Blocos caricatos desfilam pela Avenida Afonso Pena

Reduto há 20 anos não recebia os carnavalescos de BH. Público lotou as arquibancadas

por Luciane Evans 04/03/2014 07:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS
Com 95 integrantes, os Estivadores do Havaí abriram o desfile na Região Central inspirados em homenagem ao Egito antigo: hoje será a vez de seis escolas de samba (foto: JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS)
Depois de 20 anos longe das suas origens, uma tradição carnavalesca de Belo Horizonte voltou à Avenida Afonso Pena, no Centro. Ontem foi dada a largada para os tradicionais desfiles da cidade, que desde 1994 não ocorriam ali. No primeiro dia, nove blocos caricatos levaram a multidão. Segundo a Belotur, cerca de 25 mil pessoas acompanharam a festa, entre elas muitas famílias. Hoje, a partir das 19h, será a vez das seis escolas de samba. A expectativa é de que haja a mesma quantidade de pessoas.

Veja mais fotos do desfile do bloco caricato Estivadores do Havaí

Para o retorno em grande estilo, o bloco Estivadores do Havaí foi o primeiro a se apresentar e levou para o público o enredo Rio Nilo no Antigo Egito. Com fantasias de múmias e esfinges, a agremiação contou com a participação de 95 foliões. “A nossa alegria está de volta. Desfilar de novo na Avenida Afonso Pena é, para nós, o resgate da nossa tradição”, comentou, entusiasmada, uma das diretoras, Joice Mangabeira. Seu marido, Rodrigo Gomes, que sempre esteve à frente da diretoria, não resistiu e, pela primeira vez, resolveu fazer parte como folião. “É maravilhoso”, comemorava.

Os outros oito blocos caricatos relembraram mitos e ícones da cultura nordestina, exaltaram o Festival de Parintins, destacaram a Escola Integral em Belo Horizonte, celebraram o Congado de Chico Rei e homenagearam a Praça da Estação, um dos símbolos da capital. Ao todo, foram 1,3 mil pessoas com um sonho na cabeça e muito samba no pé. O bloco que se classificar em primeiro lugar ganhará R$ 25 mil; o segundo colocado, R$ 12,5 mil; e o terceiro, R$ 6,2 mil.

 Marca registrada do carnaval da capital, os blocos caricatos estão ligados à origem da festa na cidade, em suas primeiras manifestações ocorridas ainda no fim do século 19. “É algo exclusivo de BH que está crescendo”, disse o presidente da Belotur, Mauro Werkema. Na arquibancada, à espera das novidades e da alegria dos blocos, a aposentada Santinha Conceição da Silva contou que, ontem, foi a primeira vez que saiu de casa para assistir ao evento. “Antes era muito longe e, agora, ficou mais perto da gente.”

O desfiles tradicionais eram feitos na Avenida Afonso Pena. “Em 1994, passaram para a Via 240, na Região Norte. Em 2010, voltaram para o Centro, na Praça da Estação e, neste ano, eles estão de volta à origem. Aqui, na Afonso Pena, é o local ideal, pois tem espaço para um público grande e também para os blocos e escolas de samba que, com o tempo, só têm crescido na cidade”, afirmou Werkema.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL