Sucesso no teatro, 'Homens são de Marte...e é pra lá que eu vou' estreia nos cinemas

Peça que atraiu mais de 2 milhões de espectadores nos palcos chega nas telonas preservando boa parte do roteiro original

por Helvécio Carlos 29/05/2014 08:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Downtown filmes/Divulgação
Mônica Martelli estreia no cinema 'Homens são de marte... e é pra lá que eu vou' (foto: Downtown filmes/Divulgação)
Vontade de ir para Marte Mônica Martelli tem. Mas, por enquanto, os únicos lugares de onde ela não tira o pé são os palcos dos teatros nos quais, há nove anos, faz o maior sucesso com 'Homens são de Marte... e é pra lá que eu vou'. Agora, os dramas femininos ganham as telas na versão dirigida por Marcus Baldini, o mesmo de 'Bruna Surfistinha'. “Para mim, é uma grande realização ver um projeto que começou em ensaios na sala da casa da minha mãe, estreou em teatro pequenininho, atraiu mais de 2 milhões de pessoas e agora está no cinema”, diz, orgulhosa do texto escrito a partir de vivências, sensações e desilusões amorosas. “O sucesso da peça deve-se ao fato de eu não ter tido pudor para falar com sinceridade de um tema que atinge todos: afinal, quem não procura um grande amor?”, questiona.

Confira os horários das sessões

No cinema, Mônica manteve boa parte do roteiro, com pequenas motificações e inclusão de personagens como Aníbal (Paulo Gustavo), sócio de Fernanda na empresa onde realizam... casamentos. “Como quis mostrar que Fernanda era independente, produtora de sucesso, coloquei o Aníbal como seu sócio.” A escolha de Paulo Gustavo era inevitável. “Somos amigos da vida. Ele viu 'Homens são de Marte...' umas três ou quatro vezes. Gostou tanto que decidiu criar 'Minha mãe é uma peça'”, conta a atriz que pensa em novos projetos com ele.

Mas afinal se todos estão em busca do grande amor, por que há tantos solteiros e solteiras na praça, de quem é a culpa? Mônica acredita que o problema esteja nos dois lados da balança. “Os homens fogem do compromisso. Têm medo da intimidade, mas, lá no fundo, não querem ficar sozinhos. E olha que casamento é melhor para homem do que para mulher. Temos de ser boas mães, donas de casa, profissionais e, à noite, estar gatas para o marido... Mas as mulheres solteiras têm expectativa muito grande. Especialmente as que estão perto dos 40 anos.”

A viagem de Mônica com destino a Marte não para. Em outubro, estreia no GNT uma série com 13 episódios mostrando Fernanda em uma nova fase de sua vida, depois de terminar um relacionamento de quatro anos. No início de 2015, começam os ensaios do espetáculo Minha vida em Marte, com Fernanda casada na continuação da peça.

 

Veja o trailer de  'Homens são de Marte... e é pra lá que eu vou':

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA