Centenas de foliões alegram as ruas na saideira do carnaval em BH

Cerca de 300 pessoas enfeitaram e alegraram novamente as ruas de Belo Horizonte, ao colocar neste sábado os blocos nas ruas e nas praças

por Alice Maciel 09/03/2014 07:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Sidney Lopes/EM/D.A Press
Nem a chuva atrapalhou a brincadeira que contagiou os belo-horizontinos, lotando a Praça da Estação (foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)

Quem disse que o carnaval acabou? Em Belo Horizonte, nem mesmo a chuva impediu os foliões de ir para as ruas. Na Praça da Estação, no Centro da capital, foi dia do “Vira o Santo”. Blocos carnavalescos, que saíram de vários bairros na semana passada, se encontraram, reunindo aproximadamente 300 pessoas. No Prado, na Região Oeste, os foliões esperaram a chuva passar debaixo de marquises para curtir os blocos Alôprados e Dois pra lá, Dois pra cá. No carnaval oficial, entre as seis escolas que desfilaram na Afonso Pena, Acadêmicos de Venda Nova saiu vencedora.

Veja mais fotos da Saideira do carnaval em BH

De rosto azul e turbante, a estudante Ariane Ribeiro, de 23 anos, foi curtir ontem a ressaca de carnaval na Praça da Estação. Ela contou que saiu todos os dias em blocos de rua e tocou no Então, Brilha! que arrastou uma multidão no sábado. “O carnaval foi emocionante”, exclamou. Ariane já está se preparando para a festa do ano que vem. “Vale a pena ficar em BH para curtir a cidade”, disse. Integrante do bloco Unidos do Samba Queixinho, que saiu no domingo, a geóloga Denise Chiodi, de 63, também não se intimidou com a chuva e foi se encontrar com os outros foliões na praça. “O carnaval de Belo Horizonte não pode perder essa caracterísca dos blocos de rua”, defendeu.

 No Prado, a tempestade atrasou a saída dos blocos, marcada para as 12h. Os foliões se espalharam debaixo de marquises da Rua Platina para esperar a banda passar. Apesar da espera, o clima era de animação. O carnaval foi tão bom, segundo o estudante Pedro Gregório, de 22, que ele enfrentou a tempestade para curtir mais festa ontem. “Há grandes chances de eu ficar em Belo Horizonte no ano que vem. O carnaval foi animado e sem confusão, só faltaram mais banheiros.”

Sidney Lopes/EM/D.A Press
(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
QUEIXAS

Banheiros químicos, segurança e proteção ao patrimônio público foram as principais reclamações de quem caiu na folia, dos músicos que comandaram a festa, e da própria prefeitura. Foram pelo menos 170 blocos a arrastar multidões, segundo levantamento da Belotur. Desses, 150 estavam cadastrados. Alguns tiveram cerca de 30 mil foliões, como o Baianas Ozadas, que desfilou na segunda-feira. Houve ainda 14 palcos espalhados pela cidade. O presidente da Belotur, Mauro Werkema, estima que o número de foliões se aproximou do esperado: 1 milhão. Ao fazer o balanço da festa, na quarta-feira, ele defendeu uma legislação para preservar bairros tradicionais durante o carnaval.

DIA DA MULHER E DE PROTESTOS

Representantes de entidades e movimentos femininos e feministas fizeram manifestações ontem pelas ruas e avenidas do Centro de Belo Horizonte, pelo Dia Internacional da Mulher. Dois grupos se mobilizaram, protestando pelo fim da violência e mortes das vítimas, e cobrando o direito a cidadania, educação, saúde e moradia. Um dos grupos, com mais de mil pessoas, saiu da Praça Afono Arinos, sentido Avenida Afonso Pena. O outro, com cerca de 500 manifestantes, se concentrou na Praça da Estação, caminhando depois no sentido a Praça Sete, Avenida Afonso Pena, Rua Guajajaras, Avenida João Pinheiro, com destino à Praça da Liberdade, no Bairro de Lourdes, na Região Centro-Sul da cidade. Na Praça da Liberdade, eles pintaram o relógio da Copa com a frase: “Não vai ter Copa”, e colaram panfletos com frases de protesto: “Lutar não é crime. Nós, mulheres, resistimos e lutamos. Feminismo ocupa a cidade”. As manifestações causaram congestionamentos nas principais vias da área central.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL