Paulínia Film Festival encerra rodada de homenagens

Flavio Tambellini, Lucia Murat e Rodrigo Diaz estão entre os nomes vencedores da 5ª edição do evento

por Estado de Minas 17/12/2013 09:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Du Amorim/Divulgação
Diretor do filme 'Malu de bicicleta', de 2010, Flavio Tambellini foi homenageado em Paulínia (foto: Du Amorim/Divulgação)
A quinta edição do Paulínia Film Festival fechou, no fim de semana, o ciclo de homenagens a produtores, roteiristas, diretores, atores e atrizes vencedores de edições anteriores do evento. Flavio Tambellini, diretor premiado por 'Malu de bicicleta' (2010), subiu ao palco para agradecer e fazer um apelo. “O trabalho que foi feito aqui jamais poderia ter sido interrompido, porque esse é um projeto a longo prazo, de formação”, disse, ao desejar vida longa ao Polo.


O clima de retomada envolveu todos os presentes, caso de Lucia Murat, que, além de vencer o prêmio de melhor documentário por 'Uma longa viagem' (2011), filmou em Paulínia no mesmo ano o longa 'A memória que me contam'. ”Como fiquei aqui durante um mês, me senti muito próxima da cidade,” declarou emocionada.

“Isto aqui é nosso”, afirmou Rodrigo Diaz, vencedor do prêmio de melhor curta regional por 'Depois do almoço', em 2010. “Naquele ano eu estava feliz porque queria fazer meu longa aqui, e penso que vai rolar por causa dessa retomada,” disse.

O produtor Ofir Figueiredo e o ator Rodrigo Garcia foram os responsáveis por apresentar o filme de encerramento, o pernambucano 'Tatuagem', sobre a relação entre o diretor de uma companhia de teatro e um jovem soldado do Exército no fim dos anos 1970, durante a ditadura. “Espero que o filme leve reflexão, pensamentos e emoções a vocês”, disse Ofir. “Apesar das diferenças, espero que vocês enxerguem o filme sem preconceito, apenas com amor”, completou Rodrigo.

Monica Trigo, secretária municipal de Cultura, uma das responsáveis pela retomada, declarou pouco antes do encerramento: “Quero garantir que as políticas permanentes serão construídas nesta cidade por meio do pacto federativo. É um projeto poderoso e consistente. Este tapete vermelho enorme é para todo mundo caminhar nele, não só os artistas.”. Ao final, Zezé Motta cantou a capela o clássico da MPB Minha missão, de João Nogueira e Paulo César Pinheiro, e foi aplaudida de pé pela plateia que lotava o Theatro Municipal de Paulínia Paulo Gracindo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA