Marchinhas antigas: você se lembra delas? Ouça canções clássicas

Revigoradas em festivais, as marchinhas são reproduzidas há mais de cem anos e documentam a história do Brasil

por Larissa Lins 04/02/2015 09:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Arquivo DP
As marchinhas eram sucesso nos carnavais antigos (foto: Arquivo DP)
A musicista brasileira Chiquinha Gonzaga tinha 52 anos, com netos, quando compôs a letra de maior sucesso da carreira. A obra-prima 'Abre alas', lançada em 1899, é a primeira marchinha carnavalesca da história. A canção fora encomendada para o enredo do cordão carnavalesco Rosa de Ouro, no Rio de Janeiro, e combinava ritmo, letra e estilo derivados das marchas populares portuguesas, do outro lado do oceano. O romance entre Chiquinha e o português João Batista Fernandes Lage, no mesmo ano, pode apontar as raízes da inspiração luso-brasileira. Os frutos se multiplicariam entre as décadas de 1930 e 1960 - quando as marchinhas atingiram o ápice criativo, com o maior número de composições, registrando o cenário político e social da época. Mais de um século depois, um concurso na Fundição Progresso, na Cidade Maravilhosa, coroou uma música pernambucana - 'Adoro celulite', de J. Michiles e Gustavo Krause - e resgatou a saudade do ritmo eternizado por Chiquinha Gonzaga.

No acervo da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, é possível ouvir marchinhas em versão original remasterizada. “São mais de dez mil discos de 78 rotações, além de CDs e arquivos em imagem e som”, explica Samuel Barros, da área de atendimento ao público da instituição. Aberta à pesquisa, a fonoteca guarda fitas-rolo, fitas cassete, arquivos de áudio e fotografias que destrincham antigos carnavais. “Alguns fatores contribuem para que as marchinhas, cujo ritmo é similar ao do frevo de bloco, perdurem no tempo”, explica o maestro Sérgio Barza, do Conservatório Pernambucano de Música. O saudosismo, a melodia marcante e a ausência de produção atual seriam os principais. “Elas remetem ao passado, dando a ideia de que houve tempos mais puros. Têm melodias fortes que se sobrepõem até mesmo as letras curtas, como um jingle”, diz. Para ele, a popularidade alcançada pelo gênero na época áurea da rádio se transformou em produção mais restrita, voltada, hoje, para públicos específicos.

Poderosas crônicas do cotidiano, as marchinhas mencionam personalidades da política brasileira em diferentes fases, além de documentar contextos históricos como a  Revolução de 30. “Elas foram pioneiras na crítica jocosa de aspectos políticos e sociais”, acrescenta o pesquisador fonográfico Renato Phaelante, que desdobra a característica no livro 'Traços de crítica e humor na discografia da MPB' (2002). A fácil memorização das canções ajuda a consolidar registros da história nacional. São hits que imortalizaram intérpretes que exportaram a cultura nacional, como Carmen Miranda, Carlos Galhardo (voz de 'Allah-la-ô', de 1940), apresentadores como Silvio Santos (que difundiu 'A Pipa do vovô não sobe mais' na década de 1980) e Chacrinha ('Maria Sapatão', nos anos 1980).

>> Sabe cantá-las?
Fizemos um passeio pelas marchinhas e pela história musical do Brasil. Confira:



1929
'Seu Julinho vem' - composta por Freire Júnior, faz menção ao então candidato à Presidência da República Julio Prestes e documenta a Política do Café com Leite, entre os setores agrários de São Paulo (produtor de café) e Minas Gerais (produtor de leite).

Seu Julinho vem, seu Julinho vem,
Se o mineiro lá de cima descuidar
Seu Julinho vem, seu julinho vem,
Vem, mas custa, muita gente há de chorar


1930
'O barbado foi-se' - Lamartine Babo usou os pseudônimos de G. Ladeira e Dr. Boato para assinar a letra, gravada por Almirante, que faz referência à deportação de Julio Prestes. As letras enalteciam o “líder revolucionário” Getúlio Vargas.

Doutor barbado
Foi-se embora
Deu o fora
Não volta mais!


1932
'Teu cabelo não nega' - É a mais famosa, seguida por 'Mamãe eu quero' (1937), retrato da tolerância da época com temas racistas. Segundo registros do produtor Leon Barg, reunidos no álbum 'Carnaval: sua história, sua glória' (volume 2), as matrizes da R.C.A Victor (Radio Corporation of America), distribuidora da obra, trabalhavam dia e noite para dar conta dos pedidos das lojas de discos. Lamartine Babo, compositor, aproveitou estribilho de uma marcha dos Irmãos Valença para a canção.

O teu cabelo não nega, mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega, mulata
Mulata, eu quero o teu amor


1936
'Pare, olhe, escute… e goste!' - Composição de Nelson Ferreira, é a única música gravada com a voz do recifense Fernando Lobo (compositor de 'Chuvas de verão', 'Nêga maluca' e 'Zum-zum'), tornando-se raridade entre as marchinhas de carnaval.

Pa, pa, pa, pa, pare, olhe, escute
E goste um bocadinho de mim
Pare, olhe, escute… e goste!
Nem que seja um pedacinho assim


1937

'Mamãe eu quero' - De Jararaca e Vicente Paiva e interpretada pela cantora e atriz luso-brasileira Carmen Miranda, fez sucesso na América Latina e nos EUA, onde ficou caracterizada com o figurino tropical de baiana, lançado em 1939, na comédia musical Banana da Terra.

Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar!
Dá a chupeta, dá a chupeta, ai, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar!


1943
'China Pau' - Inspirada na resistência aos japoneses na 2ª Guerra Mundial, composta por João de Barros e Alberto Ribeiro, tem cunho político semelhante a 'Adolfito Mata-mouros' (mesmos autores) e 'Quem é o tal?' (Ubirajara Nesdan e Affonso Teixeira).

É china pau
China pau
Como quê
É China pau
China duro de roer


1946
'Criado com vó' - Frevo-canção de Marambá, se popularizou no Recife na voz de Linda Batista. A expressão, a partir dali, passou a ser usada para designar personalidades “mimadas”, de difícil convivência.

O Lourival sempre foi abobalhado
Dele até eu tenho dó
Sabe por que ele é assim, minha gente?
Porque foi criado com vó


1950
'Retrato do velho'-
Haroldo Lobo e Marino Pinto compuseram a marchinha que virou jingle para Getúlio Vargas ser eleito presidente, após o Estado Novo. A letra mencionava, com ironia, o uso da imagem do político em repartições públicas.

Bota o retrato do velho
outra vez
Bota no mesmo lugar
O sorriso do velhinho
Faz a gente trabalhar


1954
'Saca-rolha' - Uma das marchinhas mais tocadas do carnaval daquele ano, de autoria de Zé da Zilda e Zilda do Zé com Waldir Machado, foi premiada em concursos de músicas carnavalescas da época.

As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo a mão na saca, saca, saca-rolha
E bebo até me afogar

1964
'Mulata iê-iê-iê' - Sucesso de João Roberto Kelly, foi composta em homenagem à primeira mulher negra a concorrer ao título de Miss Brasil (Vera Lúcia Couto, eleita Miss Estado da Guanabara naquele ano).

A boneca está
Cheia de fiufiu
Esnobando as louras
E as morenas do Brasil 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL