Cinefoot chega a BH com seleção de longas e curtas sobre o futebol

Estreia do Festival acontece nesta sexta-feira com 'R49 - O meteoro atleticano', documentário sobre a passagem de Ronaldinho Gaúcho pelo Atlético

por Fernanda Machado 30/05/2014 08:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Imago/Divulgação
'Narradores - Memórias afetivas do futebol', de Xande Pires, participa da mostra competitiva (foto: Imago/Divulgação)
A bola já está rolando no Rio e em São Paulo. Em Belo Horizonte, o início do torneio será hoje. Mas o palco não será o gramado, e sim a tela grande. O Cinefoot – Festival de Cinema de Futebol está em sua quinta edição e, pela primeira vez, terá uma mostra competitiva em BH. Até o dia 4 de junho, a programação do evento vai trazer exibições de curtas e longas, bate-papos e oficinas, nos cines Ponteio e Belas Artes, Museu das Minas e do Metal, Memorial Minas Gerais e Oi Futuro. Ao todo serão exibidos 10 longas-metragens e 12 curtas do Brasil, Japão, Espanha, Argentina, Iraque, Arábia Saudita, Bélgica, Holanda e Uruguai.

A noite de abertura, nesta sexta, no Ponteio, apenas para convidados, será alvinegra, com a première de 'R49 – O meteoro atleticano', de Diego Lisboa, documentário que registra o impacto da chegada de Ronaldinho Gaúcho ao Atlético Mineiro. Na mesma sessão será exibido o curta Gaúchos canarinhos, de Rene Goya Filho, sobre os 60 anos da camisa canarinho, que ultrapassou os limites do futebol, tornando-se um símbolo do país. O homenageado será o criador da camisa, o gaúcho Aldyr Schlee.

O Belas Artes vai exibir as competitivas. Serão sete longas em competição, dois deles também sobre o Atlético. Contra o vento, mais um trabalho de Diego Lisboa, conta a saga do clube para a conquista da Libertadores em 2013. O dia do Galo, de Cris Azzi e Luis Felipe Fernandes, traz como foco o mesmo campeonato, só que sob o ponto de vista dos torcedores. Democracia em preto e branco, de Pedro Asbeg, tem como pano de fundo o movimento surgido na década de 1980 no Corinthians, liderado por um grupo de jogadores politizados, como Sócrates e Casagrande.

O jornalista Geneton Moraes Neto dirige Dossiê 50: Comício a favor dos náufragos, que apresenta entrevista com os 11 jogadores que entraram em campo para disputar aquela que viria a ser a mais dramática partida da história da seleção brasileira: a decisão da Copa de 50, contra o Uruguai. Já Narradores – Memórias afetivas do futebol, de Xande Pires, traz como ponto de vista as narrações de experiências vividas durante a cobertura da Copa do Mundo desde 1954.

Pantera, de Fábio Moura, mostra a história do Esporte Clube Democrata, de Governardor Valadares. Único estrangeiro entre os longas em competição, o búlgaro Stoichkov, de Borislav Kolev, mostra a trajetória do craque Hristo Stoichkov, que integrou o dream team do Barcelona e foi o capitão da seleção da Bulgária na Copa de 1994. O time levou o país a seu melhor título no Mundial, um quarto lugar.

Além das sessões, haverá oficinas e exposição no Museu das Minas e do Metal. Amanhã e domingo, serão promovidas as oficinas Novos canarinhos (para crianças de 5 a 10 anos), sobre pinturas em camisetas; e o Cinefoot lab (para jovens a partir dos 16 anos), uma introdução à produção audiovisual.

CINEFOOT –FESTIVAL DE CINEMA DE FUTEBOL
Desta sexta até quarta-feira. Abertura e encerramento no cine Ponteio; competitivas no cine Belas Artes. Haverá mostras temáticas no Memorial Minas Gerais e Oi Futuro, oficinas e exposição no Museu das Minas e do Metal. Programação completa no site www.cinefoot.org. Toda a programação tem entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA