Nova versão de 'Bonitinha, mas ordinária' chega às telas com direção de Moacyr Góes

João Miguel e Letícia Colin vivem clima de sensualidade e conflito tipicamente rodriguianos

por Mariana Peixoto 24/05/2013 08:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Diler & Associados/Divulgação
(foto: Diler & Associados/Divulgação)
“O mineiro só é solidário no câncer.” Frasista de mão cheia, Otto Lara Resende (1922-1992) tem nessa sua frase mais famosa. A ironia é que nunca foi comprovado realmente ter sido o escritor de São João del-Rei o autor. Foi Nelson Rodrigues (1912-1980) quem a atribuiu a Otto em um de seus textos mais conhecidos, 'Bonitinha, mas ordinária', ou 'Otto Lara Resende'. Levada para a posteridade, a afirmativa “do Otto” é proferida incontáveis vezes por Edgard, anti-herói de 'Bonitinha, mas ordinária', que ganhou sua terceira versão para o cinema.

Veja mais fotos do filme

Confira os horários sessões

Agora dirigida por Moacyr Góes, a história, que estreia hoje em todo o país, gira em torno do triângulo amoroso formado por um rapaz humilde (Edgard, vivido por João Miguel) que recebe a proposta de se casar com a filha do patrão (Maria Cecília, interpretada por Letícia Colin), jovem de 17 anos que foi estuprada por cinco homens. Ele aceita pelo dinheiro, apesar de gostar de sua vizinha (Ritinha, Leandra Leal), tão pobre quanto ele. As hesitações do personagem, bem como o que está por trás da proposta de casamento e da vida das figuras femininas, movem a narrativa.

Góes, que tem trabalhado constantemente no universo rodriguiano (já encenou, no teatro, montagens de 'Bonitinha'..., 'Toda nudez será castigada', 'Os sete gatinhos e estreia', em julho, 'A falecida'), transpôs para os dias de hoje a história. A primeira cena mostra o estupro de Maria Cecília, que, ao som de Marcelo D2, é violada numa favela carioca. Mesmo atualizando o contexto, pouco mexeu no texto original. “Suprimi umas cenas, inventei outras que não contêm texto, fragmentei algumas para que não houvesse sequências longas demais”, afirma.

O filme foi rodado em 2009 e está pronto desde 2011. A estreia, dois anos depois, de acordo com Góes, deveu-se a “questões de produção e de mercado de lançamento”. Para o diretor, mais importante do que a sexualidade, o que vem à tona no texto é mais profundo. “A essência de 'Bonitinha'... é a crítica de valores, coisa que a gente vive muito hoje. A obra do Nelson é muito cercada por preconceito e há uma grande caricatura dele por conta do erotismo. Mas de uma maneira geral sua obra gira em torno da questão ética. Ele era um cara conservador, e não há neste termo nenhuma crítica, mas ele estava pensando mais na preservação dos valores, da honestidade. Isso me encanta muito mais do que a sexualidade.”

Diler & Associados/Divulgação
Moacyr Góes já levou vários textos de Nelson Rodrigues aos palcos (foto: Diler & Associados/Divulgação)
Aura estranha
Do elenco, dois nomes já haviam encenado 'Bonitinha'... no teatro sob a direção de Góes: Leon Góes, que no palco fez Edgard e, no cinema, Dr. Peixoto, homem que propõe o casamento armado a Edgard; e André Valli, morto em 2008, aqui em pequena participação em seu último filme. “Sempre tive muito claro que tinha que trabalhar com um elenco que soubesse o que é a construção de um personagem, que pudesse estudar o universo de Nelson”, continua Góes.

Para o papel de Maria Cecília, Letícia Colin participou de audições ao lado de 50 garotas. A atriz, conhecida do público infantojuvenil por meio das novelas teen 'Malhação' e 'Floribella', tinha somente 18 anos quando fez o filme. “A personagem é muito polar, quase que médico e o monstro, o sonho de todo ator.” Para ela, a grande dificuldade foi “falar o texto do Nelson, que tem uma prosódia própria, num filme contemporâneo. Tive que fazer uma menina crível, mas que não é muito convencional, pois carrega uma aura estranha”, finaliza a atriz.

VERSÕES NA TELA

A versão mais conhecida de 'Bonitinha, mas ordinária' é de 1981. Dirigida por Braz Chediak, a história é protagonizada por José Wilker, Vera Fischer e Lucélia Santos, que vive Maria Cecília em uma de suas interpretações mais conhecidas. Antes desta, a peça foi filmada em 1963 por Billy Davis, com Jece Valadão, Odete Lara e Lia Rossi nos papéis principais.

Assista ao trailer do filme:

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA