Obra do cineasta carioca Elyseu Visconti Cavalleiro é exibida em seminário no Sesc Palladium

Cineasta ganha destaque em exposição, seminário e mostra de longas-metragens que tem abertura nesta quinta em Belo Horizonte

por Walter Sebastião 11/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 acervo/Elyseu Visconti Cavalleiro
(foto: acervo/Elyseu Visconti Cavalleiro)
Grosso, esquisito, esdrúxulo. E também ousado, original, recuperação do ato de criar no cinema. Definição do filme 'Os monstros de Babaloo' (1970), realização do carioca Elyseu Visconti Cavalleiro, vinda de Paulo Klein, o curador da mostra dedicada ao diretor, que começa nesta quinta-feira, às 19h, no Sesc Palladium. Sexta-feira, às 20h, será apresentado mais um longa do cineasta: 'O lobisomem – o terror da meia-noite' (1974). Ambos os filmes são referência do cinema experimental brasileiro dos anos 1970, com surpreendente, quase bizarra, recuperação da chanchada. Estão na tela, inclusive, atrizes ícones do gênero, como Wilza Carla e Zezé Macedo.

A exibição dos longas de Elyseu Visconti Cavalleiro abre seminário sobre o diretor, que vai até 10 de agosto. “São filmes manifestos a favor de um cinema de invenção”, explica Paulo Klein. Trabalhos, continua, que foram censurados e, até hoje, só chegam às telas em mostras alternativas. “É o cinema de uma época em que as pessoas tintam atitude, que faziam filmes sem nada. O que é uma grande lição”, acrescenta. Elyseu Visconti Cavalleiro, depois de fazer os dois longas, se autoexilou no Nordeste brasileiro, passando a fazer documentários, mais de 40 deles com apoio de Gilberto Freyre e de Câmara Cascudo, obras que também serão exibidas em Belo Horizonte.

Elyseu Visconti Cavalleiro nasceu no Rio de Janeiro, tem 74 anos. É de família de artistas, cuja casa era frequentada por intelectuais, poetas, escritores, artistas plásticos. Foi aluno, na escola de belas-artes, de Oswaldo Goeldi, Roberto Delamonica e Ivan Serpa. Ganhou bolsa para estudar cinema em Paris e, na capital francesa, conheceu o realizador e etnólogo Jean Rouch. Morou, ainda, na antiga Tchecoslováquia, dedicando-se a ilustrações, a exemplo das realizadas para Os diários, de Franz Kafka (que estão sendo mostradas em BH). Retornando ao Brasil, nos anos da ditadura militar, voltou-se para o cinema autoral e antropológico.

Mostra Elyseu Visconti Cavalleiro – Cinema & invenção
Exibição de filmes, seminário e exposição. Abertura nestq quinta-feira, às 19h. Sesc Palladium, Avenida Augusto de Lima, 420, Centro, (31) 3279-1500. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA