Em Cannes, Nicole Kidman rebate críticas da família de Grace Kelly: ''atuação foi com amor''

'Grace de Mônaco', classificado como ''farsa'' por familiares da biografada, foi defendido pela atriz: "se assistissem ao filme, veriam que há muito afeto"

por AFP Fernanda Machado 14/05/2014 14:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

AFP PHOTO / VALERY HACHE
Em sessão de longa criticado pela imprensa, Nicole Kidman defendeu abordagem ''não-histórica'' à vida da personagem principal, que foi atriz de cinema e princesa de Mônaco (foto: AFP PHOTO / VALERY HACHE)
Luminosa e bela, a australiana Nicole Kidman se converteu nesta quarta-feira na estrela da abertura do Festival de Cannes com 'Grace de Mônaco', que provocou a ira da família e também dos críticos reunidos no balneário do sul da França.

 

Veja fotos de Nicole Kidman no Festival de Cannes

 

Kidman, que carrega nos ombros o filme do francês Olivier Dahan, exibido em Cannes fora de competição, tentou apaziguar a tempestade causada na família Grimaldi pelo filme, ao afirmar que a produção está cheia "de afeto e amor" e convidando-os a assistir o longa-metragem.

A família de Mônaco, que havia concordado com o roteiro, viu o trailer do longa-metragem - focado em seis meses da vida da ex-estrela de Hollywood Grace Kelly, que abandonou o cinema para se tornar esposa do príncipe Rainier III - e o classificou de farsa.

Em uma coletiva de imprensa no Palácio dos Festivais, após a primeira exibição do filme, Kidman expressou sua tristeza pela polêmica, reiterando que ele havia sido feito "com muito afeto". "Sinto-me triste porque o filme não tem nenhuma maldade com a família ou com Grace", ressaltou a atriz.
AFP PHOTO / LOIC VENANCE
"Era muito importante não me sentir presa, e sim encontrar sua essência", diz Nicole sobre Grace (foto: AFP PHOTO / LOIC VENANCE)
"Mas se assistissem ao filme, veriam que há muito afeto em relação aos seus pais, e à história de amor entre os dois", declarou. "A minha atuação foi com amor", acrescentou Kidman, horas antes de subir as escadas com a equipe do filme, entre eles a espanhola Paz Vega, que interpreta María Callas, que visitava Mônaco com o magnata grego Aristóteles Onassis, e o britânico Tim Roth, que dá vida a Rainier.

"Tive cinco meses para me preparar, e entrar lentamente em sua pele. Mas era muito importante não me sentir presa, e sim encontrar sua essência. Foi muito bonito", confessou a estrela.

 

Filme 'não é histórico'
Tanto Kidman quanto Dahan ressaltaram na coletiva de imprensa que o filme "não é histórico", "não é uma biografia", mas que toma licenças poéticas sobre a história de Grace e Rainier III.

A família Grimaldi, que divulgou que não estará presente nesta quarta-feira na cerimônia de abertura do 67º Festival de Cannes, afirma que o conflito que o filme mostra entre o pequeno Estado e o presidente Charles de Gaulle em 1962 - em cujo contexto Grace rejeita um convite do grande Alfred Hitchcock para retornar às telas - não tem nada a ver com a realidade e que Dahan "desvirtuou a história para seus próprios fins comerciais".

Mas Dahan, que se tornou conhecido com o premiado "La vie en rose" sobre a cantora francesa Edith Piaf, respondeu às acusações ao afirmar que o que lhe interessava não eram os fatos históricos, mas "tocar o coração".
Divulgação
Família Grimaldi, da aristocracia de Mônaco, negou-se a enviar representante para a premiére do filme, que aborda relação de Grace com o príncipe Rainier III (foto: Divulgação)
"Não quis contar fatos, mas tocar o coração, servindo-me da intuição para retratar o que Grace poderia fazer em tal ou tal situação", afirmou Dahan, antes de ressaltar que seu filme "não é um encadeamento de fatos históricos", embora o contexto seja verídico. A expectativa criada pelo filme abriu passagem, no entanto, a uma certa desilusão por parte dos críticos de Cannes. "É uma telenovela", resumiu uma jornalista italiana.

"Cannes começa com um filme biográfico real pior que 'Diana'", afirma o jornal britânico The Guardian, ao mesmo tempo em que o Daily Telegraph o classifica de "melodrama idiota". Já a publicação francesa Telerama considera o filme "à beira da tolice" e o Hollywood Reporter se pergunta "como é possível fazer um filme chato a partir de uma história tão cheia de fofocas?"

No entanto, apesar de seus defeitos, "Grace de Mônaco" atrai a Cannes algo que sempre seduz: dramas, estrelas cheias de glamour, luxo, escândalos e suntuosas festas.

 

Confira o trailer de 'Grace de Mônaco':

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA