de 11 de setembro de 2001 em uma advertência aos cinéfilos que desejavam assistir o filme. A Coreia do Norte negou envolvimento no ciberataque, lançado em 24 de novembro, que alguns especialistas disseram que pode ter sido praticado por trabalhadores insatisfeitos ou simpatizantes da Coreia do Norte.

O filme conta a história do apresentador de um programa de TV, Dave Skylark (James Franco), e seu produtor (Seth Rogen), que têm a possibilidade de entrevistar o ditador do país mais fechado do mundo, que no filme é um grande fã do programa sensacionalista do jornalista. Mas a CIA, por meio de uma agente sexy, Lacy (interpretada por Lizzy Caplan), convence a dupla a assassinar Kim Kong-un com uma dose de ricina, aproveitando o acesso ao líder norte-coreano.

Tudo vai bem até que a dupla chega a Pyongyang e Skylark sai para uma noite de farra com Kim, durante a qual conversam sobre basquete e fazem piadas sobre gays e as canções de Katy Perry. O personagem de Franco decide que não pode matar o novo amigo, o que provocará muitas dores de cabeça e terminará com Kim irritado. Nesta quinta-feira, o escritor Paulo Coelho ofereceu US$ 100 mil pelos direitos de 'A Entrevista' e prometeu exibir o filme gratuitamente em seu site.

"Ofereço a @SonyPictures 100k [US$ 100 mil] pelos direitos de 'A entrevista' Vou postá-la grátis no meu blog. Pf entrem em contato comigo via @SonyPicturesBr", publicou Paulo Coelho, em inglês, em sua conta do Twitter. Paulo Coelho acrescentou que sua oferta vale até meio-dia de sexta-feira. "Vocês recuperam 0,01% do orçamento e eu posso dizer 'não' às ameaças terroristas", tuitou, também em inglês.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA