Com Oprah Winfrey e Forest Whitaker, 'O mordomo' estreia sob status de indicado ao Oscar

Longa do diretor de 'Preciosa' explora trajetória de vida de um mordomo negro na Casa Branca

por AFP 15/08/2013 19:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
(foto: Divulgação)
Ao passar por mais de 50 anos de história e uma dezena de presidentes americanos, o filme 'O mordomo' retrata a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos através da vida e carreira de um mordomo negro na Casa Branca. Livremente inspirado na vida de Eugene Allen, que foi funcionário da Casa Branca durante 34 anos, o longa de Lee Daniels estreia nos Estados Unidos nesta sexta-feira, 16, mas ainda não tem data de lançamento no Brasil.

A crítica especializada americana acredita que o filme, protagonizado pelo vencedor do Oscar Forest Whitaker e pala rainha da televisão americana Oprah Winfrey, será um forte candidato ao próximo prêmio da Academia. Lee Daniels, diretor de 'Preciosa' e 'Paperboy', aproveitou a história de Eugene Allen - falecido em 2010 aos 90 anos - para criar um novo personagem, Cecil Gaines, em uma viagem biográfica que vai dos campos de algodão da Geórgia segregacionista até a eleição de Barack Obama em 2008.

Sob o olhar do personagem plácido, discreto e silencioso ("Você não entende nada, não vê nada, apenas obedece", escuta no primeiro dia de trabalho na Casa Branca) acontece a grande história da luta de classes dos afro-americanos por seus direitos civis. Segregação, Freedom Riders, Martin Luther King, os Panteras Negras, grandes manifestações: o filme cita as grandes etapas do movimento, às vezes com o risco de parecer superficial, mas consegue ancorar seu discurso nos personagens de carne e osso.

Cecil é acompanhado pela esposa Gloria (Winfrey) e pelos filhos Louis (David Oyelowo) e Charlie (Elijah Kelley), o primeiro deles um ativista radical e o segundo um voluntário na guerra do Vietnã.

 

Em uma entrevista recente ao New York Times, Forest Whitaker fez um questionamento. "Há algo que não se diz e é 'por quê estas histórias não são contadas com mais frequência? Talvez as pessoas tenham medo de enfrentar o que acontece". "A verdade é que muitos problemas sociais continuam sendo pertinentes", completou, a respeito dos temas citados pelo filme.

Na mesma entrevista, Oprah Winfrey, que não atuava no cinema desde 'Bem-amada', de Jonathan Demme em 1998, recordou que a atriz Viola Davis foi criticada por ter interpretado uma doméstica negra em 'Histórias cruzadas' (2011).

"Por quê temos que contar esta história? Por quê temos que seguir interpretando a doméstica? Porque isto aconteceu e porque, sem eles, nenhum de nós estaria aqui hoje. Minha mãe era uma empregada doméstica, minha avó era uma empregada doméstica e a mãe dela era uma empregada doméstica", disse Winfrey.

A atriz, indicada ao Oscar de atriz coadjuvante em 1986 por 'A cor púrpura' e premiada em 2011 com um Oscar honorário por seu trabalho humanitário, também enfrentou Lee Daniels, em particular em uma cena passada imediatamente depois do assassinato do presidente John F. Kennedy (1961-1963) e na qual Gloria, irritada com Cecil por suas constantes ausências, se nega a consolar o marido. Eu disse ao diretor: 'jovem, este assassinato foi para o país como o 11 de setembro. Todo mundo estava chorando e eu acredito que ela (Gloria) deveria de ter um pouco de compaixão", contou Winfrey.

 

Produzido pelos irmãos Weinstein, especialistas em filmes com campanhas intensas para o Oscar, 'O mordomo' parece sob medida para vários prêmios. Os jornalistas já especulam sobre indicações para Oprah Winfrey e para Forest Whitaker.

 

O filme conta ainda com atores coadjuvantes de prestígio, como Robin Williams, Vanessa Redgrave, John Cusak, Liev Schreiber e Jane Fonda, que interpreta a primeira-dama Nancy Reagan. Os cantores Mariah Carey e Lenny Kravitz, amigos do diretor e que atuaram em 'Preciosa', também estão no filme.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA