Com 350 filmes de 60 países, festival faz do Rio vitrine do cinema mundial

Festival, que a cada ano faz do Rio de Janeiro, por duas semanas, a capital mundial do cinema, exibe filmes em 30 locais da cidade, entre cinemas e espaços culturais

por Agência Brasil 25/09/2014 09:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
(foto: Divulgação)
Com 40 anos de carreira, Sebastião Salgado é o mais renomado fotógrafo brasileiro, já tendo recebido praticamente todos os prêmios mundiais de fotografia como reconhecimento pelo seu trabalho. Depois de registrar em imagens os dramas humanos de um mundo em constante transformação, ele está voltado atualmente para um gigantesco projeto fotográfico que documenta a beleza do que ainda existe de territórios virgens e vida selvagem ao redor do planeta.

Os bastidores desse projeto são revelados no filme 'O Sal da Terra', documentário do cineasta alemão Wim Wenders e do filho do fotógrafo, Juliano Ribeiro Salgado, escolhido para abrir, na noite desta quarta-feira, no Cinépolis Lagoon, na Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro, a 16ª edição do Festival do Rio. Ganhador do Prêmio do Júri na mostra Um Certo Olhar, no Festival de Cannes deste ano, será exibido também sábado (27), segunda-feira (29) e terça-feira (30).

O festival, que a cada ano faz do Rio de Janeiro, por duas semanas, a capital mundial do cinema, apresenta nesta edição 350 filmes de mais de 60 países, exibidos em 30 locais da cidade, entre cinemas e espaços culturais. A Premiére Brasil, que inclui a parte competitiva do festival, vai exibir 69 produções - 41 longas e 28 curtas. Inéditos, os filmes que concorrem ao Troféu Redentor também podem receber os votos do público nas categorias ficção, documentário e curta-metragem.

Uma das novidades é a mudança da sala que abriga as sessões de gala do festival. Devido às obras de reforma do tradicional Cine Odeon, na Cinelândia, centro do Rio, as movimentadas sessões, com a presença de celebridades do cinema, foram transferidas para o Cinépolis Lagoon, complexo de salas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Outra novidade são os filmes com temática LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Durante anos, o Festival do Rio programava esses filmes para a mostra chamada Mundo Gay. A curadoria da mostra, acompanhando a mudança de comportamento da sociedade, sentiu a necessidade de espalhar os filmes gays, a partir desta edição, pelas demais mostras. Ao mesmo tempo foi criado o Prêmio Felix para o melhor filme LGBT da programação.

Com mais de 15 mostras em sua programação, o festival tem como destaque os debates e sessões com presença de convidados. Entre eles, importantes diretores e atores do cinema brasileiro e mundial. “Este é um de nossos objetivos: buscar aproximação cada vez maior entre o público e nossos convidados”, disse a diretora executiva de programação do festival, Ilda Santiago. “Este ano, além do tradicional Cine Encontro, vamos promover palestras também no CCBB [Centro Cultural Banco do Brasil], CCJF [Centro Cultural Justiça Federal], Instituto Moreira Salles e outros cinemas do circuito”, anunciou.

Quatro grandes cineastas serão homenageados com mostras especiais: o italiano Roberto Rosselini, o norte-americano Michael Cimino, o brasileiro Hugo Carvana e o mestre do suspense Alfred Hitchcock. Este, com exibição de cinco longas do início de sua carreira, na Inglaterra, ainda na fase do cinema mudo, com acompanhamento musical ao vivo.

Como ocorre todos os anos, o Festival do Rio homenageia um país, dedicando a ele uma mostra de sua produção mais recente e de clássicos. Este ano o foco é o México. Entre os destaques está o longa 'Cantinflas' - biografia do comediante Fortino Mario Alfonso Moreno Reyes - dirigido por Sebastian del Amo e selecionado para concorrer a uma vaga no Oscar 2015.

A programação completa do Festival do Rio, que vai até o dia 8 de outubro, está disponível no site www.festivaldorio.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA