Jorge Ben Jor é atração na festa Carnaval do Brasil

Festa acontece no sábado e na terça-feira

por Walter Sebastião 13/02/2015 11:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jorge Ben Jor/Divulgação
(foto: Jorge Ben Jor/Divulgação)
A folia de Belo Horizonte terá convidados ilustres: Jorge Ben Jor e a Banda Vitória Régia, atrações da festa Carnaval do Brasil, no Mirante Olhos d’Água. O primeiro, como se sabe, criou o samba rock ao misturar batuques brasileiros e Jovem Guarda. Jorge compôs patrimônios nacionais, como 'País tropical'. Com 14 integrantes, a Banda Vitória Régia ajudou a dar forma ao soul brasileiro criado por Tim Maia. Interpretações caprichosas do repertório do artista são a marca do grupo.


Cláudio Mazza é tecladista, compositor e arranjador da Vitória Regia. Foi parceiro, amigo e tocou nove anos com Tim Maia. “Fazemos soul music com elementos bem brasileiros. É brazilian soul. O legado de Tim Maia está no nosso DNA”, avisa. Esse estilo é mantido por músicos tarimbados, que têm grande interação entre si, explica, garantindo que isso resulta em performance “precisa, com magia, força e identidade”. O grupo foi criado em 1974 e nunca deixou de tocar. Mazza promete para este ano um disco de composições inéditas, escritas pelos integrantes. O CD contará com participações especiais de Cláudio Zolli e Gabriel O Pensador.

O encanto e empatia que a música de Tim Maia desperta, explica Claúdio Mazza, vem do fato de ela ser universal e ter alta qualidade. Resumindo: a síntese de harmonia, ritmo e melodia que, com simplicidade, apresentam um pensamento musical complexo.

“Tim Maia fez música elaborada sem deixar de lado o coração. 'Gostava tanto de você', 'Do Leme ao Pontal' ou 'Não quero dinheiro' são viscerais”, afirma Mazza, sem se surpreender com a presença delas no carnaval. “O que surpreende é ver, em clubes de elite e populares, adultos, crianças, adolescentes e idosos cantando as canções do Tim. Todos sorrindo, atingidos de forma positiva pelas composições dele”, observa.

Tim Maia, conta Cláudio Mazza, era muito diferente do que se imagina. “Era um homem tranquilo, que tinha consciência social. Esse foi o drama dele, o pai dos independentes”, acrescenta, lembrando que o artista criou gravadora e editoras próprias, cuidando da produção de fonogramas e da prensagem de seus próprios discos. “Ao receber um lote de 10 mil cópias, ele quis parar tudo para contar um por um e ver se não tinham enganado ele”, recorda.

“Tim Maia foi um artista cuidadoso com a sua música, mais preocupado com a expressão do que com preciosismos técnicos”, diz Cláudio Mazza. Às vezes, isso rendia quebra-paus homéricos com produtores, arranjadores e a banda, conclui.

CARNAVAL DO BRASIL
>> Sábado, às 16h – Bloco Sargento Pimenta, Banda Vitória Régia, Bloco Me Beija Que Eu Sou Pagodeiro e DJs Alta Fidelidade e Vitor Sobrinho.
>> Terça-feira, às 16h – Jorge Ben Jor, blocos Chama o Síndico e Moreré, DJs Deivid e Vitor Sobrinho.

Espaço Folia, Rua Gabriela de Melo, s/nº, Mirante Olhos d’Água. Passaporte para dois dias: R$ 110 (meia). Ingresso só para sábado: R$ 60 (meia). Só para terça-feira: R$ 70 (meia). Informações: (31) 3889-2003. Classificação: 18 anos. Informações: (31) 3889-2003

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL