Blocos fazem carnaval de Belo Horizonte voltar às origens

O bloco Angola Janga, representante do movimento afro, desfilou cultura e melanina no Centro da capital nesse domingo

Tulio Santos/EM/D.A Press
(foto: Tulio Santos/EM/D.A Press)

O carnaval de Belo Horizonte retomou nesse domingo a sua forma mais natural. O bloco Angola Janga, representante do movimento afro, desfilou cultura e melanina no Centro da capital. E foi bonito demais. Do trajeto entre a Avenida Álvares Cabral e a Praça da Estação ouviu-se muito axé e uma voz homogênea clamando por igualdade e o fim do preconceito. A movimentação começou tímida no ponto de concentração do bloco, mas gradualmente as pessoas foram chegando até tomar completamente a Rua Espírito Santo.

Lucas Nascimento, um dos presidentes do Angola Janga, afirma que o objetivo do bloco não é somente arrastar muitos foliões no carnaval, já que trabalham durante o ano todo. “Nossa ideia é manter as raízes negras e resistir contra a segregação que sofremos, até mesmo durante o carnaval.”

Cada passo de dança e melodia da bateria foram acompanhados com empolgação do público. Pessoas se entreolhavam e apontavam para os braços, se mostrando arrepiadas. Victória Dias, designer, levou sua família ao bloco e considera muito importante um desfile com tanta força política. “É urgente que iniciativas como essa aconteçam, para que exista uma reconstrução da identidade negra.”

Cadê o Alcova

Também lutando contra as proporções apoteóticas que têm cercado o carnaval belo-horizontino, o bloco Alcova Libertina adotou o mistério. A organização não divulgou o local da folia até a véspera desse domingo. O resultado? A Praça da Lavadeira, no Bairro Colégio Batista, Região Leste de BH, ficou abarrotada de gente dançando e ouvindo grandes sucessos do rock. André Leal, produtor do grupo, definiu o espírito: “Sexo, drogas e rock’n’roll”.

Mesmo não interessados em aumentar o tamanho de sua festa e rejeitando o patrocinador oficial do carnaval de BH, a irreverência e o repertório do coletivo continua conquistando fãs. Cristiano Ricardo, de Carmópolis de Minas, trouxe a família para Belo Horizonte com o objetivo de curtir a folia. Segundo ele, a Alcova Libertina foi um dos motivos. “Eles permitem que pessoas que não curtem tanto as músicas tradicionais de carnaval também se divirtam. Estamos curtindo muito”, afirma.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL