História de Joãosinho Trinta chega aos cinemas

Filme de Paulo Machline conta a história do carnavalesco antes do sucesso

por Mariana Peixoto 14/11/2014 09:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Julia Schmidt/Divulgação
"O Joãosinho era homossexual, mas nunca assumiu publicamente. O filme mostra claramente a rejeição das pessoas ao "homossexualismo" na época, mas há um certo momento em que isso não importa mais" Matheus Nachtergaele, ator (foto: Julia Schmidt/Divulgação)
'Trinta', cinebiografia de Paulo Machline, leva para a tela grande a vida de Joãosinho Trinta antes de ele se tornar o mais importante carnavalesco brasileiro. Inteligentemente, o diretor optou por mostrar a história que o público – ou pelo menos aquele que não tem intimidade com a indústria do carnaval – conhece. Com Matheus Nachtergaele no papel-título, o filme apresenta a trajetória de João Clemente Jorge Trinta com foco nas décadas de 1960 e 1970.


Maranhense de origem humilde, que nunca frequentou a academia, ele versava com segurança sobre Shakespeare, Beethoven e Verdi. Saído de São Luís na década de 1950, chegou ao Rio para tentar a vida como bailarino clássico, mesmo medindo pouco mais de 1 metro e meio. Uma vez frustrada a intenção de se tornar bailarino de destaque no Theatro Municipal, ele fez escola nos bastidores, atuando por muitos anos como aderecista e cenógrafo. Somente mais tarde entrou efetivamente para o carnaval, e só conseguiu chegar lá depois de enfrentar muito preconceito.

Num ano em que o cinema nacional produziu muitas cinebiografias – as de Getúlio Vargas, Tim Maia, Paulo Coelho e Irmã Dulce ganharam ou ainda ganharão as telas – o filme de Machline tem o mesmo tom de uma das mais bem-sucedidas incursões no gênero. Ainda que sejam personagens com contextos sociais e épocas absolutamente distintos, 'Trinta' se assemelha bastante a 'Dois filhos de Francisco' (2005), pois é no fundo uma história de superação.

A narrativa tem início com uma disputa. Depois de uma briga com o bicheiro que patrocina o Salgueiro, o carnavalesco Fernando Pamplona (Paulo Tiefenthaler, um dos destaques de um elenco bastante homogêneo) é demitido da função. Contrariando integrantes da comunidade, Joãosinho, espécie de afilhado criativo de Pamplona, é designado para a função. Sofrendo com a sabotagem de sua própria equipe, ele tem que, em poucos meses, criar todo o desfile para o Salgueiro.

Com esse fio condutor, Machline conta a história de Joãosinho por meio de flashbacks e muita liberdade criativa. Há personagens que surgiram a partir de uma somatória de acontecimentos (Tião, o principal antagonista); outros que se inspiraram em mais de uma pessoa (como Isabel, a musa salgueirense, um misto das passistas Isabel Valença e Piná); e até mesmo situações que foram adaptadas para o bom andamento da trama. A antológica frase “pobre gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual” foi proferida nos anos 1980, e não nos 1970, como está no filme.

Ao final, o que a obra de Machline, também autor do documentário 'A raça síntese de Joãosinho Trinta' (2009) deixa claro é que o carnavalesco foi uma personagem tão rica e complexa quanto os desfiles que criou. E como o filme está longe de esgotar o personagem, ele abre o leque para trazer a público outros momentos de sua história. 

 

Confira o trailer de 'Trinta':

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA