Wagner Moura e Selton Mello falam sobre o lançamento do filme 'Trash'

O diretor inglês Stephen Daldry elogiou os dois brasileiros

por Juliana Figueiredo 08/10/2014 12:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Universal/Divulgação
Wagner Moura e Selton Mello são coadjuvantes em 'Trash' (foto: Universal/Divulgação)
Rio de Janeiro - Entre elogios mútuos, a equipe do filme 'Trash - A esperança vem do lixo' deu entrevista coletiva nesta terça-feira, no Rio de Janeiro. Além do diretor inglês Stephen Daldry (de 'Billy Elliot' e 'As horas'), estiveram presentes os atores Selton Mello e Wagner Moura.

O clima de admiração entre a equipe e satisfação com o filme dominou o bate-papo. "Selton e Wagner não são apenas grandes atores, mas grandes colaboradores", elogiou Daldry. Por outro lado, os dois atores disseram que trabalhar na produção foi uma experiência revigorante para a carreira.

"Ele vem do teatro, te dá muita corda, te dá confiança. Ele não fala português e era bonito ver como o ouvido dele funcionava intuitivamente. Ele dirigia a cena como se fosse uma música. Mandava você seguir por um caminho totalmente diferente. Nós, atores, às vezes resistimos a isso, mas eu faria qualquer coisa que ele mandasse", disse Wagner.

Apesar de formarem uma dupla de peso, Moura e Mello são coadjuvantes do filme que conta a história de Raphael, Gardo e Rato - três adolescentes que vivem e trabalham em um lixão e, um dia, encontram uma carteira que contém instruções para o esconderijo de um tesouro.

Os atores não profissionais Rickson Tevez, morador da Rocinha, Eduardo Luis, de Inhaúma, e Gabriel Weinstein, da Cidade de Deus, todos com 15 anos, foram selecionados entre milhares de garotos brasileiros para protagonizar o filme que fala sobre violência, pobreza e corrupção com esperança e humor.

Quando questionado sobre uma possível ingenuidade na visão otimista do filme, o codiretor Christian Duuvoort respondeu que essa era uma história contada pelas crianças, por isso não era pessimista. "Nós poderíamos ter feito um filme mais complexo, mas isso trairía o espírito do filme. Não é um olhar materialista, mas sobre valores. A forma pessimista com que lidamos com as coisas é desesperançosa. Esse filme incita a agir", disse.

Assista ao trailer:



*A repórter viajou a convite da Universal

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA