Filme 'Faroeste caboclo', inspirado em canção de Renato Russo, estreia no fim do mês

Apesar de a história ser bem conhecida do público, longa-metragem tem roteiro e atuações que prendem a atenção

por Sérgio Rodrigo Reis 21/05/2013 08:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Hugo Santarem/Divulgação
Conhecidos por trabalhos na televisão, Fabrício Boliveira e Ísis Valverde vivem o casal central de Faroeste caboclo, de René Sampaio (foto: Hugo Santarem/Divulgação)
O desafio do filme 'Faroeste caboclo', que estreia no fim do mês em todo o Brasil, é a própria história. A produção, inspirada na música homônima do líder do Legião Urbana, Renato Russo (1960-1996), para os que hoje estão acima dos 30 não apresenta maiores novidades. Trata-se da transcrição quase literal da narrativa contida em um dos maiores hits dos anos 1980. Mas não é que, a partir de um tema previsível, o diretor René Sampaio conseguiu propor um longa capaz de prender a atenção do início ao fim? O mérito está em criar um filme que, mesmo com todo parentesco possível, consegue se distanciar da música e da letra e propor uma imersão ao passado recente de uma geração. Passa-se numa época de Brasília que, para aquela turma, a vida era ditada pela rebeldia simbolizada pelo rock, sexo e drogas.


A história é a da trajetória de João de Santo Cristo (Fabrício Boliveira), desde a infância no interior da Bahia até a ida para Brasília, no início dos anos 1980, onde se envolveu com o tráfico. Ajudado por Pablo (Cesar Troncoso), um primo distante, peruano que vende drogas da Bolívia, ele vai trabalhar numa carpintaria, mas também se envolve com o tráfico de drogas. Um dia, por acaso, conhece Maria Lúcia (Ísis Valverde), filha de um senador (Marcos Paulo, em seu último trabalho no cinema). Enquanto os dois se apaixonam, João mergulha cada vez mais numa escalada de crime e violência – até encontrar seu principal inimigo, o playboy e traficante Jeremias (Felipe Abib), rival nos negócios e no coração de Maria Lúcia. As cenas intensas de amor e vingança espelham, de uma maneira quase literal, em 100 minutos, a epopeia narrada por Renato Russo de jeito bastante inusitado para uma canção.


'Faroeste caboclo', com nove minutos e três segundos de duração, desde sua criação já sinalizava a possibilidade de virar um futuro roteiro de cinema, pelo caráter altamente descritivo e visual da letra. Lançada em 1987 pelo Legião Urbana, no álbum 'Que país é este?', narra em 168 versos a saga de João de Santo Cristo, da infância no sertão baiano à morte ainda jovem em Brasília. Sucesso de nascença, nunca deixou de ser cantada, desde então, pelas gerações seguintes, apesar da natural dificuldade em decorar toda a letra. Os roteiristas Marcos Bernstein e Victor Atherino também enfrentaram desafios para levar contexto tão vasto às telas, o que os obrigou a optar por licenças poéticas, deixando de fora alguns trechos em nome da fluência da trama. A opção não prejudicou o resultado. Pelo contrário. Ao se distanciar da narrativa literal é que o roteiro ganha mais força para ganhar a atenção do espectador.


Outro mérito do filme é o elenco. Boa história, encenada por um grupo pequeno de atores experientes nos principais papéis, garante agilidade a uma típica Cinderela às avessas: uma garota de classe média alta que se envolve e se apaixona pelo jovem negro, assaltante e sem futuro. Dar conta de um roteiro cheio de clichês, tirando proveito das situações desse faroeste ambientado na cidade grande, é a missão na qual mergulhou o elenco. Teve gente que se saiu melhor. Fabrício Boliveira, conhecido do público depois da minissérie Subúrbia, da Rede Globo, conseguiu tirar proveito do papel do Santo Cristo, assim como Ísis Valverde. Como Maria Lúcia, a jovem atriz mineira se superou.


'Faroeste caboclo' tem outro desafio, que é a proximidade com produção também inspirada no legado de Renato Russo. 'Somos tão jovens', filme de Antonio Carlos da Fontoura, recém-lançado e ambientado no início da carreira de Renato Russo, tem tido sucesso em todo o país. Repetir o mesmo com Faroeste caboclo não é tarefa das mais fáceis. Porém, a julgar pelos seguidores saudosistas do Legião, parece que o novo longa-metragem deve trilhar caminho parecido. Somente o trailer oficial já foi visto no YouTube, até o início da tarde de ontem, por mais de 2,5 milhões de pessoas.


Diretor vem da publicidade
O diretor brasiliense René Sampaio conseguiu o feito de realizar um faroeste na cidade grande, como reza a letra da canção de Renato Russo. O filme tem agilidade, as cenas de ação convencem, o elenco é bom, tudo isso garante elementos de sobra para não frustrar as expectativas dos fãs do Legião Urbana. Mas é bom avisar: não se trata de nenhuma obra-prima, mas de filme honesto, bem no estilo Globo Filmes – uma mescla da linguagem televisiva com cinema.
O ritmo intenso da narrativa foi garantido pela vasta experiência de René Sampaio na publicidade. Ele tem vários prêmios no currículo, entre eles o Leão de Prata, em Cannes, em 2005. Depois da estreia nas telas com o curta-metragem 'Sinistro' (2000), produção que conquistou sete Candangos no Festival de Brasília, ele finalmente chega ao longa-metragem sem esconder as influências da linguagem publicitária. Nem é seu desejo.


“É o jeito que sei filmar. Minhas escolhas têm a ver com minha escola. Porém, também há planos contemplativos em que os atores estão em ritmo bem diferente do publicitário”, diz o diretor. A opção pela história é algo da época de juventude. “Tinha 14 anos quando ouvia a canção no rádio e a imaginava no cinema. Era o filme que gostaria de fazer. Deu certo. É uma história que faz muito sentido para minha geração.” A adaptação acabou ficando bem diferente das primeiras impressões que René teve da letra. “Naquele tempo, minha visão era bem alegórica e acompanhava a métrica e rima, o que não tem como ser repetido no filme. Tive agora um pouco mais de compromisso com a realidade.”


A expectativa de René Sampaio é grande. “Estamos esperando que os números de acesso à internet se concretizem na bilheteria. Ao mesmo tempo, estou com o pé no chão. Tento manter a expectativa de que quem assistir ao filme saia satisfeito e entenda a adaptação a que me propus realizar. Se ainda assim o projeto se concretizar em sucesso de bilheteria, melhor ainda.” Com três roteiros em andamento – dois dramas e uma comédia –, o cineasta espera um futuro intenso. Sobretudo se atingir êxito com 'Faroeste caboclo'. “Este filme retrata um Brasil que ainda é atual. As questões ali ainda permanecem importantes. Fala da minha geração, mas não acho que seja algo datado. Muita molecada ouve Legião e gosta dessa música. Sinal que permaneceu”, conclui o cineasta.


Legião em Cannes
O legado de Renato Russo continua rendendo nos cinemas. O diretor mineiro Thales Corrêa, de 24 anos, exibirá diariamente em Cannes, na mostra paralela Short Film Corner, o curta 'Parents', baseado na letra 'Pais e filhos', do Legião Urbana. O filme, rodado em Los Angeles, onde mora há três anos, é protagonizado por Ludmila Dayer. A ideia surgiu em janeiro do ano passado. Thales estava com amigos em um bar da terra natal, Campo Belo, quando a canção começou a tocar e o filme inteiro se formou na sua cabeça. Cinco meses depois, ao receber a notícia de que seu pai havia falecido, a letra de Renato Russo voltou à cabeça. Principalmente o trecho “é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”.

Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA