BH tem mistura de ritmos e bloquinhos para todos os gostos em 2° dia de carnaval com chuva

Prevista por meteorologistas, a chuva marcou presença durante a maior parte do dia, mas serviu de inspiração para os foliões, que agradeceram pela água

Os meteorologistas foram certeiros na previsão e o segundo dia de carnaval em Belo Horizonte e região metropolitana foi de chuva na maior parte do tempo. Mas em vez de reclamar, os foliões agradeceram pela água que caiu do céu. Os integrantes do bloco Pena de Pavão de Krishna, por exemplo, viram na precipitação chuvosa uma resposta da natureza ao pedido que faziam pela preservação das águas durante o desfile no distrito de Morro Vermelho, em Caeté, na Grande BH.



O desfile do Pena de Pavão – que neste ano fez uma homenagem às águas de Minas – contou com uma imagem de Oxum, o orixá das águas doces. Apesar da dificuldade de chegar ao local onde o bloco se concentraria devido às condições da estrada, sobrou animação entre o grupo, que terminou o trajeto caminhando, enquanto entoava parte do hino: 'aflorou! Afoxé! Todo mundo andando a pé'. Durante o cortejo, um dos integrantes do bloco, Rafael Gonçalves, recitou a oração de São Francisco.


Na capital, a folia também começou cedo. Na esquina das ruas Ceará com Aymorés, integrantes do bloco Beiço do Wando se reuniram por volta de 8h para um desfile cheio de 'fogo e paixão', como cantava o artista romântico que inspirou a criação do bloquinho.

Para os românticos de plantão, teve também o Bilu Bilu, que se reuniu na Goitacazes, próximo ao Mercado Central. Dedicado à sofrência, segundo seus integrantes, o bloco é do tipo concentra, mas não sai. E por um motivo mais do que justo: ele fica parado para que os participantes possam dançar juntinhos.

À tarde, a animação se espalhou por outras regiões de BH. Na Pampulha, uma multidão acompanhou o bloco Os Baianeiros, que foi seguido por uma multidão nas ruas do Bairro Castelo. Já na Região Leste, o bloco Alcova Libertina agradou foliões que preferem dançar ao som de rock.

Quem também levou uma multidão às ruas foi o Bloco Angola Janga. Os integrantes do grupo aproveitaram o momento que reúne milhares de pessoas nas ruas para passar uma mensagem contra o genocídio negro.

 

Para saber quais serão os desfiles desta segunda-feira, você pode acessar o Mapa  dos Blocos preparado pelo Portal Uai. Para conferir a programação, é só clicar na imagem abaixo:

Assédio e agressão

Túlio Santos/EM/D.A.Press
(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)

Na contramão da alegria do carnaval e do respeito, o assédio marca presença na folia. Uma jovem, de 24 anos, foi ferida por um homem durante o desfile Unidos do Samba Queixinho, no Bairro Carlos Prates, na Região Noroeste de Belo Horizonte. O caso foi flagrado pela reportagem do em.com.br.

O homem, fantasiado com o rosto pintado de laranja e duas estrelas pretas no olho, de aproximadamente 30 anos, insistia em assediar a jovem, quando, com uma cabeçada, feriu o nariz dela. Com o nariz ensanguentado, ela foi acolhida por amigos. O homem saiu correndo e, ainda, não foi identificado. A jovem pretende fazer o Boletim de Ocorrência (BO).

Neste mesmo ano, mulheres ligadas a diversos blocos e foliãs que participam festa de rua da capital lançaram a campanha “Tira a mão: é hora de dar um basta”, contra o assédio durante a folia.

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL