Em 'Camille outra vez', mulher abandonada pelo marido volta no tempo para refazer sua vida

Noémie Lvovsky dirige e estrela filme sobre o universo feminino

por Walter Sebastião 31/05/2013 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

A. BORREL/DIVULGAÇÃO
(foto: A. BORREL/DIVULGAÇÃO)
Camille Vaillant (Noémie Lvovsky), aos 40 anos, depois de saber que foi trocada por uma mulher mais jovem pelo marido Eric (Samir Guesmi), vai a uma festa de ano novo, toma todas e desmaia. Ao acordar, está de volta à adolescência e revê toda a sua história. Você vai saber de tudo: como, quando e de que modo, aos 16 anos, ela conheceu Eric, o primeiro e o último homem de sua vida. A moça revive tudo o que fez com que eles se apaixonassem e tivessem uma filha, mas agora terá a chance de refazer esse ‘‘filme’’ para que o encontro deles não ocorra e a vida tome outro caminho.

Veja mais fotos do filme

Confira os horários das sessões

A trama de 'Camille outra vez' não é das mais originais – foi consagrada em 'De volta para o futuro' e 'O exterminador do futuro', ambos discretamente citados no filme. Mas é levada com charme, leveza e tempero francês pela diretora Noémie Lvovsky. Ou seja: é historia romântica de encontros, desencontros e reencontros afetivos, repleta de perguntas sobre o amor, a vida, o tempo, o destino e, especialmente, sobre o que é e o que poderia ser. Com encenação zombeteira, o longa traz de volta momentos irônicos e a nostalgia dos anos 1980.

'Camille outra vez' é até simpático, mas deixa a sensação de ser longo demais (1h55min) para o que apresenta. Promete algo diferente, mas não cumpre. Desenvolve apenas enfoque polido e civilizado das relações afetivas (o que, vale observar, já é bom num contexto em que chovem dramas sofridos e trágicos sobre o fim de relacionamentos). O resgate do clima nostálgico, inocente, adolescente, não afasta sombra que pesa sobre o longa: o conformismo. Problema que, para um francês ilustre, o sociólogo Pierre Bourdieu, é epidêmico na arte e na sociedade contemporâneas.

O filme foi exibido na Seleção da Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes em 2012 , apresentado em diversas mostras e teve 13 indicações ao César, o Oscar francês. Noémie Lvovsky tem 48 anos, é atriz, roteirista e diretora e já ganhou prêmios por curtas e longas. 'Les sentiments' levou o Prêmio Louis Delluc. A diretora também fez parte do júri de vários festivais de cinema, entre eles o de Locarno.

Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA