Cine 104 exibe filme sobre o músico Paulo Moura

Documentário de Eduardo Escorel resgata imagens históricas da trajetória de um dos maiores instrumentistas do país, morto em 2010

por Eduardo Tristão Girão 20/05/2013 08:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Débora Amorim/Divulgação
Paulo Moura foi compositor, arranjador, saxofonista e clarinetista de choro, samba e jazz (foto: Débora Amorim/Divulgação)
Foi um balde de água fria. Em setembro de 2008, o cineasta paulistano Eduardo Escorel havia recebido o OK do clarinetista Paulo Moura e sua mulher, Halina Grynberg, para fazer um documentário sobre a vida do músico. Dois anos depois, quando as gravações sequer haviam começado, o artista morreu. Escorel pensou em desistir, mas decidiu transformar o projeto num tributo repleto de imagens históricas e marcantes de Moura. Depois de abrir o festival 'É tudo verdade', 'Paulo Moura – Alma brasileira' chega a Belo Horizonte, onde ficará em cartaz até quinta-feira, no Cine 104.

Paulista de São José do Rio Preto, Paulo Moura trabalhou sem parar até sua morte, aos 77 anos – da gravação em 78 rotações de 'Moto perpétuo' (1956), de Paganini, até Fruto maduro (lançado ano passado), um dos últimos registros em disco dele, com o guitarrista André Sachs. Já morando no Rio de Janeiro, começou estudando piano, formou-se em clarinete e iniciou a carreira tocando em gafieiras e bailes. Trabalhou na Rádio Nacional, integrou a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal e gravou peças que Radamés Gnatalli escreveu para ele. Lançou dezenas de discos e fez carreira também no exterior.

Quase artesanal Com 86 minutos de duração, o documentário não segue a estética cronológica e organizada de outras produções do gênero. Ao contrário, expõe o diretor e roteirista Eduardo Escorel como autor de um painel de depoimentos, apresentações e filmagens caseiras de Paulo Moura, tudo disposto de forma um tanto aleatória, mas nem por isso menos interessante. Entre os pontos altos estão as cenas em que a viúva do artista abre uma caixa e retira dela algumas fotos que passa a comentar: surgem os pais dele, o desfile de escola de samba que armou em Tóquio e sua apresentação no Carneggie Hall, em Nova York.

As imagens de shows são bem diversas, em datas e locais os mais diversos. Vão da gravação de 'Só louco' (Dorival Caymmi) para a TV Cultura nos anos 1990 a 'Manhã de carnaval' (Luís Bonfá e Antonio Maria), interpretada em 1977 em um festival em Lagos, na Nigéria, passando por registros em Paris, Berlim, Suíça e Israel. As formações que Paulo Moura integrou também são distintas: duo com o pianista Wagner Tiso; trio com o pianista Arthur Moreira Lima e o violonista Heraldo do Monte; quarteto só com percussionistas; orquestras (como regente ou solista) e dançando no palco com Martinho da Vila.

Para costurar tudo isso, Escorel partiu de aproximadamente 80 horas de material recolhido de acervos no Brasil e no exterior. Há imagens raras e também algumas inéditas, entre elas o depoimento dado por Moura ao diretor finlandês Mika Kaurismäki em 2004, época em que filmava o documentário sobre choro 'Brasileirinho'. As cenas do sarau que amigos fizeram para o músico no hospital, pouco antes de morrer – o clarinetista pediu o clarinete e tocou 'Doce de coco', de Jacob do Bandolim –, não foram liberadas para inclusão no filme.

PAULO MOURA – ALMA BRASILEIRA
Filme sobre o músico Paulo Moura, com direção e roteiro de Eduardo Escorel. De segunda a quinta-feira, às 21h, no Cine 104 (Praça Rui Barbosa, 104, Centro). Ingressos a R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). Informações: (31) 3222-6457.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA