Novo Hobbit prova que fãs não vão deixar série baseada na obra de Tolkien se esgotar

'O hobbit: a desolação de Smaug' entra em cartaz nesta sexta-feira em Belo Horizonte

por Carolina Braga 13/12/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MGM/New Line/Divulgação
(foto: MGM/New Line/Divulgação)
Nas cada vez mais frequentes trilogias, o capítulo do meio costuma ser o mais controverso. Já que é o miolo da história, não necessariamente terá seus personagens novamente apresentados e nem a trama delineada, tal como no primeiro. Sem dizer que não será a hora, também, de indicar qualquer coisa sobre a conclusão da aventura. Justo por ser o “filho do meio”, 'O hobbit: a desolação de Smaug' não escapa disso. É, inclusive, o que faz da segunda parte da trilogia dirigida por Peter Jackson a partir da obra de J. R. R Tolkien um longa para aficcionados.


Quem acompanha há tempos o que Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) apronta na Terra Média não terá o menor problema em entender o que ele e o grupo de anões estão buscando, o que Gandalf (Ian McKellen) esconde deles, qual a rivalidade com os elfos e por aí vai. Aqueles que não conhecem a trama a fundo podem não ter a ideia do que se sucede ou mesmo não se lembrar, no caso de quem viu a primeira parte. Assim, o longa vira um desfile interminável – são 2h41 – de efeitos especiais e batalhas. Ok, são muito bem executadas e têm ritmo alucinante.

'A desolação de Smaug' é mais sombrio do que 'Uma jornada inesperada' (2012). Na produção lançada no ano passado havia um certo prazer pelo início da jornada. Bilbo Bolseiro, mesmo que inseguro, demonstrava encantamento pelo que estava por vir. Agora não. Os personagens estão cansados, machucados, mas perseverantes. O hobbit já é outra pessoa. Menos ingênuo, mais esperto e sagaz.

A adaptação do livro para a telona é fiel aos escritos de Tolkien. Ver o filme e depois ler alguns trechos é uma experiência curiosa tamanha a rigidez com que o cineasta reproduz o que está descrito na literatura. Desta vez, Bilbo e os anões liderados por Thorin (Richard Armitage) continuam a saga para recuperar a Montanha Solitária e o Reino Perdido de Erebor. Óbvio que ainda não chegam a lugar algum.

Nesta parte do percurso finalmente alcançam a montanha, onde enfrentam o pior inimigo: o Dragão Smaug. A imagem do bichão enterrado no meio de tanto ouro impressiona. Aliás, cada nova criatura que aparece na tela é surpreende. O que dizer dos Orcs? É nítido o quanto o aspecto cinematográfico da coisa, ou seja a forma, os efeitos, ganham mais relevo na história do que propriamente os sentimentos ou mensagens que Bolseiro por ventura carregue. Há quem vá ao cinema para ver isso. Parece pouco.

Embora medo, coragem, ganância sejam, por exemplo, temas que permeiam a trama, eles não são aprofundados. Não há citações explícitas, discursos ou passagens emotivas. É o salve-se quem puder e que venha o próximo desafio. Por causa desse ritmo, entender o que está por trás daquela saga épica demanda um esforço extra do espectador e um conhecimento prévio. Sim, Tolkien – e consequentemente Jackson –, falam sobre convivência e sobrevivência. Cada um à sua maneira, à sua época.

Assista ao trailer:

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA