Sabores do Brasil são inspiração para chefs franceses no filme 'Por que você partiu?'

Documentário do cineasta Eric Belhassen narra a saga de seis nomes conhecidos da cozinha europeia que deixaram o seu país

por Eduardo Tristão Girão 18/09/2013 07:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Imovision/Divulgação
O francês Emmanuel Bassoleil, do restaurante Skye, é um dos personagens do filme de Belhassen (foto: Imovision/Divulgação )
A partir dos anos 1970, vários chefs franceses deixaram sua terra natal para construir nova vida no Brasil, consolidando carreiras de sucesso graças à fusão de sólida base técnica europeia e os incríveis ingredientes locais que, até então, não tinham tanto destaque nos restaurantes nacionais. A partir desse mito fundador da moderna cozinha brasileira, o diretor Eric Belhassen filmou 'Por que você partiu?', documentário com seis desses profissionais, atualmente em cartaz em Belo Horizonte.

Em primeiro lugar, não é exatamente um filme sobre gastronomia. Belhassen focaliza o momento em que cada chef decidiu deixar a França – a segurança, a família, o terroir etc. – para rumar em direção ao que para eles é, muitas vezes, a grande incógnita sul-americana. Ouvindo os próprios chefs e viajando para falar com suas famílias, Belhassen mostra o impacto de cada decisão, com suas consequências nos dois lados do Atlântico. Os sentimentos e as personalidades estão sempre em primeiro plano ao longo dos 94 minutos do filme.

Mordomia Sem se envolver diretamente com ingredientes, técnicas ou criatividade, o diretor consegue enfoque interessante e menos usual de seis dos mais conhecidos chefs franceses que trabalham no Brasil: Erick Jacquin (La Brasserie Erick Jacquin, SP), Alain Uzan (Avek, SP), Emmanuel Bassoleil (Skye, SP), Frédéric Monnier (Brasserie Rosário, RJ), Laurent Suaudeau (Escola da Arte Culinária Laurent, SP) e Roland Villard (Le Pré Catelan, RJ). Ausência gritante é a de Claude Troisgros (Olympe, RJ), o mais conhecido chef francês no país, que teria se recusado a participar do documentário.


Em estilo road movie, Belhassen percorreu cerca de 2 mil quilômetros na França para entender melhor a partida de cada um dos chefs rumo a esse exílio um tanto doce, um tanto melancólico no Brasil – de onde, aparentemente, nunca sairão. O diretor vai ao encontro do lendário chef Paul Bocuse, de 87 anos, que dispara: “Não perguntei se Laurent queria ir para o Brasil. Apenas mandei que fosse”. O veterano diz que a razão do sucesso de seu enviado é o casamento da base francesa com produtos nacionais.

Enquanto a mãe de Laurent orgulha-se da conduta do filho, que teria se mantido uma pessoa simples até hoje, a de Jacquin o critica por ter se descuidado da saúde e ficado gordo demais. Aliás, vem desse último explicação sedutora para a decisão de vir morar no Brasil: chegou para fazer festival de pratos com foie gras em São Paulo, recebeu US$ 7 mil por cinco dias de trabalho, teve motorista à disposição e caiu na farra. Foi exposto a nível de mordomia até então desconhecido.


Os pais de Bassoleil lamentam a distância que os separa, imaginando que morrerão sem ver o filho voltar à França. O chef, por outro lado, lembra que a vida aqui, apesar do prestígio na mídia, nem sempre é algo tão dourado quanto pode parecer. O primeiro fracasso, lembra ele, aconteceu graças a um amigo (padrinho de seu filho, inclusive), que administrava suas finanças e teria lhe roubado mais de US$ 150 mil.

 

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA