Atriz francesa que encantou o mundo, Brigitte Bardot tornou-se símbolo de beleza e sensualidade

Musa completa 80 anos e se mantém firme na luta em favor dos animais

por Carolina Braga 28/09/2014 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
CHARLES PLATIAU/REUTERS
Detalhes da mostra realizada em 2009, em Paris, em homenagem a Brigitte Bardot (foto: CHARLES PLATIAU/REUTERS)
As novas gerações que conhecem Brigitte Bardot provavelmente a relacionam mais com a luta em proteção aos animais do que com qualquer outra coisa. Tanto que é assim no Google. Experimente jogar o nome da atriz e você verá notícias e mais notícias sobre ela relacionadas à causa que defende com unhas e dentes. Hoje, dia em que Brigitte Anne-Marie Bardot completa 80 anos, no entanto, vale revisitar seu passado nas artes.

Ela é uma das poucas grandes estrelas do cinema que parece ter calculado a hora certa de sair de cena. Em 1973, antes dos 40 anos, com 47 filmes no currículo e a gravação de mais de 80 canções, ela anunciou que utilizaria a fama construída para outras causas. Desde então, cumpre a palavra.

Os conceitos de sensualidade e beleza feminina seguramente mudaram bastante antes e depois dela. Quando Brigitte Bardot surgiu na tela em E Deus criou a mulher, filme dirigido por Roger Vadim, em 1956, encantou geral. Como destaca Humberto Ivan Keske, em artigo publicado na revista Famecos, da PUC do Rio Grande do Sul, “embalou os sonhos secretos de multidões masculinas que se encantavam com a nudez indiferente e maliciosa, mas infantil e frágil, de um dos maiores produtos de exportação da indústria cultural francesa”. Até então, nem Marlyn Monroe havia experimentado mostrar partes mais ousadas do corpo na telona. Bardot fez história.

Vadim é considerado o “descobridor” da atriz e foi também o primeiro marido. O convite para fazer o filme surgiu depois de vê-la na capa da revista Elle, em 1952. Somente quatro anos depois lançaram aquele que seria o filme mais significativo da carreira. Descoberta a musa, o ano de 1956 é marcado pelo início da construção de um mito que perdurou por pelo menos duas décadas como ideal de beleza e glamour feminino.

A carreira profissional dela havia começado quatro antes disso. Foram 17 filmes, entre eles a estreia no cinema americano em 1953, em plena era do star system, ao lado de estrelas como Kirk Douglas no filme Mais forte que a morte, de Anatole Litvak. No entanto, nenhum longa alcançou sucesso de público. Até que E Deus criou a mulher mudou os rumos da vida de BB para sempre.

Frisson


Ela se separou de Roger Vadim em 1957. Àquela altura, a atriz já causava frisson, seja no universo da moda ou mesmo entre os intelectuais franceses. Simone de Beauvoir, por exemplo, dedicou ao fenômeno Bardot um ensaio, escrito em 1959. Em A síndrome Lolita, descrevia a atriz como uma locomotiva da história da mulher e também o primeiro símbolo da liberdade feminina na França do pós-guerra. "Ela é a ídola da juventude norte-americana, um produto de exportação tão importante quanto os carros da Renault", afirmou Beauvoir.

Hollywood bem que tentou segurá-la. Segundo críticos e pesquisadores, os esforços foram em vão. Não apenas porque Brigitte não perdia o sotaque francês, mas simplesmente porque não queria. Mesmo longe da América, continuou influenciando a cultura pop. Havia algo de anacrônico na imagem construída. Ao mesmo tempo em que tinha cara de boneca, virou símbolo sexual. A partir de 1963, quando fez O desprezo, com Jean-Luc Godard, ela passou a defender personagens ousadas, quase manifestos contra a caretice da época. Em 1973, por exemplo, protagonizou cenas de sexo lésbico com Jane Birkin em Se Don Juan fosse mulher, dirigido pelo ex-marido Roger Vadim.

Longas como Histórias extraordinárias, com Alain Delon e direção de Federico Fellini, Viva Maria!, com Jeanne Moreau, e As noviças, com Annie Girardot, e mesmo discos produzidos por Serge Gainsbourg foram alguns dos tantos outros produtos que exploraram as características da mulher à frente de seu tempo. Como Arabelle, em L'histoire très bonne et très joyeuse de Colinot Trousse-Chemise, encerrou para sempre – e por livre e espontânea vontade – a trajetória artística.

POLÍTICA

Mesmo que tenha se distanciado do cinema, Brigitte Bardot nunca esteve longe dos holofotes. A defesa dos animais virou carro-chefe dos discursos e das aparições públicas. As posições políticas se tornaram fontes de polêmicas, inclusive de vários processos. Em 1996, a atriz lançou uma autobiografia na qual tornava pública sua crítica ao Islamismo. Curiosamente, a estrela das décadas de 1950 e 1960 virou uma figura antipatizada pela nova geração de franceses.

Em 2003, quando lançou o livro Um grito no silêncio, posicionou-se contra o que chamou de “islamização da França”. Assim como fez quando completou 70 anos, Brigitte Bardot enviou uma carta ao Executivo francês com alguns pedidos de aniversário. Entre eles, o debate da proposta da lei que declara os cavalos animais de companhia.

Atriz e ativista, Bardot se casou quatro vezes. O atual marido é Bernard D'Ormale, representante da extrema-direita francesa, conselheiro político de Jean-Marie Le Pen. Antes dele, teve relacionamentos amorosos com o ator Jacques Charrier – pai do único filho, Nicolas Jacques Charrier – e com o multimilionário alemão Gunter Sachs.

NO BRASIL

No verão de 1964, Brigitte Bardot causou furor no Brasil ao visitar Búzios. Ela esteve no país para acompanhar o namorado Bob Zaguri, um playboy e produtor marroquino que viveu muitos anos no país. Segundo a imprensa da época, eles passaram no Natal na casa do secretário da Embaixada da França mas a atriz fugiu o tempo inteiro dos repórteres.

saiba mais

NA TELINHA

Os 80 anos de Brigitte Bardot serão comemorados na TV. O programa Estilo Arte 1 relembra a visita da atriz francesa a Búzios, no Rio de Janeiro, em 1964, que marcou profundamente os moradores locais. Entre o assédio da imprensa e os passeios pela orla da praia, o programa mostra também o legado de Brigitte no cinema e como ela influenciou a moda dos anos 1960. O especial vai ao ar  hoje, às 11h, com reapresentações às 15h e às 0h.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA