Mostra no Cine Humberto Mauro traz a Belo Horizonte toda a obra de Alfred Hitchcock, o mestre do suspense

Público vai conferir raridades, filmes mudos e clássicos da sétima arte

por Carolina Braga 31/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
ARQUIVO
A atriz Tippi Hedren em cena antológica de Os pássaros (foto: ARQUIVO )
Você pode até não ser maníaco por cinema. Ainda assim, já deparou com este senhor careca, de ar misterioso: Alfred Hitchcock. O cineasta sempre foi popular e nunca precisou de um Oscar de direção para se tornar conhecido. Fã de suspense ou não, todo mundo terá a chance de conferir a obra completa desse mito da sétima arte. Desta quarta a 5 de setembro, a mostra 'Hitchcock é o cinema' exibirá no Cine Humberto Mauro, em Belo Horizonte, os 54 longas dirigidos pelo inglês, além de 94 produções feitas para a televisão.


Pela primeira vez, a cinematografia completa do mestre do suspense será reunida em uma sala mineira. A chance é de ouro tanto para cinéfilos quanto para quem ainda não teve contato com obra de tamanha relevância.

“Hitchcock está no DNA de uma das coisas mais paradoxais e emblemáticas do cinema: a dicotomia entre arte e indústria”, afirma Rafael Ciccarini, responsável pela mostra. Afinal de contas, se o diretor foi um dos nomes mais bem-sucedidos da indústria de Hollywood, caiu nas graças da crítica mundial – especialmente a francesa – sem jamais desmerecer a plateia, afirma o gerente de Cinema da Fundação Clóvis Salgado.


“Ele entendeu o espectador como ser dotado de alta capacidade de percepção, de psiquê complexa e contraditória, principalmente na relação sexo/violência, morte/desejo. O cinema de Hitchcock é erótico e macabro, violento e fascinante. O limite é tênue”, diz Ciccarini. Todas essas nuances poderão ser conferidas pelo público.


'Hitchcock é o cinema' não seguirá qualquer cronologia. Quem embarcar na programação deve se preparar para uma aula sobre a história da sétima arte. Em 51 anos de carreira, ele se destacou também como ator, roteirista e produtor. Foi o primeiro a usar o som como dramaturgia na telona, além de criar linguagens para o suspense, conferindo flexibilidade ao gênero.

Nem a tecnologia 3D escapou da curiosidade de Hitchcock. Uma das versões de 'Disque M para matar' (1954) adotou esse formato e será exibida pelo novíssimo projetor do Cine Humberto Mauro. Foram programadas cinco sessões por dia. Ao montar a grade, os organizadores procuraram ampliar a experiência hitchcokiana do espectador. Dessa forma, o mesmo filme será exibido tanto em película quanto no formato digital. É o caso dos clássicos 'Psicose' (1960), 'Janela indiscreta'' (1954) e 'Os pássaros' (1963), entre outros.

ARQUIVO
O ator James Stewart em cena famosa do clássico Janela indiscreta, lançado pelo cineasta Alfred Hitchcock em 1954 (foto: ARQUIVO)
Ao vivo A abertura da mostra 'Hitchcock é o cinema', no Palácio das Artes, exibirá 'O jardim dos prazeres' (1925), o primeiro longa finalizado pelo diretor Alfred Hitchcock. A plateia assistirá ao filme mudo com trilha sonora, composta por Daniel Cohen, executada ao vivo pela Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob a regência do maestro Marcelo Ramos. Outras oito produções serão exibidas dessa forma, com música executada por convidados surpresa.


Os trabalhos da chamada fase muda chegam à tela graças à parceria da Fundação Clóvis Salgado com o British Film Institute. As cópias restauradas chegam ao Brasil com a tecnologia Digital Cinema Package (DCP), que permite projeção em resolução superior às exibições tradicionais.


“É a oportunidade para a gente relativizar essa fase. O cinema nunca foi mudo, os filmes sempre foram vistos da forma como vamos apresentar aqui”, explica Rafael Ciccarini, gerente de cinema da FCS. Além de 'O jardim dos prazeres', serão exibidos 'O inquilino sinistro' ('The lodger', 1926), 'Downhill' (1927), 'Vida fácil' ('Easy virtue', 1927), 'O ringue' ('The ring', 1927), 'Champagne' (1928), 'A mulher do fazendeiro' ('The farmer’s wife', 1929), 'O ilhéu' ('The manxman', 1929) e 'Chantagem e confissão' ('Blackmail', 1929).

 

 

PRESTE ATENÇÃO

 

O inquilino sinistro (1926)
O primeiro grande sucesso de Hitchcock, que tinha 27 anos quando lançou o terceiro longa de sua carreira

Chantagem e confissão (1929)
Considerada a primeira fita britânica falado. Inicialmente, foi concebido como filme mudo

A sombra de uma dúvida (1943)
O próprio Hitchcock o considerava o seu melhor filme, “do ponto de vista do suspense e do caráter”, conforme revelou ao colega Peter Bogdanovich

 

The white shadow (1924)
Um dos primeiros trabalhos de Alfred Hitchock, ficou inacabado. Serão exibidos os três rolos do filme

Rebecca (1940)
O longa marcou a estreia de Hitchcock em Hollywood. Vencedor do Oscar de melhor filme em 1940. Foi o único trabalho do diretor a levar a estatueta nessa categoria 

 

Festim diabólico (1948)
Baseado na peça de Patrick Hamilton,
foi o primeiro de uma série de blockbusters estrelados por James Stewart

 

Psicose (1960)
Emblemático para a mudança da forma de abordar o terror no cinema. Traz uma das cenas mais aterrorizantes da sétima arte. É o 18º entre os 100 melhores filmes da história, segundo o Instituto de Cinema Americano.
A programação da mostra Hitchcock é o cinema dedicará um dia inteiro ao clássico Psicose, um dos maiores sucessos do diretor. O longa será exibido em 17 de agosto em película e em formato digital.O crítico Marcelo Miranda ministrará palestra e o público poderá conferir duas refilmagens: 'Psicose II' (1983), do diretor Richard Franklin, e 'Psycho' (1998), de Gus van Sant.

Mestre da tela e da TV


Outra novidade é a série televisiva 'Hitchcock presents'. No ar de 1955 a 1962, o programa era apresentado pelo próprio diretor. Episódios curtos que reúnem elementos de terror, comédia, suspense e sobrenatural serão exibidos diariamente, às 13h.

Também se destacarão na mostra mineira atores emblemáticos para a trajetória de Hitchcock, como James Stewart, Tipi Hedren, Grace Kelly, Janet Leigh, Sean Connery, Cary Grant, Paul Newman e Ingrid Bergman, entre outros astros e estrelas.

A programação oferece também curso gratuito de 13 a 15 de agosto. O crítico e professor Luiz Carlos Oliveira Jr. vai falar sobre a subjetividade do suspense hitchcockiano. Os interessados devem enviar
currículo para cursos.cinehumbertomauro@gmail.com. São 120 vagas.

DESIGNER Alfred Joseph Hitchcock nasceu em 13 de agosto de 1899 em Londres, na Inglaterra. Aos 20 anos, iniciou a carreira no cinema como designer de intertítulos no estúdio londrino da Players-Lasky. Ali aprendeu a roteirizar, editar e cuidar da direção de arte. Em 1922, tornou-se assistente de direção. Assumiu o comando da câmera em 1923, porém só concluiu o primeiro longa, 'O jardim dos prazeres', em 1926.

Hitchcock jamais recebeu um Oscar como diretor. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood o agraciou com o Prêmio Especial Irving Thalberg Memorial pelo conjunto da obra. Ao recebê-lo, o inglês fez o menor discurso da história da cerimônia. Disse “obrigado” e virou as costas, sob aplausos da plateia. Hitchcock faleceu em 29 de abril de 1980, aos 80 anos, em Los Angeles (EUA).

PROGRAMAÇÃO


»QUARTA-FEIRA

20h30 – Exibição de 'O jardim dos prazeres' (1926), com trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. Ingressos esgotados.

» QUINTA-FEIRA

13h – Série de TV: Alfred Hitchcock apresenta. Episódios “Vingança”, “Premonição”, “Pistoleiros sob controle”e “Não volte viva”
14h45 – 'Quando fala o coração' ('Spellbound', EUA, 1945)
17h – 'O homem que sabia demais' ('The man who knew too much', Inglaterra, 1934)
19h30 – 'O homem que sabia demais' (EUA, versão de 1956)
21h30 – Assassinato (Murder, Inglaterra, 1930)

» SEXTA
15h – 'Cortina rasgada' ('Torn curtain', EUA, 1966)
17h15 – 'A dama oculta' ('The lady vanishes', Inglaterra, 1938)
19h – 'Downhill' (Inglaterra, 1927)
21h – 'Marnie, confissões de uma ladra' ('Marnie', EUA, 1964)

» SÁBADO
14h – Série de TV: Alfred Hitchcock apresenta. Episódios “Vingança”, “Colapso”e “O caso do sr. Pelham”
15h30 – 'Valsas de Viena' ('Waltzes from Vienna', Inglaterra, 1934)
17h45 – 'O homem errado' ('The wrong man', EUA, 1957)
19h45 – 'O ringue' ('The ring', Inglaterra, 1927)
21h45 – 'Psicose' ('Psycho', EUA, 1960)

» DOMINGO
14h30 – 'Sabotagem' ('Sabotage', Inglaterra, 1936)
16h – 'Intriga internacional' '(North by northwest', EUA, 1959)
18h30 – 'Os pássaros' ('The birds', EUA, 1963)
20h45 – 'A estalagem maldita' ('Jamaica inn', Inglaterra, 1939)

Confira a programação completa em fcs.mg.gov.br/programacao/mostra-hitchcock-e-o-cinema/

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA