'As aventuras de Paddington' procura ser fiel aos livros do britânico Michael Bond

Filme é inspirado em um clássico da literatura inglesa que conta a história de um urso natural das florestas do peru vivendo em Londres

por e Estado de Minas 05/12/2014 09:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Diamond Films/Divulgação
A simpatia do urso Paddington é o grande trunfo do filme estilo sessão da tarde (foto: Diamond Films/Divulgação)
Uma dica para o cinéfilo que pretende estar na plateia de 'As aventuras de Paddington' é aliviar o olhar criterioso. Tem, sim, lacunas na trama. Mas como o protagonista é extremamente fascinante, é fácil embarcar na fantasia e se divertir. O longa é baseado no personagem criado pelo britânico Michael Bond e sensação na literatura infantojuvenil da Inglaterra desde 1958. Nisso está o risco implícito da produção: levar para a telona uma figura que é  ícone do imaginário de muita gente.

O longa dirigido pelo jovem Paul King procura ser fiel às ilustrações dos primeiros livros. A trama também volta aos primórdios. Conta como foi a chegada do urso, nativo de uma floresta do Peru, a Londres. Como o filme é todo em live action, ou seja, mistura atores reais com animação, a técnica chama atenção em um primeiro momento. Até você se ambientar com o convívio entre os humanos e animais. Depois, é a simpatia de Paddington, o urso protagonista dublado no Brasil por Danilo Gentili, que domina tudo. Os efeitos visuais – muito bem feitos – caem para segundo plano.

O roteiro é bastante previsível, bem sessão da tarde. Ainda assim, a medida em que Paddington tenta com graça se inserir na vida da cidade, o filme não deixa passar batido uma crítica ao modo como vivemos hoje. A cena em que o urso desembarca na grandiosa estação de trens Paddington, em Londres, e não é visto por ninguém é sintoma dessa sociedade. Cada um enclausurado em seu próprio mundo – e com pressa. Há também deixas para reflexões sobre a família e os preconceitos.

Como é comum nesse gênero cinematográfico – os produtores são os mesmos de Harry Potter –, há sempre um clímax. No caso, é o sequestro de Paddington pela taxidermista interpretada por Nicole Kidman. Nessa atuação, a atriz não consegue ir além da vilã clichê de filme infantil. É tão caricata que mesmo antes de implementar o plano de empalhar o urso, já intuímos seu destino. Nada surpreende.

Vale destacar a atuação de Hugh Bonneville (o Robert Crawley do seriado Downton Abbey) como sr. Brown, o pai da família que dá abrigo a Paddington. O ator transmite as nuances do personagem. Ao mesmo tempo que é um pai super protetor, um profissional calculista é sobretudo um homem sensível. Bonneville demonstra bem o conflito entre ser o chefe de família durão e o patriarca sentimental. Completam o elenco as atrizes Sally Hawkins e Imelda Staunton.

 

Assista ao trailer de 'As aventuras de Paddington':

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA